Lembrar Auschwitz para preservar a memória
O excerto do poema de Brecht que aqui se reproduz como introdução ao texto com que assinalamos o 27 de Janeiro, proclamado pela ONU como Dia Internacional de Recordação, em memória das vítimas do Holocausto, é bem o exemplo de como a obra do poeta comunista alemão mantém toda a sua actualidade. Numa altura em que tantos procuram reescrever a História tornando os carrascos em heróis e as vítimas em algozes, clamando boas intenções para atingir pérfidos fins, importa sublinhar que este 27 de Janeiro é o aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz pelo Exército Vermelho, o exército da União Soviética.


Abel Coelho
A classe operária na literatura

«Aprendi mais com Balzac do que com todos os outros profissionais, historiadores, economistas e estatísticos juntos». Esta declaração pertence a Engels, referindo-se à forma como aquele escritor, sob a forma ficcional, deu a conhecer a estrutura da sociedade francesa no decurso do século XIX. No mesmo sentido há uma outra declaração de Lénine referindo o conteúdo revolucionário da obra romanesca de Balzac, não obstante este escritor ter sido um conservador, aliado da monarquia e envolvido em desacertos no que diz respeito a negócios.



A luta dos trabalhadores da CML vai continuar

São muito velhas e conhecidas as tentativas do PS para privatizar serviços na Câmara Municipal de Lisboa. No tempo da coligação PCP-PS, foi necessário fazer um estudo para obstar às pressões para privatizar os serviços de limpeza e higiene urbana. O estudo comprovou que o serviço público prestado custava ao Município 5500 escudos por tonelada de remoção do lixo e que, na privatização, passaria a custar 11 000 escudos.