No ano em que faz 90 anos, o PCP quer afirmar o seu projecto
Reforçar o Partido e desenvolver a luta
Batalhas exigentes que reclamam mobilização total

As batalhas políticas que se colocam ao Partido em 2011 vão exigir a mobilização total das potencialidades da organização e da disponibilidade dos militantes, afirmou Jerónimo de Sousa no fim-de-semana, no comício de Lisboa e na sessão pública da Baixa da Banheira. Reforçar a organização e a intervenção do Partido, afirmando o seu projecto, e desenvolver a luta de massas contra a política de direita são algumas das mais importantes.

Image 6610

Ainda nem uma semana havia passado sobre as eleições presidenciais e já Jerónimo de Sousa apelava à determinação e entrega dos militantes do Partido para fazer face às múltiplas e exigentes tarefas que esperam os comunistas neste ano de 2011. Nas duas iniciativas em que participou no fim-de-semana – o comício no auditório da Faculdade de Medicina Dentária, em Lisboa, e a sessão pública na Baixa da Banheira – o Secretário-geral do PCP teve perante si plateias vibrantes que responderam com entusiasmo aos apelos para prosseguir e intensificar o combate contra o aumento da exploração e das injustiças, pela ruptura e pela mudança. E que reagiram com igual ânimo quando se falou do Partido e da necessidade de reforçar a sua organização e intervenção, de chamar a si mais e mais gente, de afirmar o seu ideal e o seu projecto.

Foi certamente embalado pelo ambiente de profunda união que se fez sentir em ambas as iniciativas que Jerónimo de Sousa reafirmou a sua confiança «neste Partido Comunista, no seu colectivo militante, na nossa juventude comunista»: confiança na sua capacidade de resistir e de lutar, mesmo nas condições mais adversas; confiança na sua determinação de construir e reconstruir os laços que unem o Partido à classe operária e aos trabalhadores, tornando-o cada vez mais forte; confiança na sua capacidade para, juntamente com os trabalhadores e o povo, rasgar os caminhos do futuro.

 

Aniversários combativos

 

As comemorações do 90.º aniversário do PCP, que durarão todo o ano, serão, segundo Jerónimo de Sousa, um «momento alto de afirmação da luta heróica do PCP pela liberdade, pela democracia e pelo socialismo, de intervenção e afirmação política de valores, do ideal e projecto político do Partido». E também a oportunidade para desenvolver uma grande acção política e permitir que os trabalhadores, os jovens, as mulheres e outras camadas da população conheçam melhor o Partido e as suas propostas e o projecto do socialismo como exigência da actualidade e do futuro.

Os 90 anos do Partido serão ainda um «estímulo ao desenvolvimento e ampliação da luta de massas e da iniciativa e acção políticas e ao prosseguimento e aprofundamento da acção Avante! Por um PCP mais forte, concretizando de forma integrada as diversas direcções de trabalho». Entre estas, Jerónimo de Sousa destacou o reforço da organização, nomeadamente a intervenção junto da classe operária e dos trabalhadores; o recrutamento; a criação e dinamização das organizações de base; a intensificação do trabalho junto de camadas sociais específicas; o reforço da militância; a intensificação e diversificação da informação e propaganda; o reforço dos meios financeiros; o alargamento da difusão da imprensa partidária e o desenvolvimento da luta ideológica.

Também o 80.º aniversário do Avante! será assinalado com diversas iniciativas, entre as quais uma venda especial da edição de 10 de Fevereiro, visando captar mais leitores regulares, ou seja, mais gente esclarecida e mobilizada para os combates que aí vêm. Publicamos em seguida a intervenção do Secretário-geral do PCP nas iniciativas do fim-de-semana.

Image 6611


Jerónimo de Sousa em Lisboa e na Baixa da Banheira

Convicções firmes que dão sentido à luta

 

Acabámos de sair da importante batalha eleitoral para a Presidência da República. Uma batalha que se inseriu nesse grande combate que estamos e continuamos a travar pela concretização de uma ruptura na actual situação do País, por uma mudança política e pela afirmação uma política alternativa patriótica e de esquerda, capaz de responder aos problemas do País.

Fizemo-lo num quadro complexo no plano político e social. Numa situação onde impera a mistificação sobre as causas e os responsáveis pela grave situação a que o País chegou, a chantagem dos poderes dominantes sobre as massas, ao mesmo tempo que se desenvolve uma poderosa e prolongada ofensiva contra os interesses populares que dão origem a fenómenos de desilusão, apatia, descrença e até de desorientação. Fenómenos que crescem em função da incapacidade revelada pelos executores da política de direita, através dos seus sucessivos governos, em relação à solução dos seus problemas e dos problemas do País. Fenómenos deliberadamente alimentados por uma campanha ideológica que faz com que se tome a parte pelo todo e que se expressa na opinião pública na falsa ideia de que os políticos e os partidos são todos iguais.

Uma fórmula que é hoje, sem dúvida, um factor poderoso da ideologia da resignação, que precisamos mais do que nunca de combater, pelos perigos que encerra para o regime democrático e como obstáculo à mudança e, por conseguinte à perpetuação do domínio dos grandes interesses económicos e financeiros e dos seus agentes no poder político, a quem essencialmente serve tal errada visão.

Mas uma batalha travada também num quadro de domínio hegemónico do espaço mediático pelos comentadores e pelos comentários vinculados aos interesses e à visão dos partidos ditos do bloco central e dos grandes interesses económicos que representam. Quem estava a comentar os resultados nos principais canais televisivos? Que ideologia professam os comentadores e analistas que andaram meses e meses a teorizar sobre as inevitabilidades, o ter de ser, as vitórias irrefutáveis? São intermediários é certo!

Intermediação mediática que a coberto de uma pretensa análise objectiva e neutra das candidaturas ou das disputas eleitorais em presença fazem a filtragem e a classificação do valor, quer dos protagonistas quer dos seus projectos políticos de forma parcial, estigmatizando ou silenciando uns, e valorizando outros, incluindo candidaturas que promovem o vazio ideológico, a confusão e até a provocação gratuita, para onde se pretende canalizar o voto de protesto e fazer desaguar toda e qualquer vontade de mudança no mar da inconsequência e da inutilidade.

 

Afirmação de combatividade

 

É à luz desta realidade que valorizamos o importante resultado obtido nestas eleições e, particularmente, a importância neste contexto da decisão do PCP de intervir com uma voz própria e autónoma nesta batalha eleitoral, com a candidatura de Francisco Lopes.

Uma candidatura que se assumiu como alternativa à de Cavaco Silva e a confrontou como ninguém com as suas responsabilidades, mas também como a única candidatura alternativa à política de direita e que consequentemente fez a sua denúncia e separação. Nenhuma outra candidatura, senão a de Francisco Lopes, foi capaz de se demarcar de forma tão nítida e frontal das políticas de direita que são a causa das dificuldades do País e de apontar uma alternativa para o seu desenvolvimento.

Uma candidatura que fez toda a diferença e que deu uma contribuição singular no debate e esclarecimento sobre a real situação do País, centrando a sua intervenção na necessidade de encontrar outro rumo para Portugal, trazendo para a campanha questões cruciais como as da valorização dos trabalhadores e dos seus direitos, da produção nacional, da imperiosa necessidade de subordinar o poder económico ao poder político e este aos interesses nacionais, mas também as questões tão prementes como as questões da defesa e afirmação da soberania do nosso povo e da independência do País. Fomos sérios! A nossa candidatura resgatou o que de mais nobre tem o exercício da política!

A grande campanha realizada, particularmente as suas mais destacadas iniciativas que mostraram um Partido vivo e actuante, e nada pode apagar a afirmação colectiva de vontade, de força e determinação que encerrou aquele grande comício aqui em Lisboa no Campo Pequeno e a generosa simpatia para com a nossa candidatura que foi patenteada por milhares de pessoas por todo o País.

