É possível e necessária uma política alternativa
Com os valores de Abril construiremos o futuro

Image 10359

Na sessão solene do 38.º aniversário da Revolução dos Cravos, Agostinho Lopes, deputado do PCP, sublinhou na Assembleia da República que «é o projecto de Abril» que pode «iluminar o caminho a Portugal e aos portugueses». No entanto, será necessário construir um «caminho de necessária ruptura e alternativa» com a política seguida nos últimos anos pelo PS, PSD e CDS, apostados num ajuste de contas com as conquistas de Abril. Aqui se publica o texto na integra.

Image 10336

Uma crise profunda brutaliza a pátria portuguesa. Uma crise encaixada, embebida na crise do capitalismo. Uma crise que «revelou», todas as fragilidades, todos os défices estruturais, todos os estrangulamentos do País. Um processo cumulativo, que agora implodiu e explodiu, detonado pela crise do capitalismo.

Bateu-nos à porta e não pediu licença para entrar. Estava cá dentro em gestação. Não aconteceu por acaso. É o resultado de opções políticas. Tem responsáveis: PS, PSD e CDS/PP, os partidos, os seus dirigentes políticos, os seus governos, que assumiram ao longo dos últimos 36 anos a política de recuperação capitalista, latifundista e imperialista e golpearam o regime de Abril, com sucessivas contra-revoluções legislativas e revisões constitucionais.

E eis que ontem, esses partidos, PS, PSD e CDS/PP, pretensamente para responder ao desastre nacional a que conduziram o País, subscreveram um pacto de agressão e de traição a Portugal e aos portugueses. Um pacto que pela sua natureza e conteúdo é um ajuste de contas com Abril, que hoje comemoramos!

Um pacto que agride núcleos da soberania e independência nacionais. Aceitando imposições externas sobre a organização dos tribunais, um órgão de soberania.

Impondo um novo riscar do mapa das freguesias e concelhos. Um pacto que, agora com o dito Tratado Orçamental, pretende impor o visto prévio de potências e poderes estrangeiros, à soberana gestão das contas do Estado português. Impor a jurisdição de tribunais externos sobre o Tribunal Constitucional, sobre a Constituição da República.

Sabemos como alguns justificam a submissão ao pacto. Seria a recuperação da soberania económica, pelo saneamento das contas do Estado.

É uma fraude política. As imposições económicas, as taxas de juro, os prazos e as condições da aplicação, não asseguram qualquer sustentabilidade presente ou futura das contas públicas.

E é uma blasfémia política. É como se o caminho para resistir a Castela, em 1383/1385, passasse por fugir a Aljubarrota. Como se o caminho para afirmar a independência nacional, em 1580, passasse pela aceitação do jugo filipino. Como se o caminho em 1808 fosse a fuga para o Brasil e a colaboração com os ocupantes e não a resistência às invasões napoleónicas.

Percebemos o afã no apagamento simbólico da história pátria, do 5 de Outubro, do 1.º de Dezembro, ou da marca da história no desenho das freguesias e concelhos.

As classes dominantes, grande parte das suas elites, sempre foram, com excepções, permeáveis à colaboração com o estrangeiro opressor e explorador, em defesa dos seus interesses de classe. Foram as forças do capital monopolista restaurado e as forças políticas - PS, PSD e CDS - que impulsionaram a sua restauração, que transformaram o Estado Português no processo de integração comunitária, numa enorme junta de freguesia. As mesmas forças que agora aceitam a sua transformação num protectorado da Alemanha.

E têm sido sempre os pés-descalços, os condenados da terra, os trabalhadores e o povo, com outros patriotas de muitas condições sociais, a levantar a voz, a erguer a resistência, a dar o corpo à revolta. Foi assim que chegamos e fizemos Abril!

 

Caminho de desastre

 

Um pacto de agressão aos trabalhadores e ao povo. Que tem como outro vector a guerra ao trabalho. Ou seja, consolidar o modelo de mão-de-obra barata, precária e baixo valor acrescentado, que trouxe o País até à crise.

A contra-revolução na legislação laboral e o crescimento da massa dos desempregados, o exército de reserva, só têm um objectivo: baixar o preço da força de trabalho! A variável única de ajustamento dos desequilíbrios económicos do País, para os testamenteiros do pacto.

Este foi e é o caminho do desastre. É uma enorme mentira política, que nem os cânones da economia capitalista consentem, fazê-lo em nome da produtividade e competitividade e do emprego. Nenhuma trabalhadora têxtil, que leva para casa, ao fim de uma vida de trabalho de 35 anos na mesma empresa, o Salário Mínimo Nacional de 485 euros, vai ser agente de mais produtividade. Um colossal embuste, que os dados empíricos pós sucessivas reformas da legislação laboral não consentem como argumento para melhorar a produtividade e combater o desemprego.

Um pacto de agressão e regressão social e civilizacional na restrição e encarecimento do acesso à saúde, ao ensino e aos apoios sociais, visando de facto a destruição do Serviço Nacional de Saúde, da Escola Pública, do Sistema Público de Segurança Social. Um pacto que agravará as desigualdades sociais e as assimetrias regionais.

Um pacto de agressão e regressão na soberania económica do país, com a liquidação do que ainda restava de instrumentos de comando estratégico do Estado em sectores e empresas estratégicas de bens e serviços essenciais. Pela dádiva das golden shares/acções privilegiadas, pela conclusão da privatização/venda a pataco do que restava das posições do Estado.

E tem um grande simbolismo que, em vésperas do 25 de Abril, um Governo que inscreveu no seu programa a reindustrialização do País tenha dado luz verde ao processo de desmantelamento e deslocalização da que é hoje a principal empresa industrial em Portugal: a CIMPOR, uma construção de Abril!

 

Os responsáveis pela catástrofe

 

A crise do capitalismo obriga a classe dominante a redobrados esforços de manipulação para explicar e esconder as causas e os responsáveis pela catástrofe.

Depois da Europa connosco, da adesão à CEE, do euro, sempre apresentados como caminho de sentido único e inelutável e garantia do paraíso na terra, os portugueses não precisavam de se preocupar com essa coisa da produção nacional. (Houve quem teorizasse sobre a desmaterialização da economia - na nova economia, não precisávamos nem de agricultura nem de produzir, ferro, cimento, ácido sulfúrico!) Não precisávamos de nos preocupar com o endividamento externo e o financiamento do Estado. Abrigados sob a asa protectora da União Europeia, do euro, estávamos a salvo das crises monetárias e financeiras. União Europeia que regularmente ia despachando para Portugal uns milhares de milhões de eurosccomo contrapartida à destruição do aparelho produtivo!

É assim que a imposição do pacto de agressão aparece como um absurdo, uma irracionalidade!

Justificações: «Todos somos responsáveis pela situação a que o País chegou».«Vivemos acima das nossas possibilidades». Ou seja, a extraordinária ideia de que todos somos culpados e de que todos comemos mais do que devíamos. Os ricos e os pobres, os que enriqueceram e os que empobreceram e se endividaram. Os desempregados e os que os despediram, os que põem o seu dinheiro nos offshores ou na Holanda para fugir ao fisco. Os grupos monopolistas que centralizaram e concentraram capital, e engordaram nos jogos bolsistas, na especulação financeira, na produção privatizada de bens não transaccionáveis e as pequenas empresas, que faliram ou sobreviveram por recurso ao crédito.

Teses que partilharam o espaço mediático com outras justificações/explicações da crise.

A explicação da crise como catástrofe natural, um tsunami, «naturalizando», neutralizando, as suas causas. A explicação pelas idiossincrasias e natureza do povo português. O trabalhador português, preguiçoso e indisciplinado, precisa do aguilhão patronal e da fome.

Logo facilidades para despedir, menos subsídio de desemprego. O cidadão tem o vício atávico e sadomasoquista de frequentar urgências hospitalares! Logo mais e maiores taxas moderadoras!

A explicação da crise pelas gorduras do Estado, a diabolização do Estado, da despesa pública, do funcionalismo público.

 

Fraude política

 

A crise é uma oportunidade de ouro para os talhantes neoliberais de todos os matizes raparem as gorduras, com muita carne do lombo à mistura. Justificações e explicações que expulsam a política das causas da crise, a identificação e responsabilização dos responsáveis políticos, dos partidos e dos governantes, PS, PSD e CDS, pelo estado a que chegamos.

Justificações e explicações que suportam/desenvolvem as teses da judicialização e criminalização da decisão política. De que os problemas do País decorrem da má qualidade dos políticos e elites políticas. Da (in)competência dos «gestores/decisores» públicos. Da (des)honestidade e da corrupção dos políticos. Não há opções e escolhas políticas e ideológicas. Não há alternativas políticas e políticas alternativas! A política passou a ser uma tecnologia, uma moral, uma engenharia eleitoral.

Não há política. Os partidos seriam mesmo outra coisa, que não a representação política de interesses de classe. E assim se elimina o questionamento das opções políticas estratégicas: integração comunitária, privatizações, o Estado de Abril.

É assim que carregam a crise – a dívida externa, o défice orçamental, a ruína da agricultura e pescas, a falta de médicos, o desastre da justiça, etc. – nas formas orgânicas e eleitorais do sistema político, no regime democrático de Abril. Há quem escreva sobre a «Dívida pública e défice democrático». E assim se esvaem as responsabilidades dos partidos e políticos, PS, PSD e CDS/PP, que governaram e governam o País, e se absolvem as responsabilidades da integração capitalista europeia e do euro. É assim que se faz de uma anónima classe política a culpada única dos nossos problemas, porque assim ninguém é responsável, mesmo os responsáveis!

É assim que se encena uma monstruosa fraude política, fazendo do número de freguesias e concelhos os bodes expiatórios dos desequilíbrios das contas públicas. Do números de feriados a grande causa da falta de produtividade da economia nacional. Do número de deputados a origem do desastre nacional. É assim que todos os problemas do País se resolvem facilmente pela criação dos círculos uninominais, pela redução do número de deputados, pela extinção de freguesias, pelos executivos autárquicos monocolores. Pela mudança dos sistemas eleitorais.

E é assim, pensam alguns, que se vai travar a mentira eleitoral e a duplicidade sistémica e sistemática de partidos e políticos deste e anteriores governos. No governo, o contrário do que se dizia na oposição. Na oposição, o contrário do que se fazia no governo. O que é um cancro na democracia!

Esta ocultação dos partidos e das políticas responsáveis pelo desastre tem outra face e utilidade. A ocultação de quem afirmou no tempo certo, antes da adesão, que o euro não era compatível com a produtividade e a economia nacional. De que o euro representava o financiamento do Estado nas mãos dos mercados financeiros. De quem denunciou as consequências da Política Agrícola Comum e não descobriu agora o abandono das terras e a importância da produção agrícola. De quem denunciou o abate da nossa frota pesqueira e o fim da marinha mercante e não descobriu agora a importância do mar. De quem travou um persistente combate à privatização e desmantelamento de empresas estratégicas e à liquidação de importantes fileiras e unidades industriais, e não descobriu agora que precisamos de industrializar o País. De quem sistematicamente alertou para a gravidade do vultuoso défice comercial e a insustentabilidade do endividamento externo! O Partido Comunista Português.

 

Festa de Abril

 

Permitam que saúde a festa de Abril nesta Assembleia da República, que não poderá deixar de ser, como são hoje as ruas e praças de Portugal, uma casa de Abril. Permitam que alguém que era alferes miliciano, com a emoção que ainda hoje sinto, lembre e saúde o meu Quartel, a Escola Prática de Serviço de Material, a EPSM de Sacavém, os seus soldados, sargentos e capitães, com quem vivi dias memoráveis. E que saudando os militares de Abril, o MFA, o glorioso Movimento das Forças Armadas, lembre por todos, Vasco Gonçalves, que foi soldado, capitão e general deste povo que não o pode esquecer!

Já quase tudo foi dito sobre essa manhã clara e vibrante, quente e luminosa, desse Abril, já tão longe e ainda tão perto, da nossa razão, do nosso sonho, da nossa vida. Dessa manhã amada e armada dos sinos da nossa liberdade colectiva. Dessa alvorada, manhã depois da noite do fascismo. Desse parto e porto de alegria, depois da triste escuridão de opressiva ditadura.

Desse sonho acordado e acendido depois de milhares de dias de medos e tormentos, de dores e sangue, de separação e ausências, desses dias cheios de grades, que era «vestido para todas as idades». Dessa manhã, foz do rio de lutas, de coragens desconhecidas, de mulheres e homens assumidos, de paciências insuspeitas e corrosivo desfilar de desespero, de impotência, do escoar dos dias na desesperança da vil tristeza em que vivia este povo.

Rio tão cheio de sacrifícios, de batalhas perdidas e de pequenos passos na consciência das gentes, tão cheio dos operários, tão cheio dos jovens desta terra aberta ao mar e ao sul. Rio cheio do nosso povo.

Rio que desaguou fraterno, solidário, de grito aberto nas bocas, de lágrimas sentidas nos rostos, de corpos abraçados de alegria, na manhã clara desse Abril, tão nosso e tão de todos, que ainda hoje sentimos o nó na garganta e uma funda turvação na memória. Desse Abril, Maio na rua. Maio da nossa força, bandeira proletária de luta. De trabalhadores, sem outra ambição que o generoso projecto de quebrar as grilhetas seculares da opressão e da exploração. Dos homens por outros homens. Dos povos por outros povos.

E apesar de tudo, o que depois aconteceu, foi assim que avançámos.

Abril, que foi o louvor da política, optou. Decidiu o salário mínimo. Optou pelos direitos dos trabalhadores contra os interesses do capital. Optou pelos que não tinham escola nem saúde. Optou pelos sem terra, contra os que a tinham em demasia. Optou pela paz contra os interesses dos que faziam a guerra. Optou pela liberdade de todos os povos como fundamento da nossa própria liberdade.

E hoje, é o projecto de Abril, os valores de Abril que podem iluminar o caminho a Portugal e aos portugueses. Do passado para o futuro, a liberdade, a democracia, o desenvolvimento, a justiça social, a soberania e a independência nacional!

Um caminho de necessária ruptura e alternativa.


Retomar o caminho da esperança
Que viva Abril!

 

Passados 38 anos sobre o 25 de Abril de 1974, um pouco por todo o País, muitos milhares de portugueses saíram à rua, com a alegria e combatividade, para comemorar a Revolução dos Cravos e exigir a adopção de políticas sociais e económicas, que coloquem, realmente, as riquezas do País ao serviço do bem-estar colectivo, que valorizem o sector produtivo, que sejam capazes de pôr fim ao desemprego, que rompam com a dependência de Portugal em relação ao estrangeiro, que elevem o nível geral das condições de vida e de trabalho.

Em Lisboa, entre o Marquês de Pombal e o Rossio, sob uma intensa chuva, que não desmobilizou uma só pessoa, teve lugar um desfile que ficou marcado pela denúncia das consequências da política de direita praticada à quase 40 anos por PS e PSD, com ou sem o CDS, que degrada as condições de vida e de trabalho, e que hoje atinge uma dimensão nunca antes alcançada.

«A luta por um ensino superior democrático continua», «Não vergamos contra o empobrecimento», «Defender os nossos direitos», «Não à guerra no Médio Oriente», «Pela igualdade e pelos direitos das mulheres», «Contra o encerramento da Maternidade Alfredo da Costa», «Em luta pela ruptura e mudança», «Contra a lei dos despejos», «Em defesa da Cultura», «Não à extinção de freguesias», «A história vai julgar quem Abril vai derrotar», foram algumas das frases de resistência que percorreram a Avenida da Liberdade, sob a palavra de ordem «25 de Abril sempre, fascismo nunca mais», para que se concretizem os legítimos sonhos e anseios do povo e dos trabalhadores.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: