O colonialismo francês nas Antilhas e na Guiana
O actual estatuto das colónias

Depois de 500 anos de colonização europeia nos cinco continentes, a colonização persiste ora sob a forma colonial ora sob a forma neocolonial. Neste artigo referir-nos-emos, todavia, não ao neocolonialismo moderno – política imperialista que pretende salvar o colonialismo da sua liquidação -, nascido após a independência das colónias antes sob o domínio político europeu (hoje sob o domínio económico das antigas metrópoles ou de outras potências mundiais), mas sim ao colonialismo político e económico de territórios que continuaram sob a dependência directa da metrópole, segundo a lógica de submissão imperialista na qual a «subordinação mais lucrativa e “cómoda” para o capital financeiro é uma subordinação que traz consigo a perda da independência política dos países e dos povos submetidos»1. Vamos debruçar-nos sobre a questão colonial francesa, nomeadamente no que diz respeito aos territórios das Caraíbas e Sul americano da Guiana, da Martinica e da Guadalupe.



Para favorecer a banca
Governo penaliza poupança e endivida-se no estrangeiro

Portugal é, como todos os nossos leitores sabem, um país altamente endividado. O Estado está endividado, cerca de 146 mil milhões de euros. As empresas estão endividadas, cerca de 177 mil milhões de euros. A banca privada está endividada, cerca de 188 mil milhões de euros. Estes dados, fornecidos pelo Banco de Portugal, reportam-se a Junho de 2010 e referem-se, exclusivamente, à divida externa bruta.