Breves
PARIS
Plenário do PCP

Os comunistas portugueses da região de Paris, em França, realizaram recentemente um plenário para analisar a situação política decorrente das eleições legislativas de 4 de Outubro e traçar as medidas de organização e intervenção para o futuro imediato. Saudando a derrota eleitoral da coligação PSD-CDS e os resultados alcançados pela CDU, que no estrangeiro também subiu em número de votos e em percentagem, os militantes comunistas presentes manifestaram a sua concordância com as iniciativas políticas assumidas pelo Partido de tudo fazer para impedir que o PSD/CDS voltem ao governo do País. A apresentação da candidatura de Edgar Silva à Presidência da República foi acolhida com entusiasmo, estando já marcado um almoço-debate para o próximo dia 15 de Novembro, com a presença do candidato. Foram ainda apontadas medidas para o reforço orgânico do Partido, a partir da resolução da última reunião do Comité Central, e para uma maior dinâmica da campanha nacional de fundos também na emigração. 


AVEIRO
Sinistralidade com causas

O Secretariado da Direcção da Organização Regional de Aveiro do PCP emitiu um comunicado sobre o registado aumento da sinistralidade rodoviária, confirmada pelas forças de segurança: num só ano o número de vítimas mortais nas estradas do distrito aumentou 207 por cento. O Partido acrescenta que «todos os estudos e as próprias autoridades apontam claramente para uma relação directa de causa e efeito» entre o aumento do trânsito rodoviário nas estradas nacionais, que se seguiu à introdução de portagens nas antigas SCUT e este «crescimento exponencial» de acidentes e vítimas. No comunicado, o PCP lembra a sua oposição à cobrança de portagens nas SCUT e os alertas que fez, juntamente com as populações e as comissões de utentes, sobre as implicações e consequências que tal medida teria: aos prejuízos económicos e ao congestionamento do trânsito nas estradas nacionais, soma-se agora o aumento de vítimas mortais em acidentes de viação. O fim das portagens continua a ser uma medida essencial. 


GUARDA
Saúde definha

Existem, nas instituições do Serviço Nacional de Saúde do distrito da Guarda, necessidades que «continuam sem ser respondidas» e há recursos e meios que «podem e devem ser ajustados». Num comunicado da Direcção da Organização Regional realça-se que ajustamento não poderá ser feito com a «supressão, encerramento e perda» de serviços e profissionais, mas, pelo contrário, através do «reforço da capacidade de resposta às necessidades das populações do distrito». Entre as iniciativas legislativas que o PCP vai apresentar no início dos trabalhos parlamentares conta-se a contratação de médicos, enfermeiros de família e outros profissionais, a reposição do transporte de doentes não urgentes e a eliminação das taxas moderadoras, entre outras questões relacionadas com o reforço de meios técnicos e humanos dos hospitais públicos.