Uma força imensa para derrotar o pacto de agressão e salvar o País

A greve geral de 24 de Novembro constituiu uma «derrota para a campanha ideológica que procura apresentar a política de retrocesso como inevitável e a luta como inútil» e foi em si mesma uma «afirmação de dignidade e combatividade de milhões de trabalhadores que abdicaram de um dia do seu salário, para a defesa e afirmação do valor maior do protesto contra o agravamento das suas condições de vida e da acção para salvar o País do desastre». Palavras de Jerónimo de Sousa na Declaração enviada às redacções no próprio dia da greve e que a seguir se transcreve na íntegra.



A maior de sempre
Confiança redobra

Concentrações e manifestações em mais de trinta cidades
A greve geral mostrou-se nas ruas

Grande manifestação culmina jornada em Lisboa
Lisboa - Unidos e firmes

«Adesão extraordinária» na Península de Setúbal
Setúbal - Tradição combativa que se reforça

Porto - Sementes de futuro

Braga - A maior de sempre

Coimbra - Ampla participação

Administração central e local
Parados contra o roubo

Fortes adesões na Educação
Dia sem aulas

Coragem e determinação no sector público e privado
Uma força imensa no Alentejo

Comprovada força e renovado ânimo
Grandiosa na indústria

Aveiro - Magnífica resposta

Guarda - Expressiva adesão à luta

Viseu - Um passo em frente

Castelo Branco - Firmeza e coragem

Viana do Castelo, Vila Real, Bragança

Leiria, Santarém, Faro - Greve e protestos vencem ameaças

Açores e Madeira

JCP saúda

PEV assinala avaliação negativa

Solidariedade internacional