Breves
BCE reduz taxas a zero

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, anunciou, dia 10, a redução da taxa directora para zero por cento e admitiu novas reduções no futuro.

Para além da taxa de juro directora, que já estava em 0,05 por cento desde Setembro de 2014, o BCE decidiu também aumentar o volume mensal de compra de dívida (incluindo de empresas privadas) de 60 mil milhões de euros para 80 mil milhões de euros.

Por outro lado, agravou a taxa negativa dos depósitos na Instituição de -0,30 para -0,40 por cento, ou seja, os bancos terão de pagar pelos depósitos que façam no banco central.

Em contrapartida, Draghi apresentou um novo sistema que prevê empréstimos à banca com juros negativos, ou seja, neste caso será o credor (o BCE) a pagar para emprestar aos bancos, com a condição de o dinheiro ser colocado como crédito à disposição de particulares e empresas.


Suécia rompe com sauditas

O primeiro-ministro da Suécia, Stefan Lofven, anunciou, dia 10, a não renovação do acordo de cooperação militar com a Arábia Saudita que expira em Maio.

O governo de coligação entre sociais-democratas e verdes tomou a decisão com base no princípio de que não devem ser vendidas armas a ditaduras.

No âmbito deste acordo, assinado em 2005, a Arábia Saudita acedeu a importantes fornecimentos militares, que ascenderam em 2014, a 37 milhões de euros.


Siemens desinveste<br>na indústria

O grupo industrial e tecnológico alemão Siemens apresentou, dia 10, um plano de reestruturação que prevê a extinção de 2500 postos de trabalho na sua divisão industrial, dois mil dos quais na Alemanha.

Em comunicado, o grupo explica que tem em curso uma transição para «uma empresa industrial digital», mas refere a necessidade de «optimizar a dimensão das fábricas de produção na Europa para melhorar a competitividade num mercado que continua a ser difícil».


Espanhóis pagam cortes<br>na Educação

Entre 2009 e 2013, o Estado espanhol cortou 15 por cento das suas despesas com a Educação. Em contrapartida, no mesmo período, as famílias tiveram um acréscimo de 28 por cento das despesas nesta área.

Segundo um estudo da Fundação BBVA e do Instituto Valenciano de Investigações Económicas, a contribuição das famílias para o sistema público de educação aumentou de 4,3 por cento para 6,3 por cento, sobretudo devido ao aumento das propinas universitárias.

Os autores do relatório, apresentado dia 8 em Madrid, observam que o aumento da participação das famílias «condiciona a igualdade de oportunidades». As famílias com maiores rendimentos, indica o estudo, gastam quatro vezes mais na educação dos seus filhos do que as de menores recursos.


VW corta pessoal<br>na Alemanha

O construtor automóvel Volkswagen planeia suprimir três mil postos de trabalho na Alemanha, no âmbito de um plano de redução de custos.

Segundo noticiou, dia 10, a agência germânica (DPA), a redução de pessoal atingirá apenas os serviços administrativos e estender-se-á até ao final do próximo ano.

O plano de emagrecimento é explicado pela necessidade de o grupo automóvel fazer face a multas e indemnizações de milhares de milhões de euros, por falsificação das emissões poluentes dos seus motores.

O grupo já tinha anunciado uma redução dos investimentos e a revisão de todas as suas actividades a fim de obter grandes economias.


Sortu escolhe Otegui

A direcção da coligação da esquerda basca Bildu propôs, dia 12, Arnado Otegi como cabeça de lista às eleições legislativas que terão lugar no território em Outubro.

Sob Otegui, libertado da prisão no início do mês, pesa a sanção de «inabilitação para cargos públicos» até Fevereiro de 2021. No entanto, a defesa já recorreu da sanção exigindo a sua anulação.