«As acusações são tendenciosas e infundadas, diz o governo bolivariano»
Governo bolivariano alvo do imperialismo
Venezuela repudia acusações espanholas
A Venezuela considera «inaceitáveis» e de «natureza e motivação política» as acusações da Audiência Nacional espanhola sobre uma suposta cooperação do executivo de Hugo Chávez com as FARC e a ETA, visando a realização de atentados contra altos funcionários do governo colombiano em território espanhol.
Em comunicado emitido segunda-feira pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), o governo bolivariano diz ter tido conhecimento do auto emitido nesse mesmo dia por um juiz espanhol (Eloy Velasco), no qual se tecem «considerações inaceitáveis, de natureza e motivação política sobre o governo venezuelano» e «se toma a liberdade de fazer reiteradas referências desrespeitosas ao presidente de todos os venezuelanos, Hugo Chávez, proferindo acusações tão tendenciosas quanto infundadas». O MNE da Venezuela responde, desta forma, ao texto assinado por um magistrado da mais alta instância judicial de Espanha, no qual se acusa a República Bolivariana de facilitar a cooperação entre os dois grupos armados. Velasco processa seis presumíveis membros da ETA e sete das FARC e sustenta que as organizações tinham como alvos em território espanhol o actual presidente colombiano, Álvaro Uribe, o ex-presidente daquele país, Andrés Pastrana - que reside em Madrid e terá mesmo sido vigiado, diz -, e, entre outras personalidades, acrescenta ainda, o actual vice-presidente da Colômbia e mais que provável candidato da direita colombiana às próximas eleições, Francisco Santos. Vale tudo Eloy Velasco, fundamenta esta autêntica teoria da conspiração na alegada correspondência encontrada no computador supostamente apreendido a Raúl Reys, morto pelo exército colombiano num bombardeamento realizado no território do Equador, em Março de 2008, que matou o então comandante das FARC e outros guerrilheiros, e vitimou vários civis. Para envolver o Estado venezuelano, o juiz não mede as palavras e refere que os 13 acusados «utilizaram a cooperação governamental venezuelana na colaboração ilícita entre as FARC e a ETA». Velasco vai mesmo mais longe e, numa argumentação forçada para criminalizar a Venezuela e o seu executivo, traz a lume o nome de Arturo Cubillas Fontán. Fontán, pretenso etarra, é casado com a venezuelana Goizeder Lataillade, a qual, por sua vez, ocupou cargos públicos no governo do presidente Hugo Chávez, mais concretamente no gabinete de Administração e Serviços do Ministério de Agricultura e Terras. O magistrado da Audiência Nacional também especula que Fontán seria, desde 1999, «o dirigente da ETA para aquela área da América, encarregando-se de coordenar as relações com as FARC e a participação de integrantes do organização separatista basca em cursos de explosivos e armamentos e na difusão de técnicas de guerrilha urbana terrorista». Ocultação maliciosa A respeito deste rol de acusações, o MNE da Venezuela precisa que no auto de Eloy Velasco «faz-se referência a um cidadão residente na Venezuela desde Maio de 1989 em resultado dos acordos então alcançados entre Carlos Andrés Pérez [à data presidente da Venezuela] e Filipe González [então primeiro-ministro espanhol]» mas, «surpreendentemente, em nenhum momento se menciona o nome dos autores deste acordo». Simultaneamente, prossegue a resposta do MNE da Venezuela, «o juiz tem a ousadia de referir-se reiteradamente e de maneira desrespeitosa ao presidente de todos os venezuelanos, Hugo Chávez, proferindo acusações tão tendenciosas quanto infundadas acerca do governo bolivariano». «A totalidade das alegações deste magistrado são produto da utilização de arquivos contidos no computador supostamente apreendido a Raúl Reys durante a operação militar que implicou um bombardeamento ilegal em território equatoriano e durante o qual foram massacradas dezenas de pessoas. Resulta também surpreendente que o juiz ressuscite a desgastada farsa do computador, que passou já a fazer parte do folclore colombiano», acrescenta o comunicado. «O ministro dos Negócios Estrangeiros da República Bolivariana da Venezuela, em comunicação com o responsável das relações externas do reino de Espanha, recordou que o acordo de 1989 ao abrigo do qual reside na Venezuela, a pedido do Estado espanhol, o cidadão em questão, repudiou as acusações infames deste juiz e reiterou o profundo apego aos valores democráticos e humanistas que caracterizam o governo bolivariano da Venezuela», conclui. CIA reúne com Uribe Menos divulgado que o auto do juiz Velasco foi o encontro que, por estes dias, ocorreu entre o director da CIA, León Panetta, o presidente colombiano, Álvaro Uribe, e alguns dos seus ministros, entre os quais o titular da Defesa, Gabriel Silva. Segundo fontes oficiais colombianas, Panetta encontrou-se igualmente com «peritos» locais da área da segurança, com o director da polícia, o general Óscar Naranjo, e outros altas patentes militares colombianas. Esta é toda a informação oficial divulgada, mas nem por isso é menos interessante, sobretudo se tivermos em conta o clima de tensão entre a Venezuela e a Colômbia, fruto das permanentes provocações do governo de Bogotá, e o facto de o governo de Caracas, a par de outros governos do subcontinente, considerarem a cooperação militar entre a Colômbia e os EUA uma ameaça à sua soberania e um trampolim para a ingerência norte-americana na política de cada um dos Estados da América Latina que não sigam os ditames de Washington. Há menos de quinze dias, Hugo Chávez alertou, mais uma vez, que o governo colombiano procura qualquer pretexto para agredir a Venezuela. Não menos relevante neste contexto é o facto de estar provado - por documentação de acesso público e não por alegados arquivos de um suposto computador - que a CIA mantém relações, desde 1994, com o exército colombiano e com os paramiliatres, usados no combate às FARC e na defesa dos interesses do capital contra os trabalhadores colombianos. Estes vínculos foram revelados pela National Security Archive (NSA), organização sem fins lucrativos sediada na Universidade George Washington. Nos documentos tornados públicos pela NSA, em Janeiro de 2009, seis dias antes de George W. Bush agraciar Álvaro Uribe com a Medalha Presidencial da Liberdade, confirma-se ainda que «a ideia de assassinar civis colombianos e fazê-los passar por guerrilheiros (os chamados falsos positivos) é antiga». Recorde-se que mais de dois mil casos de falsos positivos estão a ser investigados pela justiça colombiana. O escândalo foi desencadeado depois da descoberta dos corpos de cerca de 20 jovens naturais da localidade de Soacha, recrutados por supostos angariadores de mão-de-obra que, posteriormente, os levaram à execução e os apresentaram como guerrilheiros das FARC abatidos em combate. Aproximadamente 500 militares colombianos são suspeitos de envolvimento nos falsos positivos, diz o Ministério Público da Colômbia. Narcotráfico como pretexto Outra linha de ataque do imperialismo à Venezuela foi a divulgação, esta segunda-feira, do relatório anual do Departamento de Estado dos EUA relativo ao tráfico de estupefacientes. Diz Washington, segundo a AFP, que «há fortes evidências de que alguns elementos das forças de segurança da Venezuela assistem directamente» grupos colombianos designados como organizações terroristas pelos Estados Unidos, aludindo, claramente, às colombianas FARC. Mas os EUA vão mesmo mais além alegando que o transito de droga no território venezuelano «aumentou bruscamente em 2009», que a Venezuela é «um importante país de trânsito», e, ainda, que o volume da exportação de estupefacientes é «extraordinário» desde o «sector adjacente à fronteira com a Colômbia». Os norte-americanos não perdoam que desde 2006 a Venezuela tenha interrompido a cooperação com a agência americana antinarcóticos (DEA) e acusam igualmente os funcionários venezuelanos de não empreenderam «esforços significativos» para combater o narcotráfico, isto apesar de que contactos norte-americanos nesse sentido, prosseguem. Em resultado de tudo isto, continua a Casa Branca, incrementou-se no território venezuelano «o nível de corrupção, crime e violência» e «a politização das investigações e a corrupção, que sufocam a confiança pública no sistema judiciário». Esta declaração, para além de revelar nítidas acusações de natureza política e de ataque ao regime democrático venezuelano, e de pretender fazer passar a fronteira entre a Venezuela e a Colômbia por um território onde convivem o narcotráfico e o «terrorismo» com o beneplácito das autoridades, é mentirosa. Os dados divulgados no passado dia 26 pelo embaixador venezuelano nos EUA comprovam-no. Venezuela na primeira linha De acordo com Bernardo Álvarez, no último ano a Venezuela aumentou em 11 por cento as apreensões de droga no país. Numa comunicação que pretendia rejeitar a politização da luta contra o tráfico de estupefacientes (que acabou por acontecer, quatro dias depois pela mãos dos EUA), Álvarez lembrou que a Venezuela partilha uma larga fronteira com o maior produtor de cocaína do mundo, a Colômbia, e encontra-se no mesmo continente que o maior consumidor do mundo, os EUA. No que diz respeito a investimentos, o ano passado o governo boliviano canalizou 260 milhões de dólares para a compra e instalação de 10 radares de rastreio de voos ilegais, deteve cerca de 9 mil pessoas, destruiu 26 laboratórios clandestinos, começou a usar inceneradores (5 dos 10 previstos) dedicados à destruição de estupefacientes e reforçou os acordos internacionais de cooperação com 38 países. No mesmo sentido, disse, foram preparadas e certificadas mais de 100 mil pessoas como assessores comunitários para a prevenção integral. Nos próximos três anos a meta é que este corpo de ligação entre a polícia e as comunidades se alargue a mais de 5 milhões de pessoas. Já este ano, continuou o diplomata, a Venezuela interceptou 30 aviões, deportou três grandes narcotraficantes para a Colômbia, França e EUA, entre os quais Salomón Camacho, barão que figura no restrito lote dos 12 mais procurados pela DEA em todo o mundo. Em suma, entre 2006 e 2008, o volume das apreensões feitas pelas autoridades venezuelanas aumentaram 38 por cento face ao registado no período de 2002 e 2005, quando o país cooperava com a DEA e os EUA, sublinhou para insistir que «a acusação de que a Venezuela não coopera no combate ao narcotráfico é puramente política». Às palavras do embaixador venezuelano, juntam-se as informações oficiais das Nações Unidas, segundo as quais 90 por cento da cocaína que ingressa nos EUA segue a rota do Pacífico Oriental através do corredor mexicano e centro-americano. Na sua esmagadora maioria, esta droga provém da Colômbia, revela a ONU.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: