Breves
LISBOA
Intervir nas empresas

No dia 21, teve lugar em Lisboa um Encontro Regional de Quadros sobre a Acção e Organização do Partido nas Empresas e Locais de Trabalho. Estiveram em análise, entre outros temas, o trabalho de direcção e a estruturação, responsabilização dos quadros, recrutamento, informação e propaganda, venda do Avante!, o reforço das ORT e o desenvolvimento da luta. Concluiu-se que apesar da política de direita que tem destruído milhares de postos de trabalho, a falta de liberdade em muitas empresas, a desregulação dos horários de trabalho, a precariedade e as várias formas de chantagem e pressão exercidas pelo patronato, há potencialidades para reforçar o Partido no plano orgânico, político e ideológico e alargar o seu prestígio junto dos trabalhadores.


ALGARVE
Recursos em prol do País
A Direcção da Organização Regional do Algarve do PCP está a divulgar o conteúdo do projecto de resolução apresentado no início do mês pelo grupo parlamentar comunista, no qual se propõe a avaliação dos riscos ambientais e do impacto noutras actividades económicas da prospecção e produção de petróleo e gás natural no Algarve e na Costa Alentejana. Para o PCP, o ponto de partida é, nesta matéria, a salvaguarda do direito do povo português a conhecer os recursos geológicos existentes em território nacional que, a existirem efectivamente, «exigem a ponderação das vantagens e desvantagens, da oportunidade e das condições do seu aproveitamento». Neste caso, realçam os comunistas, a questão central é colocá-los ao serviço do desenvolvimento do País.

Os recursos geológicos que Portugal possui têm um importante valor económico e, em alguns casos, um «evidente caráter estratégico», sendo todos eles capazes de permitir o «lançamento de múltiplas fileiras industriais» e de constituir «uma das alavancas do desenvolvimento económico nacional».


AVEIRO
Precariedade na cortiça

Uma delegação da Direcção da Organização Regional de Aveiro do PCP esteve recentemente reunida com dirigentes do Sindicato dos Corticeiros, com o objectivo de aprofundar o conhecimento sobre a situação social e laboral no sector, nomeadamente o crescente recurso a contratos precários, «com as gravíssimas consequências daí decorrentes para a estabilidade da vida e do emprego, sobretudo das novas gerações», como realça a DORAV numa nota de dia 24. Sublinhando o aumento da precariedade no sector, com contratos ao dia ou à semana, o PCP garante que estes «casos gritantes» subsistem até no Grupo Amorim, verdadeiro império deste sector que acaba de anunciar o crescimento dos seus lucros em 64 por cento no final do primeiro trimestre do ano. O PCP aproveitou a ocasião para reafirmar a sua solidariedade e empenho na luta contra a precariedade, por melhores salários e em defesa dos direitos, que também se trava no sector da cortiça.