Restauração exige redução do IVA para 13 por cento
Empresários exigem a redução da carga fiscal
Crise sem precedentes

A Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas (CPPME) aprovou uma moção, dirigida ao primeiro-ministro e aos ministros da Economia e das Finanças, onde exige a redução imediata do IVA na restauração.

Image 16180

O documento surgiu durante um debate realizado, no dia 9, pela CPPME e a Associação de Pequenos Empresários da Região de Setúbal e Alentejo, no Feijó, dirigido aos sectores da restauração, bebidas e similares, que abordaram as dificuldades sentidas na sua actividade em virtude da elevada fiscalidade a que estão sujeitos.
«O sector da hotelaria, restauração e bebidas atravessa uma crise sem precedentes, em resultado do brutal aumento do IVA em 77 por cento (de 13 para 23 por cento); dos custos fixos como a electricidade, o gás, os transportes, as portagens, o combustível, a água, os resíduos, etc.; das cerca de uma centena de obrigações legais a que estamos sujeitos, sendo que são todas a pagar; e da perda do poder de compra dos portugueses», salienta o texto da moção, onde se denuncia que o IVA, o IRC/PEC/Regime Simplificado, o IRS, a TSU e o IMI «estão a levar à insolvência ou encerramento silencioso de muitas e muitas micro, pequenas e médias empresas (MPME) por todo o País».
Entretanto, quando a União Europeia definiu em Directiva que a restauração é um sector de trabalho intensivo e deve beneficiar de «taxa reduzida», medida que o Governo português tarda em aplicar, o Executivo PSD/CDS anunciou recentemente que decidiu aumentar, a partir de 1 de Janeiro de 2015, ainda mais o IVA da restauração, agora para 23,5 por cento.

Propostas com futuro

Em clara oposição a esta medida, os empresários exigem o «alívio da brutal carga fiscal» e, no sector da restauração e bebidas, a «redução imediata do IVA para o valor intermédio de 13 por cento, sendo que progressivamente deve caminhar para o valor mínimo de oito por cento».
Na moção reclama-se, de igual forma, o «fim da existência de instrumentos de tributação como o PEC e o PPC», a «implementação dos índices de coeficiente técnico/científico para as MPME», o «estabelecimento de acordos com as Finanças e a Segurança Social, de forma a estabelecer compromissos (realistas), com tempos mais dilatados e juros mais baixos, de pagamento das dívidas ao Estado», a «revisão urgente da nova Lei dos Despejos Comerciais, arrendamento não habitacional que está a ser a causa do encerramento de inúmeros estabelecimentos da restauração, bebidas e similares», a «isenção de IMI por quatro anos na aquisição de imóveis para funcionamento próprio», a «redução dos custos energéticos, água, taxas de resíduos sólidos urbanos, transporte, portagens, combustíveis, etc.», a «valorização, preservação e divulgação da gastronomia portuguesa», o «direito à prestação de Apoio Social para micro e pequenos empresários com carreira contributiva mínima» e o «aumento do poder de compra dos portugueses».

Realidade sofrida

  • De acordo com os dados do INE, nos sectores da restauração e bebidas e da hotelaria, no final do primeiro trimestre de 2014 registavam-se 257,4 mil postos de trabalho, um mínimo histórico, nunca antes verificado no sector; 
  • A variação homóloga, face ao 1.º trimestre de 2013, foi negativa, menos 4,7 por cento (menos 12 800 postos de trabalho), e, relativamente ao 4.º trimestre 2013, observou-se uma quebra ainda mais profunda, menos 12,6 por cento (menos 37 200 postos de trabalho); 
  • No semestre acumulado de Outubro de 2013 a Março de 2014, perderam-se 56 800 postos de trabalho, um aumento de 100 por cento, em relação ao período homólogo, ou sejam 315,5 postos de trabalho por dia.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: