O imenso adeus reveste-se de carácter festivo
Milhões despedem-se de Nelson Mandela
Celebração da vida <br> luta e legado

O mundo despede-se de Nelson Mandela, o Tata (pai) Madiba (nome do clã), obreiro mais destacado da luta de um povo e da construção de uma nação livre e democrática, falecido a 5 de Dezembro, aos 95 anos.

Image 14686

No Estádio Cidade do Futebol, em Joanesburgo, dezenas de milhares de sul-africanos participaram, anteontem, no arranque das cerimónias fúnebres daquele que consideram o pai da «nação arco-íris». Presentes estiveram, também, segundo o governo da África do Sul, cerca de uma centena de chefes de Estado e de governo, tornando este o maior tributo de Estado da história.

Milhares e milhares de pessoas reuniram-se, ao mesmo tempo, em três outros estádios, em torno dos mais de 100 ecrãs gigantes instalados pelas autoridades em locais públicos em todo o país, nos bairros, e em particular junto à casa onde Mandela faleceu, em Joanesburgo, ou na habitação que foi a sua no Soweto.

O imenso adeus reveste-se de carácter festivo. Assim tem sido desde que o presidente sul-africano, Jacob Zuma, anunciou ao mundo o desaparecimento do primeiro presidente negro da República da África do Sul, faz hoje uma semana. Para o povo sul-africano a ocasião é de celebração da vida, da luta e do legado de Nelson Mandela. Fazem-no com cânticos e danças jovens e idosos de diversos estratos, gente que percorre quilómetros para render a derradeira homenagem ao homem e ao seu percurso sofrido, mas sustentado na confiança e tenacidade revolucionária. Caminho por fim vitorioso que uniu os sul-africanos de diferentes origens e credos, e para além destes; que derrotou com a força da razão o apartheid e com a tolerância o sedimento do ódio que ameaçava o país novo que nascia, abrindo, dessa forma, possibilidade à construção de uma nação democrática e soberana, próspera e cujo propósito queria que fosse combater a miséria, as injustiças e desigualdades sociais.

Depois do último adeus em Joanesburgo, Mandela vai estar em câmara ardente durante três dias na capital, Pretória. Domingo, em Qunu, na província do Cabo Oriental, o corpo é depositado numa sepultura modesta. Ali ficarão os restos mortais do sul-africano com ascendência de líderes tribais Xhosa, que combateu sob todas as formas que considerou necessárias, que tudo fez para viver como pensava e recusou salamaleques laudatórios, destacando ter sido um entre gigantes como Oliver Tambo, Walter Sisulu, Albert Luthuli, Joe Slovo ou Chris Hani, elevando-se, assim, ao nível dos grandes líderes populares da humanidade.


PCP destaca exemplo


Reagindo à morte de Nelson Mandela, o Secretário-geral do PCP destacou o incansável lutador pela liberdade e pela democracia que permitiu ao povo sul-africano construir o seu devir colectivo. Nos Passos Perdidos do Parlamento, na sexta-feira, 6, antes da Assembleia da Republica aprovar um voto de pesar (ver página 18), Jerónimo de Sousa lembrou igualmente o homem que assumiu o amor ao seu povo e manifestou-se convicto de que esse mesmo povo seguirá o seu exemplo e a sua luta.

No mesmo dia, o Secretariado do Comité Central do Partido emitiu uma nota na qual «expressa o profundo pesar pelo falecimento de Nelson Mandela, transmite ao povo sul-africano e às forças progressistas e revolucionárias da África do Sul as suas mais sentidas condolências» e «reafirma a sua solidariedade de sempre ao Congresso Nacional Africano (ANC), ao Partido Comunista da África do Sul (SACP) e ao Congresso dos Sindicatos da África do Sul (COSATU) – forças da Aliança Tripartida –, com a confiança de que, através da sua unidade e determinação, construirão os caminhos para a concretização do programa de profundas transformações que, dando solução aos complexos problemas com que se confronta a África do Sul, responda aos anseios do seu povo».

«Nelson Mandela desde muito cedo se identificou com as aspirações de liberdade e justiça do seu povo, dedicando a sua vida à luta contra o regime explorador e opressor do apartheid na África do Sul. Participou desde 1942 no Congresso Nacional Africano, e foi fundador, em 1944, com Walter Sisulu e Oliver Tambo, da sua Liga Juvenil. Na sequência do massacre de Sharpeville, perpetrado pela polícia sul-africana, e da ilegalização do ANC, em 1960, Nelson Mandela conduziu a luta armada do ANC contra o apartheid», sublinha o PCP. «Em 1962, Nelson Mandela foi preso, vindo a ser condenado a prisão perpétua. Em 1985 foi-lhe negada a liberdade condicional por se recusar a renegar a luta armada do seu povo contra o apartheid. Após 28 anos na prisão, em 1990, culminando a heróica luta do povo sul-africano e uma campanha de solidariedade e de exigência da sua libertação desenvolvida ao nível mundial pelas forças progressistas, Nelson Mandela viria a ser libertado, tomando o seu lugar na direcção do processo que conduziria ao fim do hediondo regime de apartheid. Em 1991, seria eleito Presidente do ANC, substituindo Oliver Tambo, e em Abril de 1994 foi eleito Presidente da República da África do Sul, tendo exercido esta função até 1999», recorda ainda o texto.

«Nelson Mandela permaneceu até 2008 integrado na lista das personalidades consideradas terroristas pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos da América», acrescenta-se, antes de se realçar que «o falecimento de Nelson Mandela é uma enorme tristeza para todos aqueles que no Mundo consideram a sua vida um elevado exemplo de coragem, de dignidade e de total entrega à causa da liberdade, da justiça e do progresso social».

No documento, o Secretariado do CC do PCP salienta, igualmente, que «a Revolução portuguesa – a Revolução de Abril –, nos seus dois anos de existência, pondo fim ao regime fascista e colonialista português e solidária com a luta de libertação nacional dos povos africanos, contribuiu para o isolamento do apartheid e do colonialismo na África Austral e apoiou, com os Países da Linha da Frente, a luta do povo sul-africano pela liberdade».


Momentos marcantes


  • Nasceu a 18 de Julho de 1918 em Mvezo, no Cabo Oriental, de onde foi levado para a vizinha aldeia de Qunu, quando o seu pai, um chefe tribal Xhosa, foi expulso pelas autoridades coloniais.

  • Em 1939 inicia os estudos de Direito na Universidade de Fort Hare, reservada a não-brancos. Ali conhece Olivier Tambo com quem abre o primeiro escritório de advogados negros do país e com quem adere ao ANC. Pratica boxe.

  • Em 1948 o apartheid é instituído pelo Partido Nacional, que advoga a superioridade branca e a segregação de 4/5 da população, enviada para bantustões.

  • Em 1952 Nelson Mandela lidera em nome do ANC a campanha de desobediência civil, que defende como primeira opção junto com Tambo, Walter Sisulo e outros enérgicos dirigentes.

  • O regime ilegaliza o ANC em 1960. Mandela funda e dirige o MK, braço armado da luta pela democracia e a liberdade. Treina e estuda na Argélia, primeiro país que visitará após a sua libertação.

  • A 5 de Agosto de 1962, após 17 meses de clandestinidade, Mandela é preso numa operação que contou com a colaboração da CIA. Menos de um ano mais tarde, é capturado o restante núcleo da direcção do MK. Em 1963 inicia-se o julgamento de Rivonia que os acusa de conspiração e colaboração com o Partido Comunista. Em Julho de 1964 são todos condenados a cadeia perpétua e enviados para a ilha de Robben, onde passariam 18 anos. Mandela é o preso 466/44, cumpre trabalhos forçados que lhe degradam a saúde, mas aproveita para estudar.

  • Em 1971, a Assembleia Geral das Nações Unidas condena o apartheid e exige a libertação de Mandela e dos restantes presos políticos. Em 1987, duas votações semelhantes nas Nações Unidas serão aprovadas. Numa delas, votam contra os EUA de Reagan, a Grã-Bretanha de Tatcher, e Portugal de Cavaco Silva, que hoje justifica a posição assumida pela recusa da luta armada. França, EUA e Grã-Bretanha são os sustentáculos do regime sul-africano e assim se manterão mesmo depois da ONU decretar um embargo à exportação de armas para o país, em 1976.

  • Em 1982, Mandela é transferido para a prisão de Pollsmoor juntamente com outros altos dirigentes do ANC. Três anos mais tarde, o presidente Pieter W. Botha propõe-lhe a liberdade caso renuncie à luta. Mandela recusa. A repressão recrudesce no Soweto e o regime cria esquadrões da morte para liquidar militantes no país e no estrangeiro.

  • Um concerto a favor da libertação de Nelson Mandela é realizado em Wembley, em 1988, por ocasião dos seus 70 anos. Nesse ano, as forças armadas angolanas, cubanas e da namibiana SWAPO derrotam, em Cuito Cuanavale, no Sul de Angola, o exército sul-africano e a UNITA, abrindo caminho à libertação da Namíbia e acelerando a derrota do regime de apartheid; obrigando-o a negociar, a legalizar o ANC e a libertar, a 11 de Fevereiro de 1990, Nelson Mandela.

  • Em 1993, Mandela recebe o Nobel da Paz em conjunto com o então presidente sul-africano Frederik De Klerk (último chefe de Estado da África do Sul segregacionista, promotor da abolição do apartheid apesar da sabotagem e da violência dos sectores mais reaccionários, que ameaçaram mergulhar o país numa guerra civil).

  • Em 27 de Abril de 1994, no primeiro escrutínio democrático e multiracial da África do Sul, Mandela é eleito presidente com mais de 60 por cento dos votos. Lidera o Governo até 1999, promove a reconciliação nacional e a reparação das vítimas. Retira-se da vida pública em 2004 com um sugestivo: «Não me telefonem. Eu telefono-vos».



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: