A CIL apela a manifestações e protestos em todo o país
Itália pára na terça-feira
Greve geral contra a austeridade

A principal central sindical italiana convocou para a próxima terça-feira, dia 6, uma greve geral de oito horas por turno, contra o mais recente pacote de austeridade aprovado pelo governo de Sílvio Berlusconi.

 

A jornada de luta tem como causa próxima o mais recente pacote de medidas de ajuste orçamental adoptado pelo governo de centro-direita para tentar apaziguar os «mercados» da dívida pública.

Para a CGIL, Confederazione Generale Italiana del Lavoro, que já tinha sido confrontada com um plano de cortes de 79 mil milhões de euros, aprovado pelo parlamento em 15 de Julho, o novo pacote, apresentado em 12 de Agosto, é simplesmente inaceitável.

«Os reajustamentos económicos são injustos e errados», afirma a central sindical apelando a uma jornada nacional de greve, com manifestações por todo o país. Em Roma, está prevista uma grande manifestação que terminará frente à Câmara dos Deputados, onde novo plano draconiano deverá ser aprovado em meados deste mês.

Para além de uma vaga de privatizações, o programa, que pretende realizar um encaixe de 45,5 mil milhões de euros em dois anos e alcançar o equilíbrio das contas públicas já em 2013, estipula o congelamento dos salários, cortes nas despesas das administrações, com profundos reflexos na prestação de serviços públicos.

Quase metade do encaixe, 20 mil milhões de euros, deverá ser realizado em 2012, e os restantes 25,5 mil milhões, no ano seguinte.

Na calha está uma alteração radical na divisão administrativa do país, que prevê a extinção de todas as províncias com menos de 300 mil habitantes ou 3 mil km2 (critério que abrange entre 29 a 35 num total de 109 províncias), e 1500 municípios, num universo de mais de oito mil.

Cerca de 50 mil lugares serão extintos na administração central, regional e local, diminuindo em seis mil milhões de euros as transferências do Estado para as regiões e municípios em 2012, a que se somará um novo corte de 3500 mil milhões de euros em 2013.

Em nome da «equidade», o governo chegou a anunciar a criação de uma chamada «taxa de solidariedade» sobre os rendimentos mais elevados, superiores a 90 mil euros anuais, e uma taxa sobre depósitos bancários superiores a 500 mil euros, num máximo de 1100 euros. Mas um comunicado do Conselho de Ministros divulgado esta segunda-feira, 29, deu conta de que a «taxa de solidariedade» afinal será substituída por «novas medidas fiscais que terão como objetivo eliminar os abusos nos registos de propriedade e na inscrição do património em nome de terceiros para evitar o pagamento de impostos, assim como a redução de vantagens fiscais às sociedades cooperativas».

Todavia, como salientam os sindicatos, o principal peso da austeridade recai sobre os trabalhadores e as camadas mais desfavorecidas da população. «Só os que já pagam impostos são atingidos, e os mais fracos são ainda penalizados pela diminuição dos serviços públicos», notou Susanna Camusso, secretária-geral da CGIL.

 

Desemprego juvenil recorde

 

Ao mesmo tempo, a situação do mercado de trabalho continua a degradar-se na Itália afectando em particular nas camadas mais jovens. Um estudo divulgado, dia 24, pela Confartigianato, confederação italiana dos artesãos, revela que o país é detentor do recorde europeu de desemprego juvenil.

Baseado nas estatísticas oficiais, o estudo indica que a camada etária entre os 15 e os 24 anos regista uma taxa de desemprego de 29,6 por cento, contra uma média europeia de 21 por cento.

Nas idades entre os 15 e os 35 anos, a taxa de desemprego é de 15,9 por cento, mas alcança os 21,1 por cento no Sul do país. O recorde absoluto cabe à Sicília, onde o desemprego flagela 28 por cento da população entre os 15 e os 35 anos.

O estudo dá ainda nota de um agravamento da situação nos últimos anos. Entre 2008 e 2011, o número de jovens a trabalhar caiu em 926 mil.

A deterioração do mercado de trabalho afecta também os adultos. Por exemplo, na faixa etária entre os 25 e os 54 anos, o índice de desemprego atinge uns surpreendentes 23,2 por cento, contra uma média europeia de 15,2 por cento. A gravidade destes números não pode ser minimizada pela taxa global de desemprego de apenas oito por cento, abaixo da média de 9,9 por cento da zona euro.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: