Aconteu
Privatizações lesaram interesse público

O Tribunal de Contas concluiu que o Governo não acautelou «os interesses estratégicos do Estado português» nos processos de privatização da EDP e da REN.
Num relatório divulgado dia 19, aquele órgão considera que o Estado português não protegeu os seus activos estratégicos ao contrário de outros países europeus.
Indica nomeadamente os casos da Alemanha, Áustria e Finlândia que fixaram «limites na aquisição de activos estratégicos por entidades estrangeiras que não integrem o espaço europeu»; a Bélgica, França, Polónia e Itália, que asseguraram o controlo do Estado através de poderes especiais «golden shares»; ou a Lituânia e Islândia que garantiram a detenção da maior parte do capital.
A auditoria censura a actuação da Parpública na contratação de consultores financeiros, permitindo, por exemplo, que o Banco Espírito Santo Investimento (BESI) fosse avaliador do Estado e, posteriormente, consultor dos chineses da CTG e State Grid.


Défice longe da meta do Governo

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental revelou, dia 29, que «o défice global das administrações públicas registado no primeiro trimestre excedeu o objectivo para o défice anual», ficando 3,1 pontos percentuais acima do objectivo de 2,7 por cento do PIB.
Os técnicos que apoiam o parlamento afirmam que «o défice do primeiro trimestre representa aproximadamente 49 por cento do défice total previsto para o conjunto do ano», o que põe em causa o cumprimento do objectivo do Governo.
Na semana passada, o Instituto Nacional de Estatística apurou que o valor do défice orçamental das administrações públicas até Março atingiu os 2,4 mil milhões de euros, o equivalente a 5,8 por cento do PIB nesse período, valor praticamente idêntico ao registado no período homólogo (5,9%).


Edil contesta concessão dos ENVC

O presidente da Câmara de Viana do Castelo anunciou, dia 29, que vai pedir a reabertura das investigações ao processo de subconcessão dos estaleiros da cidade à empresa Martifer.
A decisão do autarca socialista, José Maria Costa, surge na sequência da confirmação, por Bruxelas, de que Portugal nunca invocou a protecção de interesses nacionais de segurança para justificar ajudas de Estado aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC).
Em causa está o esclarecimento prestado na semana passada pela comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, numa resposta aos deputados do PCP no Parlamento Europeu, João Ferreira e Inês Zuber.


Atletas conquistam medalhas

A delegação portuguesa aos I Jogos Europeus, disputados em Baku, no Azerbaijão, entre 12 e 28 de Junho, conquistou dez medalhas de ouro, prata e bronze.
Dos 40 atletas presentes, 23 subiram ao pódio em oito modalidades, realçou o chefe de missão, José Garcia, que fez um balanço «extremamente positivo» da participação portuguesa.
As medalhas de ouro foram conquistadas por Telma Monteiro, no judo, Rui Bragança, no taekwondo, e Marcos Freitas, Tiago Apolónia e João Geraldo, no torneio de ténis de mesa por equipas.
A prata surgiu com João Silva, no triatlo, João Costa, no tiro, e Fernando Pimenta em K1 1000 e 5000 metros, na canoagem, enquanto Júlio Ferreira, no taekwondo, a dupla composta por Beatriz Martins e Ana Rente, nos trampolins sincronizados, e a seleção de futebol de praia obtiveram medalhas de bronze.


Luís Monteiro escolhido investigador do ano

Luís Monteiro, professor da Faculdade de Educação Física e Desporto da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, foi premiado como Investigador do Ano de 2014 da União Europeia de Judo.
O galardão foi entregue, dia 24, numa cerimónia em Baku, Azerbaijão, durante os I Jogos Europeus.
A distinção deveu-se à conquista do primeiro lugar no Simpósio Cientifico e Poster Exibition da União Europeia de Judo (UEJ), em Montpellier, pelo trabalho «Physiological and Neuromuscular Pattern of Olympic Judo Athletes in Five Minutes High Intensity Exercice».


Português brilha no motociclismo

Miguel Oliveira venceu, no sábado, 27, o Grande Prémio da Holanda de Moto3, em Assen, batendo o britânico Danny Kent, líder do campeonato.
Com esta vitória, o piloto de Almada ocupa a terceira posição no mundial de Moto 3.
Recorde-se que Miguel Oliveira foi o primeiro português a vencer uma prova do campeonato do mundo de motociclismo, feito alcançado em 31 Maio, no Grande Prémio de Itália, no circuito de Mugello.



Resumo da Semana
Frases