• Alfredo de Matos

Tributo ao meu amigo de sempre – Zeca Afonso

No 25.º aniversário da morte de José Afonso – o Zeca Afonso como lhe chamaram todos os amigos – o Avante! presta tributo ao compositor, poeta, cantor, militante insubmisso de causas justas, através do testemunho do seu amigo Alfredo Matos que tão bem o descreve como o que ele sempre foi: um verdadeiro camarada, no sentido mais sublime da expressão.

Image 9772

 

Foi um momento particularmente emocionante quando o Zeca, perante insistência continuada, a que não resistiu, interpretou, naquele local, naquela Vila, naquele ano, àquela hora e para aquela imensa multidão, aquele libelo acusatório temível e sempre actual – «os Vampiros». Que noite inesquecível!

Conhecemo-nos no início de 1967. Com frequência nos visitámos. Eu, na sua primeira casa, em Setúbal, o Zeca, na minha casa, no Barreiro e, aqui, conviveram, connosco, algumas vezes, dois grandes amigos comuns – o Carlos Paredes e o Adriano Correia de Oliveira. Momentos de conversa livre e amiga.

Desenvolvemos uma amizade sólida, na base de imensas cumplicidades, à volta dos nossos ideais, principalmente. Esta relação levou a que o Zeca tenha aderido e participado, com grande entusiasmo, naquele memorável espectáculo, um autêntico concerto, talvez a maior e mais vibrante sessão de poesia e canto que encheu como um ovo o ginásio do Luso do Barreiro, no dia 11 de Novembro de 1967, um sábado, da iniciativa do Cineclube do Barreiro – cuja direcção, liderada por Álvaro Monteiro, viria, por esse motivo, a ser presa pela PIDE – e da Comissão Cultural do Luso. Este foi mais um dos momentos em que tomámos nas nossas mãos a procura da liberdade que o poder fascista nos negava.

Adriano Correia de Oliveira não cantou porque, como explicou, estava na tropa. Odete Santos declamou poetas como António Gedeão e Manuel da Fonseca. Teresa Paula Brito interpretou Para Não Dizer Que Não Falei De Flores e espirituais negros. O virtuosismo de Carlos Paredes e Fernando Alvim em temas como Verdes Anos. Por fim, Zeca Afonso acompanhado à viola por Rui Pato. A apresentação, improvisada mas conseguida, esteve a cargo do barreirense Manuel Teixeira Gomes. Serviu de apoio à partitura com os textos do Zeca, o muito jovem, e meu filho, Vítor de Matos.

Uma multidão, impensável, naqueles tempos e naquelas condições, repetia com insistência:

«Vam-pi-ros», «Vam-pi-ros», «Vam-pi-ros», «Vam-pi-ros».

O Zeca não queria, resistiu até ao limite, mas era impossível não ceder ao pedido incessante da multidão. Todas as emoções transbordaram quando aquela Voz rompeu, como um grito, o momento de silêncio:

 

«No céu cinzento

Sob o astro mudo

Batendo as asas

Pela noite calada

Vêm em bandos

Com pés de veludo

Chupar o sangue

Fresco da manada».

 

Ovação poderosa estalou na sala. E, em coro, todos, a uma voz, sublinham;

 

«Eles comem tudo

Eles comem tudo

Eles comem tudo

E não deixam nada».

 

Estava a viver-se um impressionante e indescritível acontecimento, de grande impacto na região, que, num período de crescentes acções políticas oposicionistas, empolgou o começo da movimentação dos democratas para o intenso período eleitoral de 1969, em que, no Concelho do Barreiro, a CDE venceu, nas urnas, a União Nacional.

 *

 A 22 de Julho de 1970, Zeca dedicou-me «Por Trás Daquela Janela», Poema, por si criado e manuscrito, que posteriormente me entregou.

Estava eu, então, preso no Forte de Caxias. Foi em Maio daquele ano, no dia 3, que a PIDE assaltou, simultaneamente, no Distrito de Setúbal, de madrugada, oito casas, prendendo oito cidadãos: quatro, em Setúbal – Carlos Lopes, António Gonçalves, Fernando Carlos e Zacarias Fernandes. Um, na Moita – Staline Rodrigues. Um, em Alhos Vedros – Leonel Coelho. Dois, no Barreiro – Álvaro Monteiro e Alfredo de Matos.

Pelo Natal de 1972, este Poema, também com música do Zeca, de interpretação difícil como o próprio o referia, foi editado em disco, sob o título, Eu Vou Ser Como a Toupeira, que também incluiu a canção A Morte Saiu à Rua, dedicada ao escultor Dias Coelho, dirigente do PCP, assassinado pela PIDE em 19 de Dezembro de 1961. Eis o que diz o manuscrito:

 

Ao Alfredo Matos

Por trás daquela janela

Por trás daquela janela

Faz anos o meu amigo

E irmão

 

Não pôs cravos na lapela

Por trás daquela janela

Nem se ouve nenhuma estrela

Por trás daquele portão

 

Se aquela parede andasse

Se aquela parede andasse

Eu não sei o que faria

Não sei

 

Se o mundo agora acordasse

Se aquela parede andasse

Se um grito enorme se ouvisse

Duma criança ao nascer

 

Talvez o tempo corresse

Talvez o tempo corresse

E a tua voz me ajudasse

A cantar

 

Mais dura a pedra moleira

E a fé, tua companheira

Mais pode a flecha certeira

E os rios que vão pró mar

 

Por trás daquela janela

Por trás daquela janela

Faz anos o meu amigo

E irmão

 

Na noite que segue ao dia

Na noite que segue ao dia

O meu amigo lá dorme

De pé

E o seu perfil anuncia

Naquela parede fria

Uma canção de alegria

No vai e vem da maré

Assina: José Afonso

 

Nas minhas cartas da prisão, à Eve, a minha companheira, dou-lhe conta das emoções ao ouvir aquela Voz, vinda de um gira-discos, que uma vez por semana, durante escassas horas, escutávamos intercalada com a voz de Paco Ibañez, de Jean Ferrat, de Léo Ferré, de Adriano Correia de Oliveira, de Beethoven… É a Voz. Aquela Voz. Nas cartas, eu ia escrevendo, frases espalhadas pelo texto que lá iam passando «… ondas eléctricas percorrem todo corpo, eriçando-lhe os pelos, tal pele de galinha, sensação que se vai repetindo, quando o nosso Zeca arranca o São Macaio… e, o Menino do Bairro Negro – Bairro, bairro negro onde não há pão não há sossego… e, Vejam bem que não há só gaivotas em terra quando um homem se põe a pensar… e, Os Vampiros – No céu cinzento sob um astro mudo. Ao ecoar Maio Maduro Maio, o silêncio suspende a nossa respiração».

 

Image 9773

 

No 1.º de Dezembro de 1970, no Forte de Caxias, escrevinhei um texto como se fosse um poema, dedicado ao Zeca, que dele nunca teve conhecimento, talvez porque o achei de valor muito reduzido, mesmo pobre, embora com algum simbolismo pelo lugar e condições em que foi criado. Ei-lo:

 

Um dia golpearam o pé da flor

Mas a criança agarrou a flor

Que voltou a dar pétalas garridas

Com um perfume ainda mais doce

 

E a flor se fez árvore

 

Depois negro vendaval

Arrancou seu forte tronco…

Mas vieram as crianças

As Mulheres e os homens

Que voltaram a plantar a árvore

Que voltou a dar flores e frutos

Para as crianças

As mulheres e os homens.

 

E a árvore se fez bosque…

 

Aqui chegou o poeta…

Não há melhor melodia

Que esta faca afiada

Que este golpe de martelo

Que um vagido de criança

 

Treme a terra bem no fundo de nós

Acordam os Poetas

Os soldados erguem as armas

Galgam as águas dos rios

Rasgam as aves o céu…

 

Ouvi a sua voz

É Portugal que canta

É Portugal que está no seu poema

E a alegria volta cheia de música

Trova. Balada. Canção

O Poeta canta a vida da gente

Pescador. Camponês. Resineiro. Soldado

Poeta. Operário. Ceifeira. Doutor

 

Tudo é vida no seu canto

Flor. Árvore. Fruto. Pedra

Tudo em ti é movimento

 

Rei que tu não foste sendo

Ao teu País dás o teu grito

Há uma nuvem de gente no teu canto

 

Na tua voz há festa

Tem raiva o teu cantar

Há amor e esperança nas tuas Palavras

É Portugal que está no teu Poema

É Portugal que está na tua voz.

 

Dedicado à minha irmã, Conceição – presa em 1965, depois em 1968, activista política clandestina, membro do PCP, torturada pela PIDE de forma particularmente cruel – o Zeca escreveu um poema, oferecendo-lhe o texto por si manuscrito, na versão original. A letra, que ataca explicitamente a PIDE em homenagem a uma combatente expressamente nomeada, nunca chegou a ser gravada. Ei-la:

 

À Conceição Matos

Na Rua António Maria

Da Primaz Instituição

Vive a Maior Confraria

Desta válida Nação

 

E muita matula brava

Ainda pensava

Que havia de vir

Um dia assim de repente

Para toda a gente

Voltar a sorrir

 

Mas eles, Conceição, vão

Lamber as botas

Comer à mão

Dum novo Pina Manique

Com outra lábia

Com outro tique

 

Na Rua António Maria

Convenha a todos saber

A patriótica espia

Sabe bem onde morder

 

Vela pela vossa morada

No vão duma escada

Sem se anunciar

E oferece a quem bem destina

Um quarto de esquina

Com vistas pr`ó mar

 

Mas eles, Conceição, vão

Lamber as botas

Comer à mão

Dum novo Pina Manique

Com outra lábia

Com outro tique

 

Tem quatro letras apenas

Mas outro nome lhe dão

Nesta Fortaleza antiga

Só não muda a guarnição

E muita matula ufana

Cuidado que a mana

Morrera de vez

Deu graças à Dª. Urraca

Ao som da ressaca

Que o pagode fez

 

Mas eles, Conceição, vão

Lamber as botas

Comer à mão

Dum novo Pina Manique

Com outra lábia

Com outro tique

 

Aldeia da roupa branca

Suja de já não corar

O Zé Povo foi à França

Não se cansa de esperar

 

O capataz de fazenda

Pôs a quinta à venda

Para quem mais der

 

E os donos marcaram tentos

Com novos inventos

Doa a quem doer

Assina, Zeca Afonso

 

Sem que jamais cesse, a minha admiração pelo Zeca – é assim o trato, que eternamente se manterá, quando citado – assenta, ainda, na sua qualidade impar de criador de poesia e de músico, de compositor de génio, sempre irrepetível, de ser o seu próprio e maior intérprete e também pelo seu carácter íntegro, generoso, leal, solidário. Zeca, um verdadeiro camarada, no sentido mais sublime da expressão.


O Zeca em Setúbal

 

O Zeca Afonso foi um dos fundadores e animadores do Círculo Cultural de Setúbal, como é sabido. Mas um dos locais privilegiados da sua actuação, assim como de muitos outros cantores e fadistas amadores, era a catedral da «conspiração» comunista, a «Academia Sapec», a taberna do nosso camarada Jerónimo Bárbara – o Sapec –, aberta há 43 anos, e que hoje, desde o seu falecimento, é o Restaurante Egas, mantendo persistentemente todos os domingos uma noite de fado.

Não é por acaso que o «Egas» é fiel depositário de uma reprodução do Avante! nº. 48, de Agosto de 1937, onde há um texto intitulado «O FADO E O FACISMO».

Curiosamente, na noite de 15 de Fevereiro passado, dia em que o Avante! fez 81 anos, a neta do Sapec, Carolina, leu entre acordes «A morte saiu à rua», grito de José Afonso contra o assassinato de José Dias Coelho, a 19 de Dezembro de 1961.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: