António Avelãs Nunes homenageado

O Auditório da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra acolheu, sexta-feira, a «última aula», de António Avelãs Nunes, jubilado desde Dezembro.
«Entrei nesta casa há 52 anos. A ela dediquei grande parte da minha vida. Foi aqui que me fiz homem e me tornei cidadão», afirmou o homenageado. Esta aula, sobre capitalismo, proferida por Luís Pedro Cunha, contou com as intervenções de António dos Santos Justo, director da Faculdade de Direito e do reitor Fernando Seabra Santos.
Jerónimo de Sousa, Secretário-geral do PCP, foi um dos muitos convidados a participar nesta emotiva iniciativa.
António Avelãs Nunes nasceu em 16 de Dezembro de 1939 em Pinhel. Concluiu a licenciatura em Direito na Universidade de Coimbra em Outubro de 1962 e, com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, frequentou na mesma faculdade o curso complementar de Ciências Jurídicas, que concluiu em 1968. Obteve o grau de doutor em Direito, na vertente de Ciências Económicas, em 1984 e 10 anos depois prestou provas para a obtenção de professor agregado.
Avelãs Nunes foi também presidente do Conselho Directivo da FDUC, funções que cessou em Maio de 2000, e vice-reitor entre Fevereiro de 2003 até à sua jubilação. Foi ainda mandatário da CDU nas últimas eleições para o Parlamento Europeu.
Autor de uma extensa obra publicada, é ainda dirigente do Conselho Português para a Paz e Cooperação e da Associação Portuguesa de Amizade e Cooperação Iuri Gagarine.


Estudantes desmascaram ME

Dias antes da jornada nacional de luta dos estudantes do ensino secundário e básico, que levou à rua, no dia 4 de Fevereiro, mais de 30 mil alunos, o Ministério da Educação (ME) anunciou, apressadamente, supostos avanços no que toca à aplicação da Educação Sexual nas escolas e alterações do actual Estatuto do Aluno.
Situação que a Delegação Nacional das Associações de Estudantes dos Ensinos Secundário e Básico (DNAEESB) veio «desmascarar». «Tais medidas só foram tomadas para desviar atenções», acusa, em nota de imprensa, a DNAEESB, referindo-se ao Estatuto do Aluno, que agora não obriga as escolas a realizar provas de recuperação.
No que toca à Educação Sexual, acrescentam os estudantes, «a verdade é que em nenhuma escola do País se tem sentido melhorias ou avanços no que toca a este aspecto».


Privatização da <i>CP </i>à vista

O ministro dos Transportes admitiu, há dias, em entrevista ao semanário Expresso, a hipótese de desmantelamento e venda da CP, medida que a Comissão de Utentes da Linha de Sintra (CULS) «discorda em absoluto», uma vez que trará «nefastas» implicações, «quer em termos económicos, quer em termos ambientais, quer ainda em termos do orçamento familiar dos 210 mil utentes desta linha».
Em nota de imprensa, a CULS relembra que o «objectivo principal» das empresas privadas de transportes é obter lucros, em detrimento do serviço que deveriam prestar às populações. «Para igual distância na Linha de Sintra o preço dos títulos de transportes é quase o dobro na linha ferroviária explorada pela Fertagus», afirma a comissão de utentes, dando como exemplo a privatização da Rodoviária Nacional, «em que o direito à mobilidade foi posto em causa com a eliminação de uma série de carreiras».
Neste contexto, a CULS apela a todos os utentes que protestem junto do Ministério dos Transportes contra a privatização da Linha de Sintra através do email: gmoptc@moptc.gov.pt. Solicita, de igual forma, que os utentes façam chegar os seus protestos que enviarem ao ministro para o email: cutlinhasintra@iol.pt.


Governo despreza <i>OGMA</i>

Na sequência de uma audiência em que «Os Verdes» receberam o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), o deputado José Luís Ferreira entregou, na passada semana, uma pergunta em que pede esclarecimentos ao Governo sobre o eventual envio de aviões para reparação/manutenção para os EUA. O sindicato manifestou, de igual forma, receio de que a manutenção dos motores de helicópteros do Exército e da Força Aérea poderá não ser da responsabilidade das OGMA.
«Sendo as OGMA uma empresa participada pelo Estado, parece-nos pouco saudável para o interesse público que se esteja a recorrer ao exterior para a reparação/manutenção de aviões e helicópteros, quando as OGMA estão perfeitamente equipadas e credenciadas para proceder a esse tipo de trabalhos, como aliás tem vindo a fazer relativamente à manutenção/reparação de aviões da força aérea belga ou francesa», recordam «Os Verdes».


Amadora alerta para desigualdades

A propósito do Dia Internacional da Mulher, que se comemora no dia 8 de Março, os eleitos da CDU na Assembleia Municipal da Amadora apresentaram uma moção onde se reclama, do Governo, «políticas económicas, sociais e culturais que visem combater as desigualdades salariais entre mulheres e homens, nomeadamente o desemprego, a precariedade e a pobreza» e «assegurar a participação em igualdade das mulheres».
«Uma reivindicação tão antiga como "trabalho igual, salário igual" continua a ser dramaticamente actual para muitos milhares de mulheres e em inúmeros e diversificados sectores da actividade económica», recorda o documento, alertando para o facto de as mulheres serem «as mais atingidas pela crescente precarização das relações de trabalho, as mais visadas pelo desemprego e uma parte muito significativa dos que, nessa situação, não têm acesso a subsídio de desemprego».


Resumo da Semana