Breves
Madrid extingue organismos

O governo espanhol anunciou que vai intervir em 67 organismos públicos com vista a extinguir 53, mediante processos de fusão, dissolução ou liquidação.

A medida apresentada, dia 20, pela vice-presidente do Governo, Soraya Sáenz de Santamaría, permitirá uma poupança de 33,5 milhões de euros, e insere-se num vasto pacote de redução da administração pública.

A governante adiantou que os trabalhadores atingidos irão preencher vagas em vários ministérios, onde desde há dois anos os quadros de pessoal não são completados. 


Malparado histórico em Espanha

O crédito malparado em Espanha atingiu os 11,97 por cento em Julho, o nível mais alto desde que há registo destes dados.

Segundo informou, dia 18, o Banco de Espanha, o crédito hipotecário de cobrança duvidosa é já de 5,16 por cento, enquanto o do sector dos promotores imobiliários ultrapassou os 31 por cento.

Em termos globais, os empréstimos em incumprimento representam 178 663 milhões de euros, ou seja, um aumento de 5340 milhões de euros num ano. A carteira de crédito de todas as entidades financeiras ascendeu, em Julho, a quase 1,5 biliões de euros.


Escoceses pela independência

Milhares de pessoas manifestaram-se, no sábado, 21, em Edimburgo, a favor da independência do território, que será submetida a referendo dentro de um ano.

Alex Salmond, líder do governo escocês e dirigente do partido nacionalista (SNP), favorável à independência, afirmou que o referendo de 18 de Setembro de 2014 representa «a oportunidade de uma vida».

«Somos uma geração de sorte. Para mudar a nossa comunidade para melhor, só temos que dizer uma palavra: sim».

Todavia, as sondagens indicam que apenas um terço dos 5,3 milhões de escoceses pretende votar a favor da independência.

Os partidários do «não» preferem que a Escócia continue a integrar o Reino Unido, que inclui ainda a Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte.