JCP defende a revogação do RJIES

A JCP está contra o protocolo celebrado entre a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e o BPI, um dos representantes do Conselho Geral da instituição, intitulado «Crédito Formação BPI/FDUC».
Em nota de imprensa, a Direcção da Organização do Ensino Superior de Coimbra da JCP recorda que desde que o Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior (RJIES) foi implementado na Universidade de Coimbra observou-se a «diminuição da participação dos estudantes nos órgãos de gestão da universidade e faculdades», a «centralização de poderes na figura do director das faculdades» e a «abertura da gestão da universidade a entidades privadas».
Na Universidade de Coimbra o principal órgão de gestão, que é o Conselho Geral, tem na sua composição 18 professores, dois funcionários, quatro estudantes e dez entidades externas, nomeadamente o BPI, a Zon Multimédia e a Critical Software.
«Ao fomentar o endividamento dos estudantes e das suas famílias, através da abertura de linhas de crédito para pagamento de propinas, este protocolo (BPI/FDUC) confirma a tese segundo a qual a entrada de entidades externas na gestão das universidades não serve os interesses dos estudantes, antes o interesse das entidades externas - neste caso concreto os interesses do BPI», acusa a JCP, relembrando que «há uma norma constitucional que defende a gratuitidade do ensino superior e que a Acção Social Escolar foi criada para ajudar economicamente os estudantes nas despesas que estes têm na frequência da universidade».


TMA desperta consciências

Perante uma sala repleta de gente, foi apresentada, sexta-feira, a programação do Teatro Municipal de Almada. De um conjunto de 267 sessões programadas, destaca-se, no teatro, a estreia absoluta de três novas produções da Companhia de Teatro de Almada (CTA).
Joaquim Benite encena «A Mãe», peça fundamental no primeiro teatro de Berlot Brecht, onde a formação de uma consciência crítica é o tema central. O director da CTA dirigirá também «Tuning», de Rodrigo Francisco. Mário Barradas encena uma peça, inédita em Portugal, de Shakespeare: «Troilo e Créssida».
Na dança, os nomes de Clara Andermatt, Olga Roriz ou Wim Vandebeybus distinguem-se entre um vasto conjunto de criadores que se vêm afirmando no TMA como espaço de qualidade, aberto a um plural cruzamento de tendências. Os concertos comemorativos do bicentenário do nascimento de Fréderic Chopin (1810-1849) e Robert Shumann (1810-1856) marcam uma programação musical intensa e rica. Passarão ainda pelo TMA a Orquestra Gulbenkian, «Divino Sospiro» e a Sinfónica da Ucrânia, bem como Aldina Duarte, Carminho e o projecto «Solo Brasil». A opera regressa com «O Barbeiro de Sevilha».


China é líder de mercado

As vendas de automóveis na China, nos primeiros dez meses de 2009, aumentaram 37,8 por cento, ultrapassando pela primeira vez os dez milhões de unidades. Pelas contas da Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis, divulgadas este semana, entre Janeiro e Outubro deste ano a China vendeu 10,9 milhões de veículos e consolidou a sua posição de líder do mercado mundial do sector.
A General Motors China, com sede em Xangai, encabeça a lista dos maiores fabricantes do país e no final do ano deverá ultrapassar a marca de um milhão e meio de veículos, um aumento de cerca de 60 por cento em relação a 2008, indicou o jornal China Daily.
Só no mês passado, aquela companhia vendeu 166 911 veículos na China, mais de o dobro de Outubro de 2008, disse a mesma fonte. Em 2006 a China destronou o Japão do segundo lugar do ranking mundial do mercado automóvel e no final deste ano ultrapassará os EUA.


Nova base dos EUA na Roménia

Aproveitando o foguetório em torno do 20.º aniversário do derrube do Muro de Berlim, Washington decidiu avançar para a construção do maior complexo militar situado em território romeno, o qual ficará situado no porto de Constanta, a escassos quilómetros das bases russas no Mar Negro, informou o jornal Estado de São Paulo.
A base com quase 80 edifícios será a terceira que os norte-americanos estacionam naquele país da Europa de Leste.


Humberto de Castro lança CD

Humberto de Castro apresentou ontem, quarta-feira, na Sociedade Portuguesa de Autores, em Lisboa, o seu novo disco, com canções em português, francês e espanhol. Neste trabalho o cantor interpreta temas de José Afonso, Trovante, Madredeus, Camões-Amália, Ary-Tordo, Sérgio Godinho, António Gedeão-José Niza, Jacques Brel, Aznavour, Bécaud, Léo Ferré, Boris Vian, Astor Piazzolla e Patxi Andion, entre outros. Os arranjos orquestrais são de Pedro Jordão.


Resumo da Semana