• Francisco Lopes
    Membro da Comissão Política

A realidade do nosso País é marcada por graves problemas estruturais, profundas injustiças sociais
Avante! Compromisso e atitude dos comunistas
«Avante» é uma palavra que se identifica profundamente com o PCP, é a designação do seu órgão central, dá nome à Festa, mas representa principalmente o sentido de intervenção do Partido ao longo destas quase nove décadas, enfrentando obstáculos, vencendo contrariedades, apontando sempre o caminho do futuro.
Face à situação do País, da Europa e do Mundo nos exigentes, complexos e difíceis tempos actuais, quando resistir é já vencer e se impõe tomar a iniciativa na afirmação da alternativa, na acção política, na luta de massas e no reforço do Partido, «avante» é a palavra de ordem, a orientação, o compromisso, a atitude, que se coloca aos comunistas.
O capitalismo, em profunda crise, assente na sua essência de exploração, agressão e guerra, provoca gravíssimos problemas e ameaças. A entrada em vigor do chamado Tratado de Lisboa, com a sua lógica federalista, neoliberal e militarista, introduz novos factores de acentuação da exploração e retrocesso social, novos níveis de comprometimento da soberania e da cooperação entre os povos da Europa, com particulares incidências em Portugal.
A realidade do nosso País, no seguimento de décadas de política de direita, é marcada por graves problemas estruturais, profundas injustiças sociais, num caminho de declínio nacional e descaracterização democrática que prossegue. A fragilidade do aparelho produtivo e a insuficiência da produção nacional, o desemprego, os baixos salários e pensões, a precariedade e a violação dos direitos, a subordinação do poder político ao poder económico, o domínio da ideologia do grande capital, a exploração, as desigualdades sociais, a abdicação dos interesses nacionais, a corrupção e o tráfico de influências, a mutilação do regime democrático são alguns dos elementos principais da degradação da situação.
Tudo isto exige que se diga basta.
Tudo isto exige que se diga «avante» com uma acção confiante e determinada.

Por um PCP mais forte!

Avante contra o conformismo, a desistência e a resignação, pela dinamização da resistência e da luta da classe operária, dos trabalhadores e das populações! Avante contra a política de direita, pela resolução dos problemas do País, pela ruptura e a mudança, por uma alternativa de esquerda!
Avante no fortalecimento dos movimentos unitários de massas, da classe operária, dos trabalhadores das camadas antimonopolistas, do seu enraizamento, capacidade de mobilização e convergência, elemento determinante na dinamização da luta de massas que a situação impõe.
Avante na intensificação da acção política e no reforço geral do Partido! O grande capital e o poder político que o serve (com o vasto conjunto de meios que controla) conhecem bem o papel e a força do PCP e por isso insistem numa linha de ataque, tentativa de isolamento, discriminação, calúnia e silenciamento das suas posições, propostas e projecto.
É neste quadro que, enfrentando as campanhas persistentes visando a sua descaracterização e todas as atitudes que possam conduzir ao seu enfraquecimento, ultrapassando silenciamentos e linhas de diversão, o Partido se lança com toda a determinação para uma nova etapa, assegurando na prática o seu papel insubstituível e concretizando a acção «Avante! Por um PCP mais forte».
Um Partido mais forte no plano de direcção, dos quadros, da estruturação, do reforço da organização e intervenção junto da classe operária e dos trabalhadores em geral nas empresas e locais de trabalho; da acção junto de camadas sociais específicas, das organizações de base; da militância, do recrutamento e integração de novos militantes; dos meios financeiros próprios. Um partido mais forte no plano político e ideológico, da ligação às massas, da propaganda, da imprensa e dos meios de comunicação. Um Partido mais forte, preparado para as grandes tarefas que se lhe colocam.
«Avante», é assim, mais uma vez, o compromisso e a atitude que se impõem aos comunistas. Com grande iniciativa e confiança, sem imaginar facilidades inexistentes, consciente dos obstáculos e contrariedades que se apresentam, o Partido cumprirá o seu papel para com os trabalhadores, o povo e o País, sejam quais forem as condições em que tenha que actuar. Articulando as suas tarefas imediatas e os seus objectivos mais profundos, afirmando a sua identidade comunista, o seu projecto de uma democracia avançada e do socialismo, o PCP é a força capaz de dar a necessária e indispensável resposta às exigências da actual situação.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: