Breves
MATOSINHOS
Defender a EMEF

O temporal que recentemente se abateu sobre a costa portuguesa causou avultados prejuízos nas oficinas da EMEF de Guifões, em Matosinhos, fruto dos ventos fortes e da queda de granizo. Em consequência do mau tempo, a cobertura ficou praticamente destruída, o que levou a que trabalhadores, máquinas e equipamentos tenham ficado expostos à chuva, encontrando-se a laboração seriamente comprometida até que se procedam às reparações necessárias. Num comunicado da Organização do Sector Ferroviário do Porto do PCP, de dia 7, expressa-se a preocupação dos comunistas com esta situação, devido à importância estratégica que esta empresa do sector empresarial do Estado tem na região. A manutenção da frota do Metro do Porto, por exemplo, é realizada pela EMEF precisamente nas instalações que se encontram agora danificadas. O PCP já solicitou à administração da EMEF uma reunião e uma visita às instalações. 


LISBOA
Hospitais em risco

A célula do PCP no Centro Hospital de Lisboa Centro discorda de algumas das medidas que estão a ser implementadas nos diferentes hospitais no âmbito da reestruturação do Centro Hospitalar (CHLC), considerando que elas visam a redução de capacidades e a destruição da oferta de serviço público. Para a célula, o encerramento do serviço de Ortopedia do Hospital de São Lázaro, e a consequente transferência para o Curry Cabral, vai fragmentar o serviço. Já o encerramento do Bloco Operatório, nomeadamente as duas melhores salas dos hospitais de S. José e de Santo António dos Capuchos, há pouco tempo totalmente renovadas, é «escandaloso». Com esta medida, centenas de doentes ficam sujeitos a tempos de espera inaceitáveis, levando a que muitos deles sejam transferidos para instituições privadas. O PCP afirma-se disponível para lutar em defesa do serviço público. 


CASTELO DE PAIVA
Lembrar Álvaro Cunhal

No dia 3, foi inaugurada em Castelo de Paiva a exposição evocativa do centenário do nascimento de Álvaro Cunhal, numa sessão realizada no Centro de Interpretação Local, onde se encontra patente até ao dia 15. Na ocasião, Manuel Viegas, da Direcção da Organização Regional de Aveiro do PCP, enquadrou esta iniciativa no programa muito vasto e diversificado das comemorações do centenário, que decorreram durante todo o ano passado, e destacou a actualidade do pensamento e legado de Álvaro Cunhal. Em sua opinião, este legado é tão mais importante quanto os trabalhadores e o povo português estão confrontados com um violento ataque contra importantes direitos laborais e sociais. Miguel Viegas destacou as diversas vertentes da personalidade ímpar de Álvaro Cunhal como militante e dirigente comunista e como intelectual e artista.