As governações PS e PSD não se distinguem
CDU apresenta candidaturas às legislativas
A força que conta
A pouco menos de três meses do povo regressar às urnas e quando as legislativas já têm data marcada – vão realizar-se a 27 de Setembro, anunciou, sexta-feira, Cavaco Silva –, a CDU prossegue a apresentação das candidaturas à Assembleia da República.
Em Coimbra, anteontem, a força que conta para a mudança apresentou publicamente os primeiros quatro candidatos por aquele círculo eleitoral. Adelaide Gonçalves, António Moreia e João Pinto integram uma lista encabeçada pelo professor e músico da «Brigada Victor Jara» Manuel Pires da Rocha.
Na iniciativa, que contou com a presença do Secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof e mandatário distrital da CDU, Vladimiro Vale, membro da Comissão Política do PCP e responsável pela Organização Regional do Partido, e Renata Costa, em representação da JCP, Manuel Pires da Rocha lembrou que a Coligação dá a conhecer estas candidaturas num tempo em que «nas bocas repetitivas dos comentadores de serviço, nas páginas dos jornais de grande circulação, nos noticiários televisivos, já se monta o espectáculo da alternância».
Intervindo perante as cerca de 150 pessoas que encheram a Casa Municipal da Cultura de Coimbra, o candidato da CDU alertou os presentes para estarem preparados, pois estão a caminho «toneladas de promessas requentadas. As noções de esquerda e direita, ainda há pouco consideradas defuntas na boca dos ideólogos do neoliberalismo, regressam, mal usadas, ao léxico político, para distinguir aquilo que todos sabemos não ter distinção possível, isto é, os traços essenciais das governações do PS e do PSD ao longo das últimas décadas».
Mas, acrescentou, «seja qual for a trama que os grandes grupos económicos e seus agentes políticos pretendam montar, é de sublinhar, aqui, que a CDU não tem vocação para papel de cenário. E por isso luta. E por isso avança», frisou.

O voto que faz a diferença

Lembrando que a eleição de deputados da CDU é garantia de defesa dos direitos de quem trabalha, e que, nas horas difíceis, é com estes que os trabalhadores e outras camadas atingidas pela política de direita contam, o cabeça de lista pelo círculo de Coimbra acentuou que «o voto útil é na CDU» porque «só é útil o voto que corresponde à vontade de quem vota».
O voto «capaz de transformar em realidade os anseios dos milhares de trabalhadores» que não desistem de lutar por uma vida melhor, aduziu mais adiante, antes de recordar que o distrito se encontra cada vez mais desertificado, os seus habitantes com menos poder de compra, e o seu aparelho produtivo mais débil depois de vários encerramentos que empurraram para o desemprego milhares de trabalhadores, pese a luta organizada destes «contra as medidas mais gravosas do Governo e patronato».

É preciso avisar toda a gente

As falências e a destruição de postos de trabalho, as dificuldades que atravessam todos os sectores da economia nacional, a precariedade laboral estimulada pelo Código de Trabalho, os ataques contínuos aos direitos sociais e laborais e aos Serviços Públicos são, no actual contexto, problemas sobre os quais urge intervir, continuou Manuel Pires da Rocha, que traçou o perfil da situação no distrito, elencou algumas das propostas da CDU e concluiu que na luta que agora começa é preciso avisar toda a gente.

De Norte a Sul

Já depois de apresentados os primeiros candidatos da CDU pelo distrito de Coimbra, a Coligação divulgou os cabeças de lista noutros cinco círculos eleitorais.
José Soeiro, 61 anos, trabalhador agrícola, membro da DOR de Beja do PCP e actual deputado do Partido na AR, onde integra várias comissões e grupos de trabalho, lidera a lista pelo distrito de Beja.
Um pouco mais a Sul, no Algarve, a lista da CDU é encabeçada pelo professor universitário e membro da Concelhia de Faro do PCP, Paulo Miguel de Sá, 43 anos, enquanto que em Portalegre é o engenheiro agrário e membro da DOR de Portalegre e dos órgãos sociais da Confederação Nacional de Agricultura, Joaquim Lopes, 51 anos, quem surge em primeiro lugar na lista.
Em Viana do Castelo e Bragança, João Correia, 48 anos, funcionário público, membro do CC do PCP e da Direcção Regional do STAL, e Manuela Cunha, 52 anos, membro do Conselho Nacional do Partido Ecologista «Os Verdes» e vereadora na CM de Almeirim, são, respectivamente, os cabeças de lista da CDU naqueles distritos.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: