Nova lei atenta contra liberdades democráticas
Protesto virtual contra repressão real
Liberdades em risco

Mais de 18 mil pessoas de todos os continentes deram a sua cara para um original protesto de imagens em três dimensões sonorizadas contra a recém-aprovada «lei da mordaça».

A «manifestação» foi organizada pela plataforma «Não Somos Delito», que recebeu imagens e gravações áudio de milhares de pessoas de todo o mundo, solidárias com os movimentos que exigem a revogação da nova lei de Segurança dos Cidadãos em Espanha.

Baptizada pelo povo como «lei da mordaça», o diploma prevê pesadas multas para quem se manifeste na rua, nomeadamente frente ao parlamento, sem autorização prévia.

E foi precisamente frente ao parlamento que a plataforma decidiu projectar os seus hologramas. O protesto fez-se ouvir durante uma hora, mas os manifestantes não estiveram lá.

Como relatou o correspondente da Lusa, «uma pequena "multidão" de hologramas desfilava uma e outra vez, com palavras de ordem sincopadas, exactamente como na vida real: "A lei mordaça é uma ameaça!" ou "Estas são as nossas armas!", gritavam».

Carlos Escaño, um dos porta-vozes da «Não Somos Delito», também ele transformado em holograma, «salta para a frente do cortejo» para declarar: «Hoje são as manifestações e reuniões espontâneas na rua, e amanhã o que será? Hoje o nosso corpo não está aqui fisicamente, mas os nossos direitos sim».

A ideia partiu de um grupo de profissionais do cinema, televisão e publicidade, preocupados com a gravidade da nova lei. Entenderam ser uma metáfora perfeita dos objectivos do governo e apelaram através do site www.hologramasporlalibertad.org ao envio de imagens e gravações de palavras de ordem que foram utilizadas na montagem.

Alejandro Selma, outro dos promotores, garantiu que a plataforma vai continuar

a organizar protestos para impedir que a lei entre em vigor a 1 de Julho.

Por outro lado, reconheceu que o «protesto virtual» é uma espada de dois gumes: «provamos que se pode fazer uma manifestação sem as pessoas estarem fisicamente presentes», mas isso «é o sonho de qualquer governo que queira restringir as liberdades».

No final da acção foi lido um manifesto que qualifica a nova lei de «repressiva» e como um «golpe terrível» contra as liberdades democráticas, designadamente a liberdade de expressão e de reunião.

O documento lembra ainda que 82 por cento da população é favorável à retirada da lei e que, nas mais de 87 mil manifestações realizadas nos últimos anos em Espanha, só há registo de incidentes em menos de um por cento delas, segundo dados do Ministério do Interior.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: