Breves
Lisboa

Melhores condições de trabalho foram exigidas ao presidente da Câmara Municipal de Lisboa, numa concentração de protesto dos trabalhadores do Departamento de Reparação e Manutenção da frota municipal, a 28 de Fevereiro, no Largo do Intendente. Viaturas têm sido enviadas para reparações em empresas externas à autarquia, quando as oficinas têm condições técnicas e humanas para fazer o serviço, explicou à Lusa Delfino Serras, do Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa. A modernização dos equipamentos e a abertura de concursos para admissão de pessoal, num sector onde há dez anos não entram novos trabalhadores, foram reivindicações centrais no protesto, organizado pelo sindicato da CGTP-IN.


Lajes

A negociação do acordo laboral da Base das Lajes, na ilha Terceira, Açores, de modo a garantir o emprego aos cerca de 750 trabalhadores portugueses na base norte-americana, voltou a ser reivindicada, a 29 de Fevereiro, pelo Sindicato dos Trabalhadores de Alimentação, Bebidas, Comércio, Escritórios e Serviços dos Açores.

Na anterior negociação, a postura das autoridades nacionais resultou numa «cedência total da parte portuguesa», recordou à Lusa o dirigente do sindicato da CGTP-IN, Vítor Silva, reportando-se a documentos divulgados pela Wikileaks.


Madeira

Os jornalistas estão a ser alvo de uma tentativa de «condicionamento da liberdade» e ameaçados de caça às bruxas por parte do jornal do PSD-Madeira, Madeira Livre, acusou, dia 2, o Sindicato dos Jornalistas. Num comunicado, o SJ condenou a publicação de fotografias de cinco jornalistas de órgãos de informação de âmbito nacional a trabalhar no arquipélago, sob o título «São estes indígenas que também viram contra nós a opinião pública do continente».

É «uma tentativa de condicionamento da liberdade dos jornalistas», acusou o SJ. Solidário com os visados, exortou os dirigentes do jornal a porem cobro a atitudes destas e apelou a uma maior vigilância dos jornalistas que vivam situações semelhantes.


Sargentos

Uma queixa colectiva com 995 assinaturas foi entregue ao Provedor de Justiça, dia 2, por uma delegação da Associação Nacional de Sargentos, com o intuito de suscitar a verificação da legalidade das alterações ao regime remuneratório dos militares que contemplam regressões salariais. «Continuando a resistir, evitando o desmantelamento e a descaracterização das Forças Armadas», a ANS garantiu, num comunicado de 27 de Fevereiro, que não aceitará pertencer à «comissão liquidatária das FA». Nesse documentos, a ANS revelou que no dia 14 de Fevereiro, 80 por cento dos 400 sargentos da Base Aérea n.º 5, em Monte Real, não compareceram ao almoço no refeitório, aquando da visita do ministro da Defesa.


Pensões

A utilização de 4,5 mil milhões de euros dos fundos de pensões dos bancários para a compra, pelo Estado, de créditos da banca a empresas do sector empresarial do Estado e a autarquias (três mil milhões) e a hospitais públicos (1500 milhões) foi severamente criticada pela CGTP-IN, num comunicado de dia 2. A confirmar-se ainda que outros 1500 milhões poderão servir para recapitalizar bancos, «todo o valor dos activos dos fundos de pensões, ou regressa à banca (75 por cento do valor total) ou serve para pagar dívidas do Estado e não para suportar as responsabilidades assumidas pela Segurança Social, pagando as pensões a 27 mil trabalhadores», alertou a central.


SPRC

A assinalar o seu 30.º aniversário, o Sindicato dos Professores da Região Centro tem previsto um conjunto de 30 iniciativas para dar a conhecer a importância do sindicato da Fenprof, e a sua intervenção nos planos profissional, social, político e cultural. As celebrações começam hoje, assinalando o Dia Internacional da Mulher e prosseguem até ao fim de Junho, com sessões públicas, colóquios, exposições, excursões, debates, espectáculos, projecção de filmes e jornadas pedagógicas.