Bem podem persistir na intriga e no preconceito. Nada pode apagar o valoroso contributo pessoal, a generosa entrega e dedicação de Francisco Lopes e a extraordinária campanha que protagonizou, vencendo inaceitáveis preconceitos, discriminações e silenciamentos. Uma campanha e uma prestação de que nos orgulhamos. A Francisco Lopes, uma especial e calorosa saudação e o nosso colectivo reconhecimento pela forma como assumiu e interpretou nesta difícil batalha as mais genuínas aspirações dos trabalhadores portugueses e do nosso povo e a luta colectiva que travamos pela exigência de ruptura e mudança.

Os tais comentadores e analistas não aceitam e recusam-se a aceitar a razão funda, o projecto que nos liga, a fraternidade que nos une, o que é o nosso grande colectivo partidário! Mas não seria justo subestimar a outra dimensão da nossa candidatura!

Uma saudação que, neste momento, queremos também estender a todos os militantes comunistas, aos jovens da JCP, ao Partido Ecologista «Os Verdes», à Intervenção Democrática, às muitas pessoas com outras opções partidárias ou sem opção definida que ao nosso convite e ao nosso apelo deram um contributo inestimável para a grande campanha que realizámos.

A votação obtida por Francisco Lopes – mais de 300 mil votos e 7,14 por cento – constitui uma inequívoca afirmação de combatividade e de exigência de uma profunda mudança na vida nacional. Não façamos apenas uma operação aritmética. Mas uma operação política. Cada voto em Francisco Lopes é um voto com um inequívoco significado de apoio à luta e que contará como nenhum outro para dar força ao necessário e imprescindível combate que teremos de continuar a travar contra as injustiças e a desastrosa política de ruína e declínio nacional para o qual PS, PSD, CDS e Cavaco Silva têm conduzido o País. Uma votação que mantém viva a esperança e a confiança num projecto de uma vida melhor que queremos construir com os trabalhadores e o nosso povo.

 

Reeleição de Cavaco Silva não é coisa boa

 

Não foi coisa boa para o País a reeleição de Cavaco Silva! Mas isso não impedirá a continuação da nossa luta em defesa dos interesses populares e pela concretização de uma solução política alternativa para vencer os graves problemas do País e a crise e relançar Portugal na senda do progresso e do desenvolvimento.

Uma reeleição que representa, na situação em que o País vive, um retrocesso e um incentivo ao prosseguimento da política de direita a partir da sua Presidência. Ela será, como antes o havíamos afirmado e por isso contra ela lutámos, um factor de agravamento do rumo de declínio económico e de injustiça social.

Uma reeleição obtida não só na base de uma abusiva utilização das suas funções institucionais, mas também pela ocultação descarada das suas responsabilidades, de uma inconfessável dose de hipocrisia política que afirmava de forma torcida combater o que antes tinha apoiado, como o corte dos salários e as medidas anti-sociais do Governo, que lhe permitiu canalizar para si o descontentamento social pelas decisões e medidas anti-populares do Governo do PS e dos acordos com o PSD. Um descarado embuste que levou ao engano muitos eleitores que erradamente viram em Cavaco Silva um opositor às medidas e políticas económicas e sociais do Governo, a que acrescentou a intolerável chantagem dos últimos dias da campanha sobre o eleitorado em torno da segunda volta e do aumento dos juros que passados dois dias das eleições já estavam por terra!

Mesmo assim, não impediu que o seu resultado eleitoral não acabasse por encerrar um inegável juízo negativo sobre o seu exercício na Presidência da República. Cavaco Silva acabou por ser eleito não só com a menor das maiorias alcançadas até hoje numa reeleição para um segundo mandato mas também com a mais baixa votação de sempre na eleição de um Presidente.

Com a reeleição de Cavaco Silva é, agora, ainda mais exigente a nossa luta contra a política de direita e para conter a ofensiva que se mantém e se desenha com novos contornos para o futuro, seja pela via da manutenção da cooperação estratégica mantida com actual Governo de José Sócrates, cuja natureza anti-social da sua governação se aprofunda, seja na construção de condições para viabilizar a chegada ao poder dos partidos apoiantes da sua candidatura e prosseguir a actual política que conduziu o País ao desastre e ao acentuar das injustiças e que se deduz das propostas de Passos Coelho e do PSD de revisão constitucional.

 

Contradições e falsas alternativas

 

Mas nestas eleições ficou igualmente bem patente, no resultado da candidatura apoiada pelo PS e pelo BE – a candidatura de Manuel Alegre – muito aquém das suas proclamações, também o sentimento de condenação da política de direita do actual Governo, seu principal apoiante. Uma votação que é inseparável das suas contradições e de ser uma candidatura amarrada à política de direita e sem projecto alternativo. Uma candidatura que navegou sempre na ambiguidade de ser e estar ao mesmo tempo a favor e contra a política de direita do Governo, bem evidente no seu elogio a Sócrates e à coragem da sua governação. Não resultou querer sol na eira e chuva no nabal!

Esse mesmo Sócrates que mal tinham acabado de ser tornados públicos os resultados eleitorais estava já a renovar a sua disponibilidade para novas cooperações estratégicas com Cavaco Silva, ignorando as consequências da política do Governo no desfecho destas eleições e reafirmando o prosseguimento dessa mesma política.

Mas inaceitável é verificar também a fuga em frente ensaiada pelo BE que vem agora remeter para outros, nomeadamente para o PCP, as suas próprias responsabilidades do que diz ser a derrota desta candidatura para tentar iludir o facto de ter partilhado com o PS e o seu Governo o apoio a uma candidatura objectivamente comprometida com o essencial das políticas que conduziram o País à actual situação. Queriam ver também o PCP a reboque de um projecto de esquerda que o não é, nem tinha condições para o ser, e ainda por cima num momento em que tal candidatura, ao contrário de há cinco anos, se apresentou não contra o PS mas com o seu apoio.

A tão cantada candidatura da «convergência da esquerda» para derrotar Cavaco não teve o apoio do BE quando Alegre se afirmou como um «desalinhado do PS», mas mereceu-o agora que se apresentou de braço dado com Sócrates e com quem Alegre diz que conta para defesa do seu «Estado social».

Mas o que estas eleições revelaram igualmente e merece atenta reflexão foi a permeabilidade de sectores do eleitorado a um discurso populista e demagógico, que cresce também à sombra de uma justa indignação contra as políticas de todos estes anos, patente nos resultados de Fernando Nobre e José Coelho e que constitui um entrave à construção de uma coerente alternativa à actual política e ao actual rumo do País.

Falámos já na protecção mediática na promoção das falsas soluções que exige uma outra e mais forte intervenção de denúncia dos mecanismos de orientação da opinião pública pelos grandes meios de comunicação social de massas e pela exigência de pluralismo no seu seio, mas também do necessário combate político a tais projectos, nomeadamente aqueles que germinam e brotam do ataque indiscriminado à política, aos políticos e medram à custa do antipartidarismo, do nivelamento primário dos programas, práticas e projectos partidários e que são, em si, uma garantia à perpetuação da política de direita e dos seus promotores e caldo de cultura para o surgimento de soluções políticas antidemocráticas e para a subversão do nosso regime democrático.

E o capital sabe que o mais perigoso é canalizar o protesto, a indignação e a revolta para a luta organizada.

 

Situação difícil e dramática

 

A perspectiva da evolução do País neste período pós–eleições presidenciais é de um agravamento da situação económica e social e do avolumar dos problemas que põem em causa de forma crescente a própria soberania do País. A entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2011 e o conjunto de medidas que o acompanham – do ataque aos rendimentos dos trabalhadores e das famílias ao corte do investimento público e à destruição de serviços públicos – não só não veio pôr cobro à especulação financeira sobre o País, como se constitui num factor acrescido de recessão económica e dependência externa.

A quebra real dos salários e rendimentos de trabalho, resultante nomeadamente do roubo dos salários na Administração Pública e das reduções em sede de IRS das deduções específicas, o congelamento das pensões de reforma, o aumento do custo de vida, consequente do acréscimo do IVA e dos preços de bens essenciais, transportes, electricidade e combustíveis, entre outros, mas também os cortes nos apoios sociais aos idosos, à família e aos desempregados, representam um brutal agravamento das condições de vida para milhões de portugueses, de acentuação das desigualdades e de alastramento da pobreza.

Uma realidade social cada vez mais preocupante e que tem como pano de fundo o aumento do número de desempregados, com o desemprego real próximo dos 800 mil, o valor mais elevado das últimas três décadas, mas também o contínuo crescimento da precariedade e da desregulação do trabalho num processo cada vez mais intenso de exploração do trabalho. As previsões anunciadas pelo Banco de Portugal de uma quebra de 1,3 por cento para o PIB constituem, no quadro de uma balança comercial cada vez mais deficitária, um inquietante sinal da crescente dependência externa do País e da sua vulnerabilidade face à especulação dos «mercados financeiros» e aos ataques à soberania nacional.

Há muito que não víamos uma situação tão difícil e tão dramática como aquela que hoje vivemos.

 

O Partido é cada vez mais preciso

 

É nestas ocasiões que um Partido como o nosso é ainda mais preciso e a sua intervenção e iniciativa mais necessárias. Mais necessárias para organizar a resistência contra a ofensiva que aí está. Mais necessária a sua organização em todas as frentes e mais necessária a nossa atenção para o reforço do movimento de massas e de dinamização da luta que constitui um factor determinante na defesa dos interesses populares, contra a política de direita e na construção de uma alternativa política de esquerda que o País precisa.

Vivemos uma situação que não prescinde de uma exigente e esforçada intervenção do nosso Partido, da força organizada dos trabalhadores e dos outros movimentos de massas, da intervenção de todos os democratas empenhados na luta por uma mudança de rumo no país. Aqueles que pensam que nós deixaremos morrer a esperança, desenganem-se! O mais fácil seria desistir! Nem pensem!

Daqui queremos reafirmar a todos aqueles que confiaram e deram o seu apoio e o seu voto à nossa candidatura a nossa inabalável determinação de honrar o apoio recebido e prosseguir o trabalho e a luta em defesa das condições de vida do nosso povo.

Honrá-lo já no combate que é preciso travar, unindo esforços e mobilizando para a luta contra novas investidas contra a legislação do trabalho, reclamadas pela União Europeia e pelo grande patronato. Esse conjunto de alterações ao Código de Trabalho que o Governo do PS tem em preparação, nomeadamente essas abominável medida, entre outras, de promover o embaratecimento e facilitação dos despedimentos e, de forma directa ou indirecta, pôr os próprios trabalhadores a pagar o seu despedimento. Medidas que se articulam com as propostas do PSD em transformar a precariedade como a regra geral e à custa da Segurança Social.

Honrá-lo trabalhando com a denúncia, com propostas e com a luta para fazer fracassar a política de capitulação perante os interesses estrangeiros e a operação destinada à aceitação da falsa inevitabilidade da vinda do FMI com o seu cortejo de exploração e inaceitáveis imposições, sob a capa da ajuda. Dessa cínica «ajuda externa» que significaria novos despedimentos em massa, maiores roubos nos salários, mais impostos para quem trabalha, menos apoios sociais, menos serviços públicos, dependência e subordinação absoluta ao estrangeiro e ao grande capital financeiro.

Honrá-lo lutando pela exigência da anulação do roubo dos salários e a sua substituição pelo efectiva tributação dos rendimentos de capital e lucros que hoje não pagam impostos, pela taxação real das transacções em bolsa e transferências financeiras para os paraísos fiscais e pela aplicação a todos os grupos económicos com lucros superiores a 50 milhões de euros de uma taxa adicional de IRC.

Honrá-lo lutando e exigindo a paragem do leilão pela via da privatização do que resta dos activos do Estado em empresas estratégicas e pelo fim da destruição dos serviços públicos e pela melhoria da resposta e da qualidade do Serviço Nacional de Saúde, da Escola Pública e do sistema público de protecção social, garantindo os direitos dos portugueses à saúde, ao ensino, à protecção no desemprego e na doença e na velhice.

Honrá-lo continuando a luta, sem desfalecimentos, pela solução dos problemas nacionais e a melhoria das condições de vida dos portugueses.

