PCP exige que Governo condene as criminosas acções de Israel
PCP solidário com o povo palestiniano
Direito a erguer um Estado

Os direitos nacionais dos palestinianos são inalienáveis, considera o PCP, que reafirma «a sua solidariedade de sempre para com o povo e para com a sua luta», e apela ao reforço, no nosso País, das acções concretas nesse sentido.

Image 12127

Em nota divulgada pelo Gabinete de Imprensa por ocasião da visita a Portugal do Presidente da Organização de Libertação da Palestina e da Autoridade Nacional Palestiniana, realizada «na sequência da expressiva votação da Assembleia Geral da ONU que, no passado dia 29 de Novembro, decidiu atribuir à Palestina o estatuto de Estado não membro», o Partido aproveitou para saudar «a decisão da ONU e registar o voto do Estado português».

«Tal decisão apenas pode ser vista como um passo na direcção da criação efectiva de um Estado Palestino de acordo com as deliberações da ONU de há 65 anos, nunca concretizadas e do seu pleno e incondicional reconhecimento, em pé de igualdade com os restantes estados membros, na Organização das Nações Unidas», considera o PCP, para quem são inalienáveis os «direitos nacionais e pela criação do Estado da Palestina nos territórios ocupados em 1967, com capital em Jerusalém Leste e assegurando o direito de regresso dos refugiados».

«Porque a política de ocupação, segregação e agressão contra o povo da Palestina é o maior obstáculo à edificação do Estado da Palestina, o PCP reafirma o seu repúdio pelo mais recente massacre cometido por Israel contra a população da Faixa de Gaza. Repudia e condena igualmente a recente decisão do governo de Israel de construir novos colonatos ilegais nos arredores de Jerusalém Leste, decisão essa que visa criar factos consumados que inviabilizem um Estado Palestino em território da Palestina», acrescenta o Partido, antes de apelar «ao prosseguimento e reforço, no nosso País, das acções de solidariedade com a luta do povo palestino», e exortar o «Governo português a assumir, em linha com a posição de Portugal agora registada na Organização das Nações Unidas, uma clara condenação das ilegais e criminosas acções do Estado e do exército israelitas, e o inequívoco apoio aos direitos nacionais do povo palestino, de acordo com o texto e o espírito da Constituição da República e as relevantes Resoluções das Nações Unidas que os reconhecem e defendem».



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: