Aconteu
A alternativa é a luta

Os eleitos do PCP na Assembleia Municipal de Lagos apresentaram, há dias, uma moção contra a introdução de portagens na Via do Infante (A22) a partir de Abril de 2011, «uma medida lesiva dos interesses regionais», uma vez que a Estrada Nacional 125 «nunca será, pelas suas características, uma alternativa». «A introdução de portagens afectará a competitividade da economia regional, penalizará as populações e somará problemas às micro e pequenas empresas», salienta o documento, chumbado com os votos do PS.

Para amanhã, sexta-feira, dando continuidade à luta, estão agendadas, um pouco por todo o País, nomeadamente nas suto-estradas A25, A23 e A24, várias acções de protesto, com buzinões, marchas lentas, concentrações e acções de esclarecimento. «As populações da Margem Sul continuam a ser vítimas de discriminação negativa no seu direito à mobilidade, designadamente, com a retirada de alternativas aos utilizadores do passe social devido aos cortes acentuados nas carreiras dos TST de Almada para Lisboa pela Ponte 25 de Abril, obrigando-as a recorrer à Fertagus, operador privado, que não aceita o passe social, ou a pagar as portagens, cada vez mais caras, da Ponte», salienta, em nota de imprensa, a Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul.


Odivelas exige mais saúde

Uma delegação do «Movimento + Saúde de Odivelas» entregou, no dia 1 de Outubro, no Ministério da Saúde um abaixo-assinado, com mais de três mil assinaturas, exigindo melhores condições de acesso à saúde no concelho.

A reabertura, até às 24 horas, do único serviço de urgência existente no concelho e que serve mais de 160 mil utentes, a construção dos novos centros de saúde - que há décadas vêm sendo prometidos mas sempre adiados -, mais médicos, enfermeiros e outros recursos humanos são as principais exigências dos subscritores.

«No concelho de Odivelas mais de 57 mil utentes não têm médico de família, não existem especialidades nem meios complementares de diagnóstico e os poucos equipamentos de saúde existentes funcionam em condições absolutamente indignas», denuncia o movimento.


Água combate a pobreza

A Associação Intermunicipal de Água da Região de Setúbal (AIA) realizou, segunda-feira, no Museu do Trabalho Michel Giancometti, um encontro sobre «Água, um serviço público no combate à pobreza e à exclusão social». Esta iniciativa contou com a presença de cerca de uma centena de pessoas, algumas delas autarcas, nomeadamente os presidentes de câmaras dos municípios associados da AIA, do Governador Civil de Setúbal e de representantes dos grupos parlamentares do PCP e do Partido Ecologista «Os Verdes».

Luísa Tovar, presidente da direcção da Associação Água Pública, sublinhou, na sua intervenção, que para «exercer uma política de serviços de água é crucial manter as competências e atribuições autárquicas no domínio da água». Por seu lado, João Ferreira, deputado do PCP no Parlamento Europeu, alertou para o «momento de pobreza» que se está a viver em Portugal e na Europa. A terminar, João Lobo, presidente do Conselho Directivo da AIA apresentou a Declaração Conjunta dos Municípios Associados, de onde se destaca a preocupação com o aprofundamento de «um quadro legislativo e governativo de cariz liberalizante, contrário ao desenvolvimento das funções sociais do Estado, ao serviço público, à garantia do direito universal de acesso à água e à consagração deste bem da natureza como património comum da humanidade».


Partidarização da República em Loures

Os vereadores do PCP na Câmara de Loures condenaram a partidarização, no concelho, das comemorações do Centenário da República.

Em causa, relataram em nota de imprensa, esteve a presença na tribuna de recreação histórica, no Largo 4 de Outubro, do candidato presidencial apoiado pelo PS e pelo BE. Recorde-se que Manuel Alegre não desempenha actualmente qualquer função de Estado, não se entendendo por isso a que título se fez a sua participação na tribuna de honra do evento.

«Este empenho da maioria PS que governa o município, em partidarizar de forma deplorável as comemorações do Centenário da República no concelho, contrasta com a inércia com que o executivo municipal encarou o programa das comemorações e que se traduziu num enorme atraso na sua preparação», desmascaram os comunistas.


Nobel para Robert G. Edwards

O Nobel da Medicina foi atribuído, segunda-feira, ao britânico Robert G. Edwards, «pai» da fecundação in vitro, descoberta que ajudou milhares de casais inférteis a ter filhos.

Robert G. Edwards e Patrick Steptoe, que morreu em 1988, desenvolveram ambos a técnica de fertilização in vitro (IVF), permitindo a fertilização exterior das células do óvulo, que são posteriormente implantadas no útero. As suas descobertas «tornaram possível o tratamento da esterilidade que afecta uma larga percentagem da humanidade e mais de 10 por cento dos casais em todo o mundo», referiu, em Estocolmo, o Comité Nobel.



Resumo da Semana
Frases