Luta que é inseparável de uma ruptura com a política de direita e da concretização de uma política alternativa. De uma política que promova o crescimento económico, valorize e dinamize o mercado interno, promova a elevação dos salários e das pensões de reforma. De uma política que defenda os interesses nacionais, que recupere o controlo pelo Estado dos principais sectores estratégicos, que afirme a soberania nacional.

Neste quadro continuaremos a nossa luta dando ainda mais força à campanha Portugal a Produzir. Uma campanha que destaca as potencialidades do País, afirma o valor estratégico da produção nacional para a criação de emprego, o combate à dependência externa, o desenvolvimento, a soberania e independência nacionais, componente essencial de uma política patriótica e de esquerda.

 

Comemorar 90 anos a olhar em frente

 

Este Partido que comemora no próximo mês de Março 90 anos de vida enfrentou neste seu longo percurso de existência a mais brutal das intempéries e sempre com uma inquebrantável determinação surgiu a olhar em frente e apontar os caminhos do futuro. Quantas vezes, camaradas, quantas vezes ao Partido se colocou a incerteza tão forte era a força da repressão e das classes dominantes? Mas o Partido nunca desistiu!

É olhando em frente que continuamos hoje o nosso combate, tendo sempre presente esse percurso heróico e a memória viva da sua história exaltante que nos dá uma inabalável confiança. As batalhas políticas que estão diante de nós são muito exigentes e reclamam a total mobilização das potencialidades da nossa organização e da disponibilidade de todos e de cada um de nós para caminhar em frente, transportando as bandeiras da nossa luta comum.

As comemorações dos 90 anos do Partido constituirão um momento alto de afirmação da luta heróica do PCP pela liberdade, pela democracia e pelo socialismo, de intervenção e afirmação política de valores, do ideal e projecto político do Partido e que se realizarão ao longo de todo o ano de 2011. Elas serão o elemento integrador do conjunto das exigentes tarefas que estão colocadas ao Partido.

Serão a oportunidade para uma grande acção política, promovendo iniciativas ligadas à vida e à resposta necessária à política de direita abertas à participação e aproximação aos trabalhadores, aos jovens, às mulheres e outras camadas, permitindo um melhor conhecimento do Partido, das suas propostas, do projecto do socialismo como exigência da actualidade e do futuro e da sua identidade comunista.

Comemorações que serão um estímulo ao desenvolvimento e ampliação da luta de massas e da iniciativa e acção políticas e ao prosseguimento e aprofundamento da acção Avante! Por um PCP mais forte, concretizando de forma integrada as diversas direcções de trabalho visando o reforço da organização, nomeadamente a intervenção junto da classe operária e dos trabalhadores; o recrutamento; a criação e dinamização das organizações de base; a intensificação do trabalho junto de camadas sociais específicas; o reforço da militância; a intensificação e diversificação da informação e propaganda; o reforço dos meios financeiros; o alargamento da difusão da imprensa partidária e o desenvolvimento da luta ideológica.

Nós temos confiança neste Partido Comunista Português, no seu colectivo militante, na nossa juventude comunista, profundamente enraizado nos trabalhadores e no nosso povo. Confiança nas nossas próprias forças que resultam também das nossas firmes convicções que dão sentido e um rumo de esperança à luta e à vida dos trabalhadores e do povo, num mundo de muitas incertezas. Confiança num Partido que resiste e avança, cumprindo o seu papel para com os trabalhadores o povo e o País.

Um Partido que mantém uma inabalável confiança na força organizada dos trabalhadores, de todos os democratas e patriotas que aspiram a outro rumo e a uma nova política ao serviço do povo e do País.

Estamos aqui depois da grande batalha eleitoral que travámos olhando em frente, ancorados na convicção da valia e actualidade de um projecto que persegue o nobre ideal da emancipação e libertação da exploração, porque queremos uma vida melhor para quem trabalha, porque queremos um Portugal desenvolvido, de progresso, independente, mais justo e mais solidário. Estamos aqui afirmando o PCP como força indispensável aos trabalhadores e ao povo português. Desta força que somos juntos e dá sentido e dimensão à palavra de ordem a luta continua!



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: