Aconteu
Novas regras excluem 66 mil do RSI

Image 12948

Nos últimos oito meses, desde a entrada em vigor das novas regras de atribuição de prestações sociais, quase 66 mil pessoas perderam o Rendimento Social de Inserção, uma média de 8230 por mês.

De acordo com os dados do Instituto de Segurança Social, em Fevereiro havia 273 378 beneficiários do RSI, menos 8520 pessoas do que em Janeiro (281 898) e menos 8546 do que em Dezembro (281 924) de 2012.

Quando as novas regras entraram em vigor, a 1 de Julho do ano passado, havia um total de 339 222 beneficiários do RSI, número que caiu 19,4 por cento em apenas oito meses.

Também o valor médio recebido em Fevereiro por cada beneficiário caiu para 81,16 euros, ou seja, uma perda de 3,78 euros em relação ao mês de Janeiro, e de 11,11 euros em relação ao mês de Junho de 2012, quando o valor médio era de 92,27 euros.

Por sua vez, o valor médio recebido por agregado familiar baixou no mesmo período de 247,43 euros para 203,45, menos 43,98 euros.


ANAFRE alerta para boicotes nas autárquicas

Image 12947

O presidente da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), Armando Vieira, avisou que as autárquicas marcadas para Outubro vão ser «um processo agitado», devido à reforma administrativa.

«Somos pela legalidade democrática, mas sabemos que vai haver muitos boicotes locais às eleições autárquicas e isso vai prejudicar claramente os partidos que estiveram na génese desta lei», disse o dirigente durante o II Seminário sobre Democracia Local, realizado, dia 6, em Mirandela.

Armando Vieira alertou ainda para «o vazio legal que vai acontecer no dia seguinte às eleições porque vai haver um período de transição em que as freguesias não têm existência legal».

O presidente da ANAFRE reiterou a oposição ao modelo de reforma das freguesias, lembrando que «as freguesias não contribuem em nada para a emergência financeira que o País vive, pesam 0,1 por cento no Orçamento do Estado e temos uma relação custo benefício imbatível».


Museu Júlio Pomar inaugurado em Lisboa

O Atelier-Museu Júlio Pomar foi inaugurado, dia 5, em Lisboa, com uma exposição de 100 obras que percorrem as várias fases da obra do artista plástico, hoje com 87 anos.

O novo espaço, situado num antigo armazém do século XVII, próximo da Igreja de Nossa Senhora de Jesus, às Mercês, foi criado pelo município segundo um projecto de recuperação da autoria do arquitecto Álvaro Siza Vieira.

O museu, criado por iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa e da Fundação Júlio Pomar, possui um acervo de 400 obras, doadas pelo artista, que incluem pintura, escultura, desenho, gravura, cerâmica, colagens e assemblage.


Farmácias abrem falência

Dez por cento do total de farmácias em Portugal estavam com acções de insolvência e penhora, entre o final de 2012 e o termo do primeiro trimestre de 2013, segundo revelou, a 31 de Março, a Associação Nacional de Farmácias (ANF).

Em comunicado, a ANF especifica que havia 279 farmácias nesta situação, das quais 78 com processos de insolvência (um aumento de 21,9 por cento em relação a Dezembro de 2012), e 201 com processos de penhora (um acréscimo de 14,2 por cento).

A Associação admite que 600 farmácias possam encerrar até ao final do ano e aponta como causa «o forte aumento na dificuldade de acesso da população aos medicamentos, o que constitui um verdadeiro problema de saúde pública».

«Apenas nos três primeiros meses de 2013 o mercado reduziu-se 11,9 por cento (menos 88,4 milhões de euros) e a despesa do Serviço Nacional de Saúde no ambulatório diminuiu 14,7 por cento (menos 47,0 milhões de euros)», lê-se no comunicado.


EDP paga três milhões a Mexia

O presidente executivo da EDP, António Mexia, recebeu um total de 3,1 milhões de euros em 2012, entre remunerações e prémios.

Segundo o relatório e contas anual da EDP enviado à Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM), a eléctrica dá conta de que a remuneração fixa de António Mexia foi de 714 572 euros em 2012: 99 571 euros até 20 de Fevereiro, e cerca de 615 mil euros a partir dessa data.

Mexia recebeu ainda 480 mil euros no ano passado em remuneração variável anual, relativa a prémios em função do desempenho da empresa, bem como mais 1,9 milhões de euros resultantes da atribuição de um prémio plurianual inerente ao mandato de 2009-2011.

No exercício de 2012, a empresa pagou cerca de 18 milhões de euros aos membros dos órgãos de administração e fiscalização, tendo fechado o ano com lucros de 1012 milhões de euros, menos 10 dez por cento face a 2011.



Resumo da Semana
Frases