O salário mínimo em Portugal é o mais baixo da zona euro
PCP quer salário mínimo nacional nos 500 euros
Razões de justiça e combate à pobreza


O PCP quer ver o salário mínimo nacional fixado nos 500 euros. Há todas as razões para que a medida seja adoptada de forma urgente, sustentam os deputados comunistas, sublinhando, entre outras, as que se prendem com a justiça social, o combate às desigualdades e uma mais justa distribuição da riqueza.

A proposta consta de um projecto de resolução entregue no Parlamento faz hoje oito dias, no qual se recomenda igualmente ao Governo que garanta que o salário mínimo nacional em 2013 será de 600 euros.

«Consideramos que esta medida não só é justa como absolutamente fundamental para a dinamização da nossa economia. O próprio Governo reconhece que temos um plano de emergência social para concretizar e, se estamos nesta situação, então, em primeira instância, temos de aumentar o salário mínimo nacional, que é fundamental para atacar os problemas de pobreza existente no País», salientou o deputado comunista Jorge Machado na conferência de imprensa que serviu para apresentar o conteúdo do diploma da sua bancada.

 

Cumprir o acordado

 

Recorde-se que este valor de 500 euros fora já há muito acordado na chamada concertação social com os representantes dos trabalhadores para entrar em vigor em Janeiro deste ano, o que só não aconteceu porque o Governo de Sócrates, desrespeitando de forma descarada o compromisso assumido, resolveu subtrair 15 euros e estabelecer o SMN em 485 euros.

E isto, repare-se, mesmo depois de a AR ter aprovado uma resolução em Novembro de 2010 onde era reiterada a recomendação de que o salário mínimo nacional fosse elevado para 500 euros em Janeiro de 2010.

Daí que a bancada comunista não queira admitir que o Governo «dê o dito por não dito» e «não cumpra o que foi acordado no que respeita à evolução do salário mínimo», considerando que isso seria «inaceitável».

Foi o que disse de forma clara o deputado Jorge Machado, que lembrou que «se o salário mínimo tivesse acompanhado sempre a evolução do índice de preços do consumidor até hoje, já em 2005 o seu valor estaria em 500 euros». Do que se trata, pois, é de um atraso de «mais de cinco anos relativamente a esta exigência de aumento do salário mínimo», fez notar.

Registe-se ainda que esta remuneração em Portugal constitui uma referência para centenas de milhares de trabalhadores, como é referido no projecto de resolução comunista, não obstante o seu valor ser o mais baixo da zona euro, com «significativa distância da generalidade dos restantes países».

 

Medida necessária

 

Sobre a viabilidade de um aumento do salário mínimo na actual conjuntura do País – questão que lhe fora colocada –, o deputado do PCP considerou que o caminho proposto no memorando da troika, esse sim é que não é exequível e «conduz a resultados desastrosos».

«Se não bastasse o exemplo grego, bastaria ver a recente colocação da nossa dívida no nível de lixo», observou ainda, concluindo que «é preciso dar um murro na mesa e inverter as políticas, dinamizando a nossa economia por via do aumento do consumo e o salário mínimo tem esse papel fundamental».

Desmontando os argumentos aduzidos por quantos desaconselham um aumento do SMN por razões de competitividade externa e sustentabilidade interna, Jorge Machado lembrou ainda que quando o salário mínimo aumentou 25 euros, entre 2009 e 2010, o sector exportador nem por isso deixou de registar uma evolução positiva, sendo igualmente certo que o impacte nas empresas desse aumento na massa salarial foi nulo ou não ultrapassou os 1,33 por cento ao nível dos seus custos de produção.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: