• Henrique Custódio

Os clones

Pedro Passos Coelho é um clone de José Sócrates. Quem os visse numa montra confundi-los-ia com dois manequins - aprumados na mesma pose triunfal, exibindo o mesmo sorriso de higiene oral e até vestidos pelo mesmo costureiro. Quem os vê, ao vivo, pelo menos desconfia de que partilham o mesmo alfaiate e, sem dúvida,  pelam-se por tudo o que se assemelhe a um espelho. Há quem adore exibir-se - eles antecipam essa pulsão e parecem exultar, antes de mais nada, a mirar-se a si próprios.

Separados, na idade, por escassa meia dúzia de primaveras (Coelho é o mais novo), logo nos alvores da vida foram emergindo as semelhanças. Ambos ingressaram em verdes anos nas juventudes partidárias (por sinal na mesma, a JSD), ambos, a partir daí, fizeram da carreira política um projecto de vida: Sócrates alapou-se ao aparelho partidário do PS e foi, sucessivamente, presidente da concelhia da Covilhã e da federação distrital de Castelo Branco, deputado, membro do Secretariado Nacional e, finalmente, dos governos de Guterres, por quem conspirou pelos sótãos do PS da época; Coelho instalou-se na JSD, que liderou durante tantos anos que se tornaria no mais provecto «jovem» neste cargo, seguindo finalmente para a deputação na AR e a vice-presidência do grupo parlamentar do PSD, levado por Marques Mendes e no meio das intermináveis conspirações do PSD.   

Os seus percursos académicos apresentam, igualmente, semelhanças evidentes. Ambos terminaram licenciaturas a caminho dos 40 anos (Sócrates com 39, Coelho com 36), ambos recorreram às expeditas «universidades privadas» para as obterem (Sócrates à «Independente» – que depois foi dissolvida por falta de qualidade pedagógica -, Coelho à «Lusíada»), ambos deambularam durante décadas por vários cursos, sem concluir nenhum (Sócrates cursou Direito na «Lusíada», que abandonou, engenharia sanitária na EN de Saúde Pública, que também largou, inscreveu-se no ISEL para obter um diploma que lhe completasse o bacharelato de engenheiro técnico e, finalmente, recorreu à «Independente» para, em poucos meses, conseguir finalmente a licenciatura em engenharia. Coelho quis entrar em Medicina e não conseguiu, matriculou-se em Matemática mas desistiu para ser deputado e, já depois dos 30, desaguou na «Lusíada» para, finalmente, se licenciar em Economia).

Agora Coelho já engrossou a voz de barítono e propõe-se desmantelar em definitivo o Portugal de Abril através de uma revisão constitucional.

Sócrates – que tem vindo a desmantelar esse Portugal com mais eficácia e brutalidade que os chamados «governos de direita» - aproveitou a inesperada bóia lançada por Coelho para se tornar um paladino do «Estado social» - o mesmo que ele próprio tem vindo a destruir – julgando tornar-se de esquerda só porque apelida Coelho e o PSD de «direita».

Em suma, Coelho propõe-se completar o trabalho de Sócrates na destruição de Abril e este finge opor-se-lhe para continuar a ser ele  a mandar na «obra». O que só pode surpreender os incautos: afinal, eles são clones um do outro. Tanto nas vidas que viveram, como nos valores reaccionários que nelas consolidaram.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: