Breves
Grécia paralisa dia 26

As principais centrais sindicais gregas convocaram para a quarta-feira da próxima semana uma greve geral nos sectores público e privado. A jornada visa contestar as novas medidas de austeridade e a ofensiva sem precedentes contra os direitos laborais e o poder de compra do povo.

A central sindical GSEE condena «as políticas de empobrecimento que levaram a um aumento dramático do desemprego e arrastaram a economia grega para um beco sem saída».


Suécia baixa impostos às empresas

O governo sueco anunciou, dia 13, uma redução da taxa sobre os lucros das empresas dos actuais 26,3 por cento para 22 por cento. A medida, que implica uma perda de receitas para o Estado de 16 mil milhões de coroas (1,88 mil milhões de euros), destina-se alegadamente a compensar as empresas pela quebra das exportações.


Dívida alemã atingirá 83 por cento do PIB

A dívida pública alemã atingirá este ano os 2,2 biliões de euros (milhões de milhões), chegando aos 83 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), segundo previsões do Instituto de Economia Mundial (IfW), com sede em Kiel, que reduziu as perspectivas de crescimento da maior economia europeia para apenas 0,8 por cento em 2012. A mesma entidade reviu em baixa a previsão de crescimento para 2013, que passou de 1,7 por cento para 1,1 por cento.

Em 2011, a dívida pública alemã agravou-se em 0,7 por cento para 2,025 biliões de euros, fixando-se em 81,2 por cento do PIB.


Liberais vencem na Holanda

Os liberais holandeses, no poder, venceram nas legislativas realizadas dia 12, elegendo 41 deputados dos 150 (contra 31 em 2010). Em segundo lugar ficaram os trabalhistas de Diederik Samson com 39 deputados (contra 30 em 2010). O partido de extrema-direita de Geert Wilders caiu para 15 deputados, perdendo nove dos lugares obtidos há dois anos.

O primeiro-ministro cessante, Mark Rutte, anunciou a disposição de formar um governo de coligação.