Aconteu
Privação severa atinge um em cada dez

A privação material severa em Portugal atingiu 9,6 por cento da população em 2015, revelou um estudo do Eurostat publicado dia 14.

No conjunto dos 28 estados-membros, 41 milhões de pessoas encontravam-se em situação de privação material severa, 997 mil das quais em Portugal.

O gabinete oficial de estatísticas da União Europeia refere que as taxas mais elevadas registaram-se na Bulgária (34,2%), Roménia (24,6%) e Grécia (22,2%), e as mais baixas na Finlândia (2,2%), Holanda (2,5%) e Áustria (3,6%). A média situou-se em 8,2 por cento.

A definição de privação material severa aplica-se às pessoas que não têm recursos, por exemplo, para saldar a tempo facturas de serviços essenciais, adquirir bens básicos como um televisor ou um telefone, ou consumir de dois em dois dias carne ou peixe.


Desigualdades acentuaram-se

Portugal foi um dos países que registaram o maior aumento da desigualdade no rendimento das famílias com crianças, revelou um relatório da Unicef, divulgado dia 14.

O estudo analisou 41 países da União Europeia e da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), concluindo que em quatro países do Sul da Europa (Espanha, Grécia, Itália e Portugal) e em três países da Europa Oriental (Eslováquia, Eslovénia e Hungria) se verificou um aumento da desigualdade de pelo menos cinco por cento, resultante da diminuição do rendimento médio das famílias com crianças.

Em todos os países europeus «abundam de forma desproporcionada» os casos de crianças que vivem em habitações onde todos os membros da família estão desempregados, refere o relatório «Equidade para as crianças».


Malparado aumenta para 18 mil ME

O crédito malparado da banca em Portugal aumentou em Fevereiro mais 275 milhões de euros em relação ao mês anterior, para um total de 17 984 milhões de euros.

Segundo dados do Banco de Portugal, divulgados dia 12, cerca de 12,9 mil milhões de euros representam créditos às empresas em incumprimento, cujo valor aumentou 264 milhões de euros.

No crédito a particulares, o valor de malparado fixou-se em 5,07 milhões de euros, subindo 12 milhões de euros.


Fotojornalista mostra escravatura infantil

«Talibés, escravos contemporâneos» é o título de uma reportagem do fotojornalista Mário Cruz que retrata crianças escravizadas no Senegal e Guiné-Bissau.

O trabalho, que já foi premiado este ano pelo World Press Photo, mereceu nova distinção, vencendo o Prémio de Fotojornalismo Estação Imagem Viana do Castelo.

Na cerimónia de atribuição, realizada dia 16, Mário Cruz, de 28 anos, salientou que estas crianças são «há demasiado tempo ignoradas, não só pela sociedade senegalesa mas por toda a comunidade internacional». Trabalhador da agência Lusa, tirou licença sem vencimento para poder realizar a reportagem entre Maio e Junho de 2014.


Arquitectos expõem em Paris

Uma exposição sobre a arquitectura portuguesa dos últimos 50 anos foi inaugurada, dia 13, em Paris, na Cité de l'Architecture & du Patrimoine.

A mostra, intitulada «Os universalistas» vai estar patente até 29 de Agosto, propondo um olhar sobre meio século da produção arquitectónica portuguesa. Entre outros, destacam-se os projectos de Álvaro Siza Vieira, Eduardo Souto de Moura, Gonçalo Byrne, Nuno Teotónio Pereira, Nuno Portas, Pancho Guedes, Fernando Távora, João Luís Carrilho da Graça, Nuno Mateus e José Mateus.

Na véspera, dia 12, Eduardo Souto de Moura foi premiado pela X Bienal Ibero-americana de Arquitectura e Urbanismo (BIAU), em Madrid, «pelo importante contributo do seu ensino em universidades de diversos países».


APE distingue Manuel Alegre

O escritor Manuel Alegre foi distinguido com o Prémio Vida Literária 2015/2016, da Associação Portuguesa de Escritores (APE).

A cerimónia de entrega do galardão, anunciou dia 18 a associação, terá lugar no dia 25 de Abril, numa cerimónia presidida pelo chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa.

Por decisão unânime, tomada em Março, o júri decidiu premiar «o longo percurso literário do autor, de um tempo prévio a “Praça da Canção”».

Manuel Alegre será também distinguido, no próximo dia 22 de Maio, com o Prémio de Consagração de Carreira da Sociedade Portuguesa de Autores.

O Prémio Vida Literária da APE já foi atribuído a Miguel Torga, José Saramago, Sophia de Mello Breyner Andresen, Óscar Lopes, José Cardoso Pires, Eugénio de Andrade, Urbano Tavares Rodrigues, Mário Cesariny de Vasconcelos, Vítor Aguiar e Silva, Maria Helena da Rocha Pereira, João Rui de Sousa e Maria Velho da Costa.



Resumo da Semana
Frases