«O maior número de candidaturas da CDU traduz o crescente enraizamento, implantação e influência política e social do PCP e dos seus aliados»
CDU apresenta um maior número de candidaturas
em todo o território nacional
Força mobilizadora na qual o povo confia

Amplamente reconhecida pelo trabalho, honestidade e competência, a CDU apresenta às próximas eleições autárquicas um maior número de listas em todo o território nacional comparando com 2009, factor que, a par da obra ímpar realizada, da coerência do seu projecto político e da intensa campanha de esclarecimento e de massas que promove, consolida a CDU como a força mobilizadora na qual o povo pode confiar.

Segundo os dados preliminares apurados na fase final da entrega das candidaturas (o balanço nacional definitivo será apresentado ainda durante o mês de Agosto numa iniciativa da Coordenadora da CDU), é possível afirmar que a CDU parte para a batalha eleitoral autárquica reforçada. No próximo dia 29 de Setembro, a Coligação PCP-PEV concorre a todos os órgãos municipais do continente e da Região Autónoma da Madeira, e a 11 concelhos da Região Autónoma dos Açores, num total de 301, revelou Jorge Cordeiro, do Secretariado do Comité Central, em conversa com o Avante!.

Ao nível das freguesias, e considerando o número daquelas unidades administrativas antes da extinção de mais de um milhar de freguesias imposta pelo Governo PSD/CDS, os números provisórios indicam, igualmente, uma presença alargada da CDU em todo o território nacional, candidatando-se a cerca 2400 assembleias, isto é, a mais 140 freguesias, adiantou.

Para o responsável autárquico do Partido, tal confirma «o crescente enraizamento, implantação e influência social e política do PCP e dos seus aliados». O facto é tanto mais notável quanto se sabe que o colectivo comunista, o Partido Ecologista «Os Verdes» e a Intervenção Democrática, bem como milhares e milhares de independentes que na CDU desenvolvem actividade, não esgotam a sua intervenção no terreno eleitoral.

Enquanto preparavam as candidaturas, os militantes comunistas, os ecologistas, os homens e mulheres sem partido que integram a CDU, imbuídos de profundos valores progressistas, democráticos, patrióticos e de esquerda, promoveram a luta nos planos institucional e de massas, expressando na prática uma consciência política e social e uma dinâmica transformadora sem paralelo.

O nosso povo sabe e reconhece que encontra nos eleitos da CDU, nos seus candidatos e activistas, a força, o entusiasmo e a determinação para reivindicar, resistir e lutar contra a política de direita agravada pelo Pacto de Agressão e as suas consequências nos planos nacional e local. Acção quotidiana e concreta com a qual as populações contam e que ficou patente nos protestos contra a degradação generalizada das condições de vida e o empobrecimento, na luta contra a destruição e desmantelamento de serviços públicos – encerramento de unidades e valências de saúde, alteração para pior de carreiras e transportes e introdução de tarifas e portagens, encerramento de postos dos CTT e de dependências da administração central, etc. -, e na defesa das freguesias, alvo recente da ofensiva governamental.

«Os eleitos da CDU foram os que mais solidamente estiveram ao lado das populações na defesa das freguesias, os que sempre estiveram ao seu lado na acção em defesa dos serviços locais, dos trabalhadores e da identidade das freguesias. Esse é um elemento que deve pesar na hora de votar, tanto mais que só a CDU se compromete claramente a manter, e até a reforçar, os serviços e funcionários das juntas tal qual existiam antes da sanha destrutiva imposta pelo executivo Passos/Portas, e inscrita no memorando subscrito com a troika pelo PSD, CDS e PS», sublinhou Jorge Cordeiro.

Marcas distintivas

As candidaturas preconizadas pelo PCP-PEV distinguem-se, também, por preconizarem uma forma de envolvimento político que recusa benefícios ou prejuízos para quem assume a responsabilidade de representar e trabalhar nas autarquias em prol do bem-estar e do desenvolvimento, componente substantiva da CDU face a outras forças políticas.

Elemento diferenciador que emerge dos dados provisórios disponíveis, é, ainda, a «participação e convergência de dezenas de milhares de independentes vinculados a um projecto autárquico de conteúdo progressista, salientou Jorge Cordeiro.

«Fala-se muito em listas de cidadãos, em candidaturas independentes, mas o que observamos nas cerca de 80 candidaturas apresentadas nesses moldes, é, na esmagadora maioria dos casos, uma falsa independência. Para lá das aparências, na maior parte dos casos as chamadas candidaturas independentes estão associadas a projectos pessoais ou de grupo, com evidentes vínculos partidários e, sobretudo, mantendo fidelidade a fortes interesses económicos.

«É na CDU que melhor e mais consequentemente se expressa o envolvimento unitário, e é na CDU que o povo encontra espaço para expressar a vontade de derrotar o Pacto de Agressão e este Governo, e afirmar a exigência de uma política alternativa, patriótica e de esquerda», concluiu.


_________________________________________________________________________________________________________

«A batalha eleitoral autárquica constituirá um momento e uma oportunidade para uma clara condenação da política de direita. Todos aqueles que, ao longo dos últimos anos, se opuseram à destruição de direitos, lutaram contra as crescentes injustiças, contra o roubo nos salários, pensões ou reformas, têm agora um momento para, dando mais força ao PCP e à CDU, contribuir da forma mais consequente para a aceleração da derrota deste Governo e da política de direita, reforçando desse modo a força portadora de uma real política alternativa para o país».

Comunicado do Comité Central do PCP
30 de Junho e 1 de Julho de 2013

 

«A situação do País dá ainda mais destaque à importância do reforço do PCP e da CDU, das suas características de trabalho, honestidade e competência. Características importantes no plano do poder local e a todos os níveis da acção e responsabilidade política. O País precisa do PCP e dos seus aliados na CDU, dos seus valores, da sua política, do seu projecto. Face ao espectáculo degradante da política de direita e dos seus executantes ainda mais se afirma a diferença do PCP e dos seus aliados na CDU, e do seu compromisso de sempre com os trabalhadores e o povo.»

Comunicado da Comissão Política do PCP
27 de Julho de 2013

 

«A Coligação Democrática Unitária – CDU, pelo seu trabalho e reconhecido património de obras e realizações – assume-se como uma grande força política nacional nas autarquias, indissociavelmente ligada à construção do poder local, à sua afirmação como espaço de resolução de problemas e de intervenção a favor do desenvolvimento e bem-estar das populações.

Com inteira verdade se pode afirmar que o poder local – enquanto conquista de Abril, espaço de realização e luta pela melhoria das condições de vida, factor de participação e mobilização cívica de milhares de cidadãos – é inseparável do trabalho e contribuição dada por milhares de activistas da CDU ao longo de sucessivos mandatos.»

   

Declaração da Comissão Coordenadora da CDU
Março de 2013

_________________________________________________________________________________________________________



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: