Cortes sociais geram vaga de protesto
Greve geral na Grécia
Resposta à ofensiva
Convocada pela Frente Sindical de Luta (PAME), com o apoio do Partido Comunista da Grécia e de outros partidos da esquerda (Syrisa), a greve geral de dia 17 foi uma resposta dos trabalhadores aos planos anti-sociais do novo governo.
Na mesma semana em que o governo grego anunciava drásticos cortes na despesa pública, afectando os direitos de segurança social, saúde, e os salários dos trabalhadores, (ver peça na pág. seguinte) o Partido Comunista da Grécia (KKE) apelou à resistência e à participação na greve geral que teve forte impacto em todo o país.
À jornada de protesto aderiram várias federações sindicais de diferentes sectores de actividade, designadamente da construção civil (a maior do sector privado), da indústria alimentar, dos trabalhadores da imprensa e gráficos, do têxtil, curtumes, hospitais privados e da indústria farmacêutica, bem como numerosos sindicatos profissionais, como o dos engenheiros da marinha mercante que conseguiram «congelar» a navegação em todo o país.
A convocação da greve gerou uma tal dinâmica, lê-se no site do KKE, que no próprio dia uma série de sindicatos que não integram a central PAME anunciaram a sua adesão, como foi o caso dos jornalistas de todos os órgãos de Atenas e de outras cidades.
Daqui resultou que não houve noticiários televisivos ou radiofónicos, jornais nacionais, bem como foram interrompidos os serviços da agência nacional ANA

Protesto de massas

Em 63 cidades, a PAME organizou manifestações e concentrações que juntaram muitos milhares de trabalhadores, sendo particularmente massivas em Salónica e Atenas. Na concentração na capital participou uma delegação do CC do KKE, encabeçada pela secretária-geral do partido, Aleka Papariga.
No Porto do Pireu, Aleka Papariga realçou a importância da greve na navegação, a qual, apesar de ter sido considerada ilegal e proibida pelos tribunais, fez com que nem um só navio soltasse amarras.
Significativo é ainda o facto de as duas maiores confederações sindicais, a GSEE, do sector privado, e a ADEDY, na Função Pública, ambas sob influência social-democrata, não terem aderido à greve, sendo que a primeira apelou expressamente aos seus associados para não participarem na jornada de protesto.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: