Breves
Mais 50 venceram

Os vínculos precários de 28 trabalhadores da Silopor chegaram ao fim. Após mais de três anos de contratação através de empresas de trabalho temporário, foram integrados no quadro de pessoal daquela empresa do sector empresarial do Estado, informou o CESP/CGTP-IN, na semana passada.
No Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia, como revelou o SEP/CGTP-IN a 12 de Fevereiro, os contratos a termo de 22 enfermeiros (que estavam a chegar ao fim e correram o risco de não serem renovados), foram convertidos em contratos a tempo indeterminado. A direcção regional do Porto do SEP, ao relevar esta vitória num comunicado que divulgou naquela unidade de saúde, apelou a que todos os enfermeiros em final de contratos a termo estejam atentos e contactem o sindicato, para fazerem valer o seu direito a um vínculo efectivo.


Empresas condenadas

Lidl e Brisa foram alvo de condenações em tribunal, revelou o CESP no final de Fevereiro. A cadeia alemã de supermercados terá que pagar a 18 trabalhadores do seu entreposto na Marateca (Setúbal) o valor correspondente à «compensação» que lhes exigiu, durante alguns meses, pela tradicional pausa diária de 15 minutos, a meio da manhã. A concessionária de auto-estradas vai ter que pagar os custos com deslocações a dois trabalhadores que transferiu de Coina para Carcavelos, num adicional que se refere a quase cinco anos e representa milhares de euros.


40 horas ilegais

A Câmara Municipal de Pombal foi condenada pelo TAF de Leiria e vai pagar a 50 trabalhadores, associados do STAL/CGTP-IN, as horas correspondentes ao aumento ilegal do horário de trabalho para 40 horas, no período de 28 de Setembro de 2013 até 6 de Março de 2014, noticiou a Lusa no dia 3. Na reunião que o presidente da Câmara convocou para anunciar o pagamento foi impedida a participação de um dirigente regional do sindicato.


Fórum Ferroviário

«Caminho-de-Ferro – Regresso ao Futuro» foi o lema do Fórum Ferroviário, que as comissões de trabalhadores da CP, da IP (Infra-estruturas de Portugal, onde foram fundidas a Refer e a Estradas de Portugal), da EMEF e da CP Carga promoveram no dia 3 de Março e que reuniu uma centena de pessoas, num auditório da sede da IP, no Pragal (Almada). Nesta iniciativa participou também Bruno Dias, deputado do PCP, que saudou os participantes e reiterou o compromisso do seu grupo parlamentar de apoio activo às propostas dos trabalhadores. No documento de trabalho do fórum destaca-se a importância de, quando a ferrovia nacional assinala 160 anos de existência, encarar este sector com uma visão integrada, valorizando o seu papel estratégico e a sua verdadeira prioridade, no quadro de uma mudança de rumo que é igualmente necessária no País.


Amianto

A greve iniciada dia 1 pelos trabalhadores da Segurança Social, em Vila Franca de Xira, mereceu o apoio da CGTP-IN que, num comunicado divulgado nessa terça-feira, reiterou a sua proposta de elaboração de um «plano nacional para o amianto», que consta no Programa de Acção saído do 13.º Congresso, realizado dias antes. O Secretário-geral da confederação esteve com os trabalhadores, que se concentraram de manhã no exterior das instalações, destacando que 18 dos 41 funcionários apresentam doenças do foro respiratório e oncológico.


Mevil

Passados 21 anos da falência da metalúrgica, ainda não foram pagos os 309 mil euros devidos a 82 trabalhadores da Mevil, atraso que justificou a realização de uma concentração, no dia 4, frente ao tribunal de Vila Franca de Xira. Por decisão do Supremo Tribunal de Justiça, os trabalhadores foram colocados em primeiro lugar na lista de credores a ressarcir com os meios existentes na massa falida. Um recurso do administrador da insolvência, considerando os seus honorários desfasados, parou este processo em Julho de 2015, explicou a União dos Sindicatos de Lisboa, que apoiou o protesto.