Prosseguem em muitas empresas as greves ao trabalho extra
Anunciadas greves e manifestações
Em Setembro cresce a luta

Greves na Galp Energia e no Grupo Barraqueiro, a recusa de trabalho suplementar no caminho-de-ferro e outros sectores, e concentrações da Administração Pública destacam-se na agenda de lutas das próximas semanas.

Image 11286

Mantêm-se em vigor, em diversas empresas e sectores, pré-avisos que dão cobertura legal à recusa de trabalho suplementar com valor substancialmente reduzido.

Nas transportadoras públicas, onde o roubo de salários e o ataque aos direitos e ao emprego se acentuara já com o Orçamento do Estado e o «plano estratégico de transportes», uma reunião de representantes iria ontem analisar o prosseguimento da luta. Foram anunciadas greves no sector portuário, entre os dias 17 e 24, na Rodoviária de Lisboa (dia 17), na Rodoviária do Alentejo e na Trevo (dia 19). Contra a privatização e em defesa de melhores transportes públicos, está convocada uma manifestação em Aveiro, para dia 12.

Na Petrogal, na Lisboagás e noutras empresas do Grupo Galp Energia foi convocada uma greve de três dias, de 17 a 19 de Setembro, com o objectivo de manter todos os direitos, melhorar os salários e exigir o cumprimento da contratação colectiva. A decisão, informou a Fiequimetal/CGTP-IN, foi aprovada pelos trabalhadores em plenários muito participados, onde foi clara a rejeição do aumento da duração do tempo de trabalho; da diminuição do valor do trabalho; da eliminação dos descansos compensatórios, de dias feriados e dias de férias; do aumento da comparticipação dos trabalhadores no seguro de saúde.

Na proposta reivindicativa da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, aprovada anteontem, exige-se uma actualização salarial de 47 euros, em 2013, sem abdicar da reposição da parte dos salários roubada em 2011 e 2012, bem como dos subsídios de férias e de Natal deste ano. A cimeira de sindicatos exigiu a revogação da legislação laboral que visa retirar direitos, embaratecer o trabalho e abrir a porta aos despedimentos nos vários sectores do Estado, e apelou à não aprovação da Proposta de Lei 81/XII, em apreciação pública até dia 15. Foi decidido realizar uma concentração no dia 14, junto à Assembleia da República, para entrega do parecer da Frente Comum sobre este diploma. No dia 17 vai realizar-se outra concentração, junto à presidência do Conselho de Ministros.

As linhas da política reivindicativa da CGTP-IN devem ser aprovadas na reunião de hoje, do Conselho Nacional da central. Está anunciado para dia 15 um encontro nacional, sobre acção reivindicativa.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: