Vitória na Carris

A administração da Carris foi condenada a readmitir, de imediato, Luísa Bota e a pagar-lhe todas as remunerações vencidas. O despedimento ocorreu em Janeiro de 2013, quando era activista sindical e integrava a Comissão de Trabalhadores.

Para a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações, trata-se de «mais uma vitória na luta contra a tentativa de reprimir a luta dos trabalhadores», com foco nos principais activistas. O Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes Rodoviários e Urbanos, lembrando as diversas acções de solidariedade para com Luísa Bota e de denúncia «do autêntico processo político montado para proceder a um “acerto de contas” com uma trabalhadora que sempre se destacou na defesa dos direitos dos trabalhadores da Carris», saudou esta «vitória na luta contra a repressão sindical» e apontou-a como «um exemplo da luta que se tem que intensificar».

O PCP, numa nota publicada no sítio da OR Lisboa, saudou «mais esta vitória na luta pela liberdade sindical na Carris», recordando que desde o início condenou o despedimento como «um processo político desenhado para tentar reprimir uma trabalhadora que sempre se destacou na defesa dos direitos dos trabalhadores» na transportadora.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: