Breves
Tunísia

Protestos populares contra o governo tunisino eclodiram, a semana passada, em Sfax e Sidi Bouzid. Na cidade considerada berço da revolução democrática, a polícia usou balas de borracha e gás lacrimogéneo para reprimir com violência as marchas realizadas durante a tarde/noite em defesa de medidas concretas de combate ao desemprego, os baixos salários, a precariedade e a fome.

Já em Sfax, as autoridades recorreram aos mesmos métodos para dispersar um protesto desencadeado pela falta de água potável na região.

Partidos progressistas e de esquerda, e movimento sindical previam realizar, anteontem, uma grande manifestação nacional de trabalhadores tunisinos.


Japão

O aumento do IVA, proposto pelo governo, foi aprovado sexta-feira pela maioria dos deputados. Esta é a primeira vez em 15 anos que um executivo nipónico agrava o imposto sobre o consumo, passando a taxa de 5 para 8 por cento até 2014, e para 10 por cento em 2015.

O primeiro-ministro Yoshihiko Noda justifica a medida com a necessidade de cobrir o défice das contas públicas, decisão aplaudida, já este mês, pelo Fundo Monetário Internacional.


Peru

A greve no sector da Saúde em defesa de melhores condições salariais e de trabalho vai continuar, garantiu segunda-feira o Sindicato Nacional Médico do Seguro Social, reagindo, assim, à ilegalidade do protesto declarada pelo Ministério do Trabalho.

Cerca de oito mil clínicos vão manter-se em greve até que o governo responda às suas exigências, disse o sindicato, que repudia as ameaças de despedimento e insiste que, ao contrário do ocorrido nos últimos 15 anos, desta vez os profissionais não vão aceitar aumentos fora do salário base.

Entretanto, os enfermeiros do exército e da polícia também aderiram ao protesto.


Israel

Uma idosa imolou-se pelo fogo para expressar a sua indignação para com a miséria imposta ao povo pelos sucessivos governos. A mulher, de 70 anos, é a sexta israelita a cometer no último mês um semelhante acto de desespero. Dois dos cinco casos anteriores foram fatais.