Lugansk e Donetsk esperam o recrudescimento da violência
Crise na Ucrânia
Ofensiva de Kiev <br> revela trégua ilusória

Não foi cumprido o cessar-fogo no Leste da Ucrânia, onde as forças antigolpistas responderam aos ataques de Kiev. A junta fascista ucraniana voltou a comprometer-se com uma nova trégua, mas no terreno reforça a opção militar e nos gabinetes prossegue a subjugação aos interesses imperialistas.

Na segunda-feira, 30, os presidentes ucraniano e russo, Petro Poroshenko e Vladimir Putin, acordaram trabalhar no prolongamento do cessar-fogo que expirava às 22h00 desse dia e promover uma terceira ronda negocial entre Kiev e representantes das auto proclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, agora unidas.

O compromisso vai de encontro à posição de Moscovo, que considerava a trégua decretada a 21 de Junho um ultimato e apelava à sua extensão visando a resolução negociada do conflito, isto apesar de as autoridades antigolpistas denunciarem que Kiev enviou para as duas rondas de diálogo até agora realizadas uma delegação desprovida de poder, informou a Intar-Tass.

A manutenção da ofensiva contra o Leste do país num regime de baixa intensidade (comparando com o que vinha ocorrendo nos últimos meses) não é do agrado de Kiev. No domingo, 29, membros do Batalhão Donbass, composto por milicianos nazi-fascistas do Sector de Direita, manifestaram-se pela imposição da lei marcial nas regiões de Donetsk e Lugansk, medida que o líder da falange da Guarda Nacional, Simon Semetchenko, considerou imprescindível para liquidar a insurreição e os «russos», noticiou a agência nacional ucraniana.

O ministro do Interior golpista, Arsen Avakov, e o presidente do parlamento ucraniano, Alexander Turchinov, também pressionam para uma resposta violenta contra todos os que não deponham armas no Leste. O titular da Administração Interna sublinhou mesmo que a Guarda Nacional e os «grupos especiais» (paramilitares e mercenários, por exemplo como os contratados pelo magnata e governador de Dnepropetrovsk, Igor Kolomoisky) estão em condições de «resolver o assunto».

Combates sucedem-se

Tudo aponta, portanto, para o agravamento da contradição dos últimos dias, em que Poroshenko proclamou um cessar-fogo mas prosseguiu o assédio militar. Campanha na qual, denunciou o governador da República Popular de Donetsk, Pável Gubárev, estarão a ser usadas armas químicas, nomeadamente nos bombardeamento à sitiada cidade de Slaviansk e arredores, informou a Ria Novosti. O facto, a confirmar-se, corrobora as acusações do Kremlin sobre o ensejo de Kiev em promover uma limpeza étnica na Ucrânia.

Combates que se verificaram, igualmente, em torno de um aeroporto da cidade de Kramatorsk, na região de Donetsk, horas depois de um avião do exército ucraniano ter aterrado no terminal aéreo de Lugansk, transportando militares que se juntaram ao contingente que Kiev mantém naquela infraestrutura, adiantou a também Ria Novosti. Os reforços enviados e as tentativas nesse sentido em Kramatorsk dão razão aos líderes antigolpistas de Lugansk e Donetsk, que notaram que a trégua foi ilusória e garantiram, durante o fim-de-semana, estar à espera do recrudescimento da violência.

Pelo meio, proliferaram as trocas de acusações de violação da trégua, com o governo golpista a justificar os ataques, reiniciados quinta-feira, 26, com o derrube de um helicóptero militar pelos insurrecto em Slaviansk, e estes a rejeitarem responsabilidades; com Kiev a tentar assegurar o controlo de bases militares e postos de fronteira com a Rússia (sobressaindo, neste último caso, o disparo, sábado, 28, de morteiros para o território russo, numa clara provocação), e as forças antifascistas do Leste a rechaçarem a ofensiva e alcançarem importantes vitórias de resistência.

 

Ataque à Rússia

Vladimir Putin sublinhou, sexta-feira, 27 que a divisão e a violência na Ucrânia resultam da «intenção de impor a Kiev uma escolha artificial entre a Rússia e a Europa». O presidente russo reagia assim a acontecimentos recentes que ilustram o pano de fundo do conflito e do qual faz parte a subjugação da Ucrânia ao imperialismo: cercar e enfraquecer a Rússia.
Como se não bastasse a concentração de tropas da NATO nas fronteiras russas, um assessor do presidente ucraniano ameaça cortar o fornecimento e manutenção de componentes bélicos, nomeadamente os produzidos em Dnipropetrovsk (100 por cento dos motores dos mísseis russos) e Zaporozhye (30 por cento dos motores usados pela força aérea russa). A ameaça é séria, tanto mais que Moscovo já anunciou que está a trabalhar na redução da dependência logística.

Guerra económica


Simultaneamente, no final da semana passada, em Bruxelas, líderes da UE ameaçaram a Rússia com o endurecimento das sanções económicas e subscreveram com a Ucrânia (e com a Moldávia e a Geórgia) um acordo de associação que consolida o objectivo original do golpe de Estado de Fevereiro, e pode saldar-se, só no primeiro ano, numa perda de transacções com a Rússia na ordem dos 30 mil milhões de euros e na destruição do aparelho produtivo ucraniano. Para Moscovo, um e outro aspecto representam, respectivamente, uma potencial perda de investimento directo estrangeiro e um golpe nas relações comerciais mantidas até agora com a Ucrânia no quadro da cooperação com as ex-repúblicas soviéticas.
Acresce a guerra do gás promovida pelos EUA, que pretendem destronar a Rússia do lugar de fornecedor cimeiro e, de caminho, colocar problemas a uma Europa que depende em 34 por cento do fornecimento do gás russo. O filho do vice-presidente norte-americano, Joe Biden, foi em Maio nomeado para o conselho de administração de uma empresa energética ucraniana, e a petrolífera Chevron confirmou o interesse em explorar gás de xisto na região de Donetsk (justamente na zona onde decorrem combates). Entretanto, o primeiro-ministro ucraniano, Arseni Yatseniuk, entregou no parlamento um projecto que permite a compra por empresas norte-americanas e europeias de posições accionistas no sistema de gasodutos do país, por onde circula mais de metade do gás vendido pela Rússia à Europa.
Esta proposta, frise-se, é paralela à tentativa de implementação nos gasodutos ucranianos do chamado fluxo inverso, que a russa Gazprom considera ilegal, mas que a Ucrânia pretende aplicar para obter, através de países europeus clientes de Moscovo, o gás que a Rússia se recusa a canalizar devido ao diferendo em torno do preço do metro cúbico e do pagamento da dívida acumulada por Kiev.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: