Breves
Governo despreza agricultores
A Associação de Agricultores do Distrito de Setúbal promoveu, sexta-feira, uma marcha lenta entre Alcácer do Sal e a Setúbal, em protesto contra a redução de 50 por cento no preço do arroz . Os produtores acusam as cadeias de distribuição de fazerem «dumping» (venda a baixo d o preço de custo) na comercialização de arrozimportado

Perspectivar o futuro
A CDU de Vila Franca promoveu, dia 14 de Novembro, na UDCA A-dos-Loucos, um encontro entre eleitos, candidatos e activistas com o objectivo de fazer o balanço dos últimos meses de trabalho e lançar «as bases do trabalho futuro a nível autárquico» e «da luta das populações». Esta iniciativa contou com a presença de Carlos Chaparro, do Comité Central do PCP.
No decurso dos trabalhos, ficou definido, entre outras questões, realizar visitas, em 2010, a todas as freguesias do concelho. Foi ainda salientada a necessidade de recorrer à Internet para divulgar todas as posições tomadas a nível autárquico, onde após cada reunião de Câmara (quinzenalmente) serão disponibilizadas informações sobre as propostas da CDU.

Números preocupantes
O Partido Ecologista «Os Verdes» (PEV) manifestou, em nota de imprensa, a sua preocupação com os números oficiais do desemprego, divulgados pelo Instituto Nacional de Estatísticas, que atingiram, no terceiro trimestre deste ano, os 9,8 por cento. «Trata-se, ainda por cima, de um trimestre em que o número de desempregados costuma apresentar uma quebra, devido ao emprego sazonal, mas, ainda assim, o que se verifica foi exactamente o inverso», salientam os ecologistas, lembrando que «estes números traduzem a situação de milhares de pessoas, de muitas famílias que passam a enfrentar o drama do desemprego e para as quais o Governo não apresenta soluções credíveis».
Nesse sentido, o PEV considera que «é determinante alargar os critérios de acesso ao subsídio de desemprego, de modo a não deixar quase metade dos desempregados sem apoio», como hoje já acontece.

Alertar para problemas
A CDU de Ribeira Grande esteve reunida, no dia 9 de Novembro, na Junta de Freguesia da Matriz, com vista a organizar o trabalho futuro, bem como analisar a situação política e social do concelho, que é o segundo maior da Ilha de São Miguel e o terceiro da região dos Açores.
«Os avanços feitos em termos de expressão eleitoral, nomeadamente em freguesias como a do Pico da Pedro são, sem qualquer dúvida, a certeza de que o trabalho organizado, a auscultação da população e a intervenção persistente na defesa dos ribeira-grandenses, farão da CDU uma força com outros argumentos para um futuro próximo», lê-se numa nota de imprensa, que, entre outros aspectos, alerta para as «cada vez mais visíveis carências das várias freguesias do concelho», bem como «as dificuldades sociais sentidas, nomeadamente em termos de falta de habitação, de grande parte da população do concelho».
Face a esta situação, a CDU defende, entre outras medidas, que a autarquia «não descure a consciencialização de práticas de higiene e salubridade nos bairros sociais do concelho, abrindo portas à criação do Fórum Municipal da Juventudes, como forma de ocupar e dinamizar os jovens do nosso concelho, retirando-os, desta forma, do caminho das dependências». Os eleitos comunistas reivindicam, de igual forma, melhores condições no Mercado Municipal, «com vista a disponibilizar a vendedores e clientes, um espaço mais confortável e atractivo».

Populações afectadas
A CDU de Lisboa acusou, na passada semana, a Câmara Municipal de ter esquecido o Plano de Pormenor do Bairro da Liberdade e de não garantir o realojamento dos moradores que vivem junto à escarpa, em risco de derrocada. «Não é garantido aos moradores o realojamento na própria Freguesia, com os inconvenientes que dai advêm para as famílias», afirma, em nota de imprensa, a Coligação, sublinhando que o Plano de Pormenor e os seus termos de referência foram também «esquecidos» pela autarquia.
Em causa está o realojamento de 53 famílias que vivem junto à escarpa do Bairro da Liberdade, em risco de derrocada, entre a Rua Inácio Pardelha Sanches e a Rua B.
No Porto, a CDU criticou, na mesma semana, o contrato, entre a autarquia e uma empresa privada, que permitirá demolir o Bairro do Aleixo, considerando que o mesmo configura «chantagem» sobre os órgãos municipais por implicar alterações ao Plano Director Municipal. «Consideramos inadmissível esta chantagem que coloca os órgãos municipais como reféns de uma operação de loteamento cujos precisos contornos actualmente desconhecem», disse, em conferência de imprensa, Rui Sá, vereador sem pelouro na Câmara Municipal.
No dia 16 de Novembro, Honório Novo, deputado do PCP na Assembleia da República, exigiu que o Governo suspendesse um processo de expropriação de sete famílias em Santa Cruz do Bispo, Matosinhos, liderado pela Administração dos Portos do Douro e Leixões. Em causa estão cerca de 30 pessoas, a maior parte crianças, que vivem em terrenos que serão utilizados para a construção da plataforma logística de Leixões.

Lutar por saúde
A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo alertou para o agravamento das condições de acesso de cuidados de saúde, nomeadamente nos concelhos de Ourém, Torres Novas, Entroncamento, Constância e Abrantes, onde foram retirados os cuidados de saúde de proximidade.
Para além da falta de médicos e de cuidados de enfermagem, muitas das unidades de saúde «não correspndem às necessidades», como no caso do Entroncamento. «O sector da saúde vai continuar a ser um terreno para a luta social e política enquanto houver populações que não têm satisfeitas necessidades básicas em matéria de cuidados de saúde», promete a comissão de utentes.

Lutando é possível vencer!
Os comunistas da Lousã e de Miranda do Corvo estão contra o encerramento prematuro do Ramal da Lousã, «um golpe brutal na vida das pessoas que necessitam deste meio de transporte para se deslocarem diariamente para os seus locais de trabalho, escolas ou hospitais».
«É inadmissível que a par de todas as indefinições o Governo e as câmaras municipais de Lousã e Miranda do Corvo nunca tenham exigido ou realizado um estudo que ponderasse a modernização e electrificação do Ramal como alternativa aos milhões de euros que serão gastos na sua transformação em Metro. Esta solução poderia simultaneamente ponderar a realização das obras em período nocturno respeitando, desta forma, as preocupações da população», defendem, prometedo lutar e solidarizando-se com o Movimento de Defesa do Ramal da Lousã.

Pensar nas pessoas
A Câmara do Crato anunciou como prioridade a requalificação da rede de abastecimento público de água e esgotos do concelho. «A água que bebemos não tem as condições necessárias. Por isso, temos que requalificar a rede de abastecimento público de água e esgotos», disse, em declarações à comunicação social, João Teresa Ribeiro, presidente da autarquia, destacando: «Estes projectos são importantíssimos para o nosso desenvolvimento».
No Seixal, a Câmara Municipal vai adquirir três hectares de terreno na Quinta do Cabral, que serão requalificados com a instalação de uma divisão da PSP, um parque urbano e um equipamento desportivo. Os terrenos serão comprados ao Instituto da Habitação e da Requalificação Urbana e custarão à autarquia cerca de 700 mil euros.