A CDU aumentou mais de 70 mil votos em relação a 2004
CDU aumenta de votação e elege dois deputados
Uma força a crescer
Na declaração que proferiu na noite de domingo, na sede nacional do Partido, em Lisboa, Jerónimo de Sousa expressou a sua satisfação pelo resultado alcançado pela CDU, que aumentou a sua votação e elegeu dois deputados. Transcrevemos, na íntegra, a declaração do Secretário-geral do Partido.
A nossa primeira palavra é de satisfação. Satisfação pelo importante progresso eleitoral da CDU. Um progresso que é um sinal de exigência de mudança e de confiança que é possível construir uma vida melhor.
A nossa segunda palavra é de preocupação com a situação do País e do povo português mas também de confiança de que é possível uma outra política e um outro caminho. Perante a crise, o desemprego, as injustiças e a corrupção, uma realidade se impõe: dar agora ainda mais força à CDU.

1. O resultado obtido pela CDU – traduzido na confirmação da eleição dos dois deputados (no quadro da redução de 24 para 22 mandatos nacionais), no aumento da sua expressão eleitoral e número de votos, –dando expressão à corrente de apoio que a campanha testemunhou, confirmam a CDU como uma força a crescer, indispensável ao País e à solução dos problemas nacionais.
Confirmando o sentido de avanço e crescimento eleitoral da CDU dos últimos actos eleitorais, o resultado agora obtido projecta na vida política nacional e para as próximas eleições não apenas a possibilidade de derrotar a política de direita como de impor, com o reforço da CDU, uma viragem na política nacional.
Um resultado com um significado e expressão tão mais valorizável quanto construído a partir de uma campanha que, baseada na empenhada intervenção de milhares de activistas dirigida à mobilização e esclarecimento dos eleitores, teve de vencer uma ostensiva linha de desvalorização da CDU.
A persistente deturpação da sua mensagem e propostas, a pressão induzida por sucessivas sondagens confirmaram ao longo da campanha a clara percepção que, quer o Governo quer os interesses económicos associados à política de direita, têm de que é na CDU que reside o voto que mais temem e mais pode pôr em causa, não apenas em palavras, mas pela acção e projecto alternativo, a política de direita e os interesses dos grandes grupos económicos e financeiros.

2. A derrota eleitoral sofrida pelo PS traduzida na perda de deputados e de votos constitui uma expressiva condenação da política do Governo e uma indisfarçável erosão da sua base social de apoio.
Os resultados agora obtidos pelo PS - inseparáveis da luta, protesto e indignação que uniu e juntou centenas de milhares de portugueses na defesa do direito ao trabalho, dos serviços públicos e de conquistas sociais e que encontrou no PCP e na CDU a mais determinada e firme oposição – são em si expressão de uma clara condenação da sua política e orientações e confirmam que não só é possível, como indispensável, impor em Setembro próximo uma nova e expressiva derrota a este Governo e à política de direita.

3. A CDU chama a atenção para a operação que a propósito da leitura dos resultados do PSD está já em desenvolvimento para procurar estimular artificialmente uma dinâmica de bipolarização tendente a iludir a plena identidade de propostas e políticas que, como a campanha das europeias revelou, unem PS e PSD. O que o País reclama é uma clara ruptura com a política de direita que há mais de 33 anos PS e PSD promovem alternadamente, só possível com o reforço da CDU.

4. A CDU saúda os candidatos, activistas e militantes do PCP, do PEV, da ID e independentes que com a sua generosa dedicação, com a sua intervenção insubstituível contribuíram em todo o País para afirmar a distintiva intervenção da CDU no Parlamento Europeu na defesa dos interesses nacionais e para a projectar como uma força indispensável à solução dos problemas nacionais e a uma ruptura com a política de direita.
A CDU saúda os milhares de eleitores muitos dos quais confiaram pela primeira vez o seu voto a esta coligação com a inteira garantia de que aqui encontrarão o sentido e exigência de mudança na vida política nacional que abra uma janela de esperança numa vida melhor.
A campanha de esclarecimento e de mobilização de vontades que semana após semana a CDU desenvolveu constitui um inestimável ganho para a afirmação de uma força identificada com os interesses dos trabalhadores e da população, profundamente ligada às suas preocupações e aspirações, partilhando a sua inabalável confiança de que é possível uma vida melhor e mais digna.
A Marcha «Protesto, confiança e luta» que a 23 de Maio inundou as avenidas do centro de Lisboa constitui – muito para além das fronteiras de uma mera iniciativa de campanha – uma marca indelével de uma força ancorada num larga corrente de homens e mulheres que não se resignam perante as dificuldades e uma marcante afirmação de combativa confiança dos que acreditam na construção de um Portugal mais desenvolvido e soberano, que perdurará pelo seu significado e dimensão nas muitas lutas que hão-de impor uma ruptura com a política de direita e construir uma política alternativa no nosso país.
Os resultados obtidos pela CDU, e sobretudo a corrente de apoio às nossas propostas e intervenção, são um sólido elemento de confiança para as batalhas políticas e eleitorais que num futuro próximo podem decidir de uma mudança na vida política nacional.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: