Futuro incerto na <i>Rohde</i>
Os comunistas estão preocupados com a situação que se vive Rohde, empresa de calçado sediada em Santa Maria da Feira, com 984 trabalhadores, que, há dias, foram convocados para uma Assembleia Geral de Credores, com o objectivo de decidirem sobre a viabilização da empresa ou o seu encerramento.
Os trabalhadores - que apresentaram um projecto de recuperação da empresa, recusado pelo juiz competente, pelo facto de ter ultrapassado dos prazos legais - são os únicos credores da Rohde e o montante dos seus créditos ascende já a 13 300 920 euros.
Jorge Machado, deputado do PCP, interrogou, entretanto, o Ministério da Economia e Inovação sobre «o que tem feito para acompanhar a situação», se «conhece e acha aceitáveis os conteúdos do plano de viabilização da empresa» e se «pretende promover e apresentar uma alternativa a este plano, que passe pela Caixa Geral de Depósitos e pela intervenção na empresa, salvaguardando o futuro da laboração, a totalidade dos postos de trabalho e o valor dos créditos dos trabalhadores».


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: