Povo grego cumpriu a 13.ª greve geral em sete meses
Parlamento grego corta pensões com o povo na rua
Revolta contra medidas injustas

Os trabalhadores gregos paralisaram o país, no dia 8, em protesto contra o novo pacote de medidas que reduz as pensões, aumenta a idade de reforma e agrava a legislação laboral.

Fábricas, estaleiros de construção, serviços do Estado, hospitais, escolas, transportes públicos, aeroportos, imprensa, até mesmo os funcionários do Parlamento se juntaram à greve geral de dia 8 na Grécia, convocada pelas maiores centrais GSEE e Adedy, do sector privado e público, respectivamente, bem como pela combativa PAME, a Frente Militante de Trabalhadores.

Em várias cidades, a central sindical de classe grega promoveu a ocupação simbólica de edifícios públicos. Os seus piquetes de greve combateram as tentativas patronais de intimidação em muitas fábricas e empresas.

Nesse dia, a maioria de deputados sociais-democratas e conservadores aprovaram o odioso projecto de alteração da segurança social que eleva para 40 anos o período de contribuições e para 65 anos a idade mínima de aposentação para homens e mulheres. Várias profissões foram eliminadas da lista de actividade penosas e insalubres, e os activos dos fundos de pensões foram entregues ao grande capital privado.

Também a legislação laboral sofreu alterações gravosas, possibilitando que jovens com menos de 25 anos possam ser remunerados abaixo dos limites estabelecidos pelos convénios colectivos.

Como salienta o Partido Comunista da Grécia (KKE), o novo pacote legislativo «representa a transposição directa do Livro Verde da União Europeia sobre os sistemas de segurança social, de acordo com a Estratégia 2020. Deste modo, os trabalhadores são obrigados a trabalhar até à morte, e aqueles que sobreviverem irão receber pensões de miséria».

Ataque anticomunista

O projecto foi aprovado pelos deputados do PASOK, no governo, da Nova Democracia (conservadores), e do LAOS (extrema-direita). Ao mesmo tempo todos estes partidos estão unidos num ataque que visa atingir as finanças do KKE. O novo projecto de lei sobre as eleições locais prevê a proibição dos cupões de apoio financeiro, processo utilizado pelos comunistas que constitui a sua principal forma de financiamento.

No debate no parlamento, a secretária-geral do KKE, Aleka Papariga, ripostou à ofensiva contra o seu partido afirmando: «A guerra contra o KKE não nos surpreende. Surpreender-nos-ia que assim não fosse nas condições da crise. Mas o anticomunismo é uma coisa diferente. Sabemos perfeitamente que pretendem atingir o KKE. Mas saibam também que não nos assustam. (…) Não nos tornaremos um partido dependente do Estado. Não nos tornaremos num partido ao serviço do sistema nem do Estado.»



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: