«Mais de metade dos russos acredita que a dissolução era evitável»
Pesquisa na Rússia confirma
Maioria lamenta fim da URSS

Image 6449

De acordo com um estudo realizado pelo centro sociológico Levada, 55 por cento dos cidadãos russos lamentam a dissolução da URSS. A percentagem dos que naquele país consideram o fim do socialismo uma catástrofe é ainda mais significativa quando os inquiridos se encontram na faixa etária dos maiores de 60 anos, 83 por cento, mas é consideravelmente mais baixa entre os jovens, 17 por cento.

Os dados recolhidos no inquérito citado pela EFE indicam igualmente que 53 por cento dos russos acreditam que a dissolução da URSS podia ter sido evitada, contra apenas 32 por cento que pensam exactamente o contrário.

Acresce que mais de metade dos entrevistados defende um reforço significativo das relações da Rússia com as 15 ex-repúblicas soviéticas, afirmando-se mesmo favoráveis à reconstituição da União como bloco político-económico.

Para os russos, persistem igualmente semelhanças entre os antigos povos soviéticos, nomeadamente entre os russos, ucranianos, bielorrussos e cazaques.

A dissolução da URSS foi anunciada na televisão, a 25 de Dezembro de 1991, por Mikhail Gorbachev. À época, Gorbachev era presidente da URSS, cargo criado um ano e meio antes na sequência de uma alteração à Constituição promovida no Congresso dos Deputados do Povo.

A criação do cargo de presidente, que Gorbachev acumulou com a presidência do soviete supremo e o cargo de secretário-geral do Partido, numa concentração de poderes sem paralelo na história soviética em tempo de paz, havia sido incluída numa proposta levada ao Comité Central que, entre outras coisas, eliminava o artigo 6.º do texto fundamental, acabando, na prática, com o papel dirigente do Partido Comunista da União Soviética.

Recorde-se, ainda, que na Primavera de 1991, o próprio Gorbachev promoveu um referendo sobre a preservação da URSS. Na consulta participaram 80 por cento dos eleitores, dos quais 74,4 por cento se manifestaram favoráveis à manutenção da URSS. Seis meses depois, Gorbachev assinou a dissolução agora lamentada pela maioria dos russos.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: