Renegociar a dívida, saída do euro, controlo público da banca
Ir às compras a Paris...

Aos deputados da maioria que disseram que o Governo não rasga os contratos internacionais, respondeu Bruno Dias, salientando bem saber que para o PSD e o CDS neste capítulo a sua especialidade é outra: «rasgar contratos mas com o povo».

«É essa a opção que têm assumido sistematicamente, rasgar contratos com os reformados, com os jovens, com os trabalhadores da administração pública», criticou, condenando ainda os partidos da maioria por usarem a dívida como «arma apontada às pessoas e aos seus direitos».

O facto de a desvalorização da moeda significar o encarecimento dos produtos estrangeiros – esse foi outro papão agitado no debate por PSD e CDS-PP – não passou também sem resposta, com Bruno Dias a registar nada ter sido dito pela maioria governamental quanto aos nossos sectores produtivos, à produção nacional, às consequências para os sectores exportadores de uma «moeda forte desenhada à medida da Alemanha e das grandes potências».

«O que é preciso não é uma medida para ir às compras em Paris, é uma moeda para pôr Portugal a produzir, para substituir importações por produção nacional, poder exportar com melhores condições», sustentou, lamentando que PSD e CDS-PP apenas queiram «amarrar o País ao garrote do euro, ao garrote de uma dívida crescente».

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: