Balanço de meio mandato comprova intervenção ímpar
Deputados prestam contas de dois anos e meio de actividade
No interesse dos trabalhadores e do País

A meio do mandato, Ilda Figueiredo e João Ferreira apresentaram, dia 16, na sede do PCP em Lisboa, um balanço da actividade no Parlamento Europeu, realizada nestes dois anos e meio.

Image 9333

Na conferência de imprensa, para além dos dois deputados em funções, participaram também Inês Zuber, que assumirá o lugar de deputada no Parlamento Europeu já em 18 de Janeiro, e Ângelo Alves, membro da Comissão Política, que realçou a valiosa intervenção de Ilda Figueiredo ao longo de 12 anos e meio e a importância da renovação do grupo parlamentar do PCP no hemiciclo de Estrasburgo.

Chamando a atenção para o momento muito complexo da evolução do processo de integração capitalista europeia – marcado pelo aprofundamento do seu carácter neoliberal, militarista e federalista –, Ilda Figueiredo salientou que a intensa actividade desenvolvida pelos deputados do PCP honrou os compromissos assumidos com o povo português nas eleições europeias de 2009.

Estes compromissos partem do princípio básico de usar a política para servir o povo e o País e não para benefício próprio, e visam três objectivos essenciais: servir os trabalhadores e o povo português e ser a voz no Parlamento Europeu da sua luta em defesa dos seus interesses, direitos e aspirações; pôr o interesse nacional e a defesa da soberania do povo português acima de quaisquer outros interesses; e dar uma contribuição decidida, no seio do Grupo Confederal Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Verde Nórdica para a luta por uma outra Europa dos trabalhadores e dos povos, de nações soberanas, iguais em direitos e em deveres.

 

Ligados ao País

 

O documento, de 40 páginas, com o balanço da actividade do PCP no PE (disponível em www.pcp.pt), apresentado por João Ferreira, reflecte as posições tomadas sobre os diferentes dossiers de política europeia, desde a defesa da alteração dos estatutos e das orientações do BCE para que os seus empréstimos sejam feitos directamente aos estados-membros até à suspensão imediata do Pacto de Estabilidade para dar folga à economia portuguesa e travar o empobrecimento de milhões de portugueses.

Particular destaque é dado à actividade na área do emprego e dos assuntos sociais, em defesa dos direitos dos trabalhadores, das pessoas com deficiência, na luta contra a pobreza e pela consagração do rendimento mínimo, pela garantia das pensões ou a salvaguarda dos serviços públicos dos apetites lucrativos do «mercado».

O balanço traduz ainda o vastíssimo conjunto de propostas apresentadas nos diferentes domínios, que se pautaram: 1) pela defesa da democracia e da soberania nacional; 2) pelo emprego e os direitos dos trabalhadores; 3) pela produção nacional, pelo progresso económico e social; 4) pela defesa dos serviços públicos; 5) pela efectivação dos direitos e a igualdade, contra todas as formas de discriminação; 6) pela defesa do ambiente e a salvaguarda dos recursos naturais; 7) pela promoção da cultura e língua portuguesas; 8) pela paz, a amizade e a solidariedade com todos os povos do mundo.

Uma parte importante desta intervenção foi realizada em Portugal, onde, desde o início do mandato, os dois deputados participaram em mais de três centenas de visitas, reuniões, encontros, debates e outras iniciativas, realizadas em todos os distritos e regiões autónomas.

Propondo-se dar continuidade a esta intensa e rica intervenção, Inês Zuber mostrou-se confiante de que se integrará com naturalidade no trabalho colectivo que caracteriza a intervenção do PCP nas instituições e fora delas.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: