Aconteu
Souto de Moura recebe Pritzker

O arquitecto Eduardo Souto de Moura recebeu no dia 3, em Washington, o Prémio Pritzker 2011, considerado como o Nobel da arquitectura.

Na cerimónia, Souto de Moura evocou as suas raízes na arquitectura, ao lado de Siza Vieira, o primeiro Pritzker português (1992), no pós-25 de Abril, e a forma como a realidade do país de então acabou por ditar o seu trabalho e de outros colegas de profissão.

«Depois da revolução e restabelecida a democracia abriu-se a oportunidade de redesenhar um país onde faltavam escolas, hospitais, outros equipamentos e sobretudo meio milhão de casas», disse o arquitecto, citado pela Agência Lusa (03.05).

Para além de Siza Vieira, o prémio foi também atribuído anteriormente a outros grandes nomes da arquitectura como Óscar Niemayer, Frank Gehry ou Jean Nouvel.


Albertina Sisulu<br>uma lutadora anti-<i>apartheid</i>

Albertina Sisulu, uma das figuras mais destacadas da luta de libertação do povo sul-africano, morreu ao princípio da noite de dia 2, na sua casa em Joanesburgo, aos 92 anos de idade.

Viúva do ex-secretário-geral do Congresso Nacional Africano (ANC), Walter Sisulu, Albertina Sisulu, que era conhecida por «Mama Sisulu», dedicou grande parte da vida à luta contra o regime do apartheid.

Enfermeira, dedicou grande parte do seu tempo, em paralelo com a sua actividade política, a prestar assistência aos mais desfavorecidos dos bairros negros dos arredores das cidades sul-africanas.

Passou vários períodos da sua vida de resistente nas cadeias sul-africanas e durante mais de dez anos em prisão domiciliária.

Albertina Sisulu sempre demonstrou uma enorme dedicação à causa da educação, tendo afirmado em várias ocasiões que, «quer na luta, quer na paz, a educação é essencial para a liberdade dos povos».

Em 1955 foi uma das líderes da marcha das mulheres na capital, Pretória, em protesto contra a infame «Lei dos Passes» (que obrigava os negros a serem portadores de passes para terem acesso às áreas designadas de brancas).

Viria a ser co-presidente da UDF (Frente Democrática Unida), que, nos anos 80, era a frente interna de quase todas as organizações anti-apartheid em representação do ANC, então ilegalizado.


<i>Moody's</i> baixa <i>rating</i> dos EUA

A agência de notação financeira Moody’s alertou, dia 2, o Congresso norte-americano que poderá baixar a nota de solvabilidade dos Estados Unidos, se se prolongar o impasse nas negociações para aumentar o limite da dívida pública.

A Moody’s Investors Services esclareceu que este aviso se deve ao «risco muito fraco, mas crescente, de incumprimento temporário» dos Estados Unidos no pagamento das suas obrigações.

O limite da dívida pública norte-americana foi atingido em meados de Maio. Desde Janeiro que o Tesouro pede aos eleitos que elevem este limite, o que ainda não ocorreu. Segundo as estimativas oficiais, o Estado federal não poderá continuar a funcionar a partir de 2 de Agosto, dia em que se deixará de cumprir o pagamento de algumas obrigações vencidas. As negociações entre o governo de Barack Obama e o Congresso continuam num impasse.


Coro da Covilhã medalhado na Áustria

O Coro Misto da Beira Interior, sedeado na Covilhã, ganhou uma medalha de Ouro e outra de Prata, nas categorias de Música Sacra e Coros Mistos, no terceiro concurso internacional Anton Bruckner, realizado no sábado, 4, em Linz, na Áustria,

Apesar do êxito, o único representante português neste concurso tinha como objectivo trazer para Portugal duas medalhas de ouro: «Queríamos um bocadinho mais, até pelas provas que fizemos», declarou à Lusa o maestro Luís Cipriano.

«Somos um grupo português que se apresenta nestas competições sempre em desvantagem», disse ainda o maestro, notando que ao contrário dos outros coros, o colectivo português não é profissional. «Não posso exigir às pessoas que paguem aulas de canto, ou que vão estudar para um conservatório, e nós temos vindo a fazer milagres».

O Coro já ganhou medalhas no Concurso Robert Schumann, em Zwickau, na Alemanha (de Prata), nas Olimpíadas Corais, na Coreia do Sul (duas de Bronze), em Budapeste, na Hungria (duas de Prata e uma de Ouro) e em Veneza, na Itália (uma de Prata e uma de Ouro).


Europeus do Sul trabalham mais

Ao contrário das recentes afirmações da chanceler alemã Angela Merkel, os europeus do Sul trabalham muito mais e por vezes durante mais tempo do que os alemães.

Segundo um estudo divulgado no sábado, 4, pelo banco francês Natixis, com base em dados da OCDE e do Eurostat, a duração anual média do trabalho de um alemão (1390 horas) é muito inferior à de um grego (2119 horas), de um italiano (1773 horas), de um português (1719 horas), de um espanhol (1654 horas) ou de um francês (1554 horas).

«O resultado da produtividade individual da Alemanha está na média dos países do Sul, a da produtividade horária está acima da média mas não é melhor do que a da França ou Grécia», precisa o Natixis.

Por último, a idade média efectiva para a reforma na Alemanha é de 62,2 anos, enquanto os portugueses e espanhóis se reformam em média com 62,6 anos e 62,3 anos.


«Memórias» de Santa-Bárbara

A exposição «Memórias – Anos 50-2010», com trabalhos do pintor José Santa-Bárbara foi inaugurada no sábado, 4, no Centro Cultural e Congressos da CM das Caldas da Rainha,

Da exposição, que estará patente até 19 de Julho, fazem parte pinturas, esculturas, peças de cerâmica, medalhística e objectos de design deste autor.

José de Santa Bárbara nasceu em 1936 e frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio. Mais tarde foi aluno de Abel Manta nas Belas Artes de Lisboa. Desde os anos 60 que este artista expõe de forma individual e colectiva. Entre as muitas exposições destaca-se por exemplo «Vontades», onde apresentou obras inspiradas no livro Memorial do Convento de José Saramago. É também autor de várias capas de discos de Zeca Afonso.



Resumo da Semana
Frases