Breves
Desumanos

No 4.º turno da Bosch Car Multimédia os trabalhadores são confrontados com horários desumanos, denunciou a Coordenadora Regional de Braga da Interjovem/CGTP-IN, que manifestou solidariedade para com aqueles operários, na maioria jovens, com vínculos precários, a auferir a retribuição mínima de 504 euros, sem acréscimo pelo trabalho ao fim-de-semana. O turno, de alto risco para a saúde e para a segurança dos trabalhadores, funciona de segunda a quarta-feira entre as 23 e as 6 horas, e aos sábados e domingos entre as 6 e as 15h30. A Interjovem alerta para as pressões da entidade patronal, que força os trabalhadores a não se manifestarem «sobre qualquer assunto» e a abdicarem do direito à sindicalização.


Protesto

A «marcha contra o desemprego, por um Portugal com futuro», que será promovida pela CGTP-IN de 5 a 13 de Outubro, vai contar com a participação do Movimento dos Trabalhadores Desempregados. Esta decisão foi anunciada dia 1, após uma reunião do MTD com o secretário-geral da central. A marcha tem início simultâneo em Braga e Faro e termina em Lisboa, dois dias antes do fim do prazo para o Governo entregar na Assembleia da República o Orçamento do Estado para 2013.

A União de Sindicatos de Coimbra, que vai integrar a «marcha contra o desemprego», salientou que no distrito, segundo dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional, relativos ao mês de Junho de 2012, o flagelo atinge 25 931 trabalhadores, 8920 dos quais só no último ano, o que representa o segundo maior crescimento no País.


Exploração

Numa carta dirigida ao ministro da Economia e do Emprego, a CGTP-IN denuncia a situação ilegítima de exploração, sob a capa da formação e das naturais expectativas dos respectivos formandos, que está a acontecer na Academia APAMM. Esta empresa, de Mem Martins, concelho de Sintra, anunciou um desconto no preço do curso se, após a frequência da acção, os formandos se disponibilizassem a ministrar 100 horas de «formação», que mais não são do que trabalho gratuito.


Impensável

Logo a seguir à época de férias é urgente encontrar formas de luta que levem a que o Governo altere o Decreto-Lei 187/2007, que veio penalizar os motoristas, ainda mais do que todos os trabalhadores, no momento do cálculo da pensão de velhice, cujo valor foi desde então reduzido pela aplicação do chamado factor de sustentabilidade, baseado na esperança média de vida. O alerta foi dado por estruturas da CGTP-IN, num comunicado aos motoristas de veículos pesados de passageiros e mercadorias. Com aquela legislação, os trabalhadores são obrigados a continuar a exercer a profissão para além dos 65 anos, caso não queiram ver reduzida a sua pensão de reforma.

Para os motoristas esta situação é agravada pelo facto de a partir dos 65 anos ficarem sem a carta de condução para veículos pesados, não podendo, por isso, prolongar a sua vida activa, esclarecem a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações, o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local e o Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa. A alteração deste decreto-lei, que exigem, foi já defendida pelo Provedor da Justiça, assim como pelo PCP que entregou um projecto-lei para ir ao encontro das reivindicações dos motoristas.


Acordo

A greve dos cerca de 50 trabalhadores da Transmaçor, entre 6 e 9 de Agosto, foi desconvocada no dia 3 depois do Sindicato dos Trabalhadores da Marinha Mercante, Transitórios e Pescas e a administração da empresa terem chegado a acordo relativamente à integração dos trabalhadores no regime de excepção das empresas públicas. Os trabalhadores estavam a ser penalizados em termos de vencimento e de horas extraordinárias por integrarem uma empresa de capitais públicos.


Mau resultado

O «cartão de refeição», proposto pela administração do CTT, não é bom para os trabalhadores, uma vez que estes têm direito a um subsídio diário de refeição. A alteração deste direito, consagrado no Acordo de Empresa, terá sempre que ser negociada com os sindicatos, defende o SNTCT/CGTP-IN.


<i>Boulangerie</i>

Sem pagar os salários de Julho nem o subsídio de férias, o patrão das três pastelarias Boulangerie, no Porto, comunicou a 26 de Julho, aos cerca de 30 trabalhadores, que os estabelecimentos encerravam para férias até final de Agosto, o que nunca sucedeu em anos anteriores. Francisco Figueiredo, dirigente do Sindicato da Hotelaria e Similares do Norte, que acompanhou os trabalhadores concentrados desde o dia seguinte, frente à sede da empresa, na Rua Gonçalo Sampaio, admitiu à agência Lusa que se possa tratar de uma forma de tentar escapar à acusação de encerramento ilícito e relatou que, depois de mudar as fechaduras, para impedir o acesso dos trabalhadores, e de ter chamado por duas vezes a Polícia, o patrão foi visto a sair com malas e pastas, suscitando a suspeição de que terá fugido para França, o seu país de origem.


Bingo do Zoo

Contra o despedimento colectivo de 38 pessoas e o fecho do estabelecimento, os trabalhadores do bingo do Jardim Zoológico de Lisboa concentraram-se, a 30 de Julho, na entrada principal do Zoo, em Sete Rios. Rodolfo Caseiro, dirigente do Sindicato da Hotelaria e Similares do Sul, citado pela Lusa, salientou que o bingo teve, no ano passado, mais de 2,5 milhões de euros de receita e dava lucro, pelo que a administração poderia ter encontrado outras alternativas, em vez de se desfazer dos trabalhadores, muitos dos quais estão na casa há mais de 20 anos.


<i>Grandupla</i>

Um novo bloqueio da entrada e saída de veículos, na empresa de plásticos Grandupla, na Marinha Grande, contra o despedimento de cerca de 40 trabalhadores, no final de Junho, ocorreu na manhã de 30 de Julho, noticiou a Lusa. Um dirigente do SITE Centro-Sul e Regiões Autónomas, da Fiequimetal/CGTP-IN, explicou que no dia 18 tinha dado entrada um processo de insolvência, de iniciativa dos credores, adiantando que só aos trabalhadores são devidos mais de 500 mil euros. Outras manifestações semelhantes tinham já ocorrido a 2 e a 10 de Julho.


Férias

A Euromex recuou na decisão de alterar unilateralmente o plano de férias, depois de os trabalhadores e o STAD/CGTP-IN terem convocado uma greve de 24 horas para dia 10 de Agosto, que deixaria sem limpeza os autocarros da STCP, no Porto. Os mapas de férias estão legalmente afixado desde Abril, mas a administração decidiu, em Junho, que as férias marcadas para Julho, Agosto e Setembro seriam gozadas somente em Outubro. Um dirigente do sindicato explicou à Lusa que a greve foi suspensa, depois de a empresa ter decidido alargar o número de trabalhadores em férias nos meses de Agosto e Setembro e ter aceitado negociar aumentos salariais.


Infantário

Garantir a reabertura do Infantário da Cruz de Pau, em Matosinhos, após as férias de Agosto, foi o objectivo da vigília realizada frente às instalações daquela instituição, na noite de 10 de Agosto, com o apoio do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde, Solidariedade e Segurança Social, que desde o final de Julho tem organizado a luta dos cerca de 20 funcionários. Como explicou à Lusa um dirigente do sindicato, estão por pagar os salários de Julho, uma parte dos de Abril e os subsídios de Natal e de férias, havendo dívidas a outras entidades. No dia 1, sindicato e trabalhadores tinham ido ao Centro Regional de Segurança Social, no Porto, exigir uma inspecção às contas da instituição e garantias quanto ao futuro. Para a vigília de dia 10 foi feito apelo à participação da população, salientando a importância social do infantário.


<i>Centralcer</i>

Um despedimento colectivo de cinco trabalhadores foi desencadeado a 19 de Julho pela Sociedade Central de Cervejas, revelou na semana seguinte o Sintab/CGTP-IN. Em nota à imprensa, o sindicato precisou que este processo se iniciou durante o mês de Junho, resultando no despedimento «por mútuo acordo» de 26 trabalhadores, que «cederam à pressão exercida pela empresa, sob a ameaça de terem um fim semelhante ao que decorre».