«Cuba enfrenta o criminoso bloqueio imposto pelos EUA há décadas»
PCP visitou Cuba
Confiança reforçada

A delegação do Partido, dirigida por Jerónimo de Sousa, regressou da República de Cuba com redobrada «confiança de que o PCC e o povo cubano, continuando a procurar as soluções para as grandes questões que se colocam no presente, prosseguem no caminho do socialismo».

Image 14860

A visita realizada, entre os dias 5 e 10 de Janeiro, pela comitiva liderada pelo Secretário-geral do PCP, e da qual também fez parte Pedro Guerreiro, do Secretariado do Comité Central e responsável pela Secção Internacional, «serviu para aprofundar o conhecimento mútuo sobre a actual situação em Cuba e em Portugal, tendo os dois partidos expressado a vontade de estreitar os seus laços de amizade, apontando o incremento das suas relações e intercâmbios bilaterais, e contribuir para o reforço das relações de amizade entre os povos português e cubano e os respectivos países», lê-se numa nota divulgada segunda-feira, 13, pelo gabinete de imprensa do Partido.

Durante o périplo, os dirigentes comunistas portugueses receberam «ampla informação sobre o seguimento e a implementação das conclusões do VI Congresso – nomeadamente das Directrizes da Política Económica e Social do Partido e da Revolução aí adoptadas – e da 1.ª Conferência Nacional do Partido Comunista Cubano (PCC), tendo expressado a sua solidariedade com a revolução cubana e reforçado a sua confiança de que o PCC e o povo cubano, continuando a procurar as soluções para as grandes questões que se colocam no presente, prosseguem no caminho do socialismo».

No texto recorda-se, ainda, «que Cuba enfrenta o criminoso bloqueio imposto pelos EUA há décadas», realidade que a delegação do Partido pôde por certo constatar, como constatada foi «a existência de uma ampla convergência nas análises e pontos de vista que foram expressos» no decurso da «ampla troca de informações sobre a situação nos respectivos países, assim como sobre outros aspectos de interesse comum».

 

Agenda preenchida

 

Durante a visita a Cuba, realizada a convite do PCC e no quadro das relações fraternas de amizade entre aquele Partido e o PCP, Jerónimo de Sousa e Pedro Guerreiro desdobraram-se em encontros, reuniões e contactos, o primeiro dos quais com Raúl Castro Ruz, Primeiro Secretário do Comité Central do PCC.

Ao longo de cinco dias, a comitiva comunista portuguesa encontrou-se também com «José Ramón Balaguer Cabrera, do Secretariado do Comité Central do PCC e responsável pelo Departamento das Relações Internacionais, com Ana Maria Mari Machado, vice-presidente da Assembleia Nacional do Poder Popular, com Salvador Valdés Mesa, vice-presidente do Conselho de Estado e com Marcelino Medina González, vice-ministro das Relações Exteriores de Cuba», bem como com dirigentes da União de Jovens Comunistas de Cuba, e com «René González e diversos familiares dos restantes quatro Heróis cubanos que ainda se encontram presos nos EUA, tendo expressado a vontade de reforçar a solidariedade e a exigência da sua libertação».

Do intenso programa fizeram igualmente parte deslocações «ao Instituto de Amizade com os Povos, onde se encontrou com a sua presidente, Kenia Serrano, à «Província de Mayabeque, tendo-se encontrado com os responsáveis do Comité Provincial do PCC e tomado contacto com a realidade desta província cubana onde tem lugar a aplicação do processo de aperfeiçoamento do sistema económico e social, visando salvaguardar e promover o avanço da revolução cubana e a sua opção socialista».

«A delegação do PCP teve ainda a oportunidade de visitar o Museu “Venezuela Terra Livre”, que está instalado no Complexo Histórico-Cultural Morro Cabanas», concluiu o documento divulgado aos órgãos de comunicação social.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: