Breves
SANTARÉM
Caos nas Urgências

Num comunicado de 31 de Maio, a Comissão Concelhia de Santarém do PCP dá conta das suas preocupações relativas aos «recentes desenvolvimentos respeitantes ao Serviço de Urgências do Hospital de Santarém», que enfrentava uma «situação de caos, com mais de 40 utentes que aguardam internamento há vários dias nos corredores deste serviço sem as mínimas condições». Este facto leva à sobrecarga de trabalho, esforço e cansaço para os trabalhadores, denuncia ainda o PCP. Esta situação, garante o Partido, «não pode ser desligada da continuada ofensiva contra o Serviço Nacional de Saúde levada a cabo por sucessivos governos do PS, PSD e CDS-PP», que encerraram serviços de proximidade e reduziram o financiamento, «diminuindo drasticamente o acesso e a qualidade do serviço prestado». O PCP exige que sejam encontradas condições de internamento dignas e que sejam contratados os profissionais necessários.


Necessidades especiais

Uma delegação do PCP, em que participaram a deputada Carla Cruz e o vereador na Câmara Municipal de Braga Carlos Almeida, esteve reunida recentemente com um conjunto de pais e encarregados de educação de uma Escola Básica do concelho para avaliar as condições de frequência escolar das crianças e jovens com necessidades educativas especiais (NEE). Os pais, que pediram o encontro, estão preocupados com a falta de respostas existentes ao nível do Ensino Secundário, para onde os seus filhos – com idades compreendidas entre os 16 e os 18 anos – acabaram de transitar. É sua intenção que eles possam prosseguir, todos, os estudos na Escola Secundária Carlos Amarante, que é a sede de agrupamento. O PCP já entregou uma pergunta na Assembleia da República exigindo a intervenção do Governo num caso que se arrasta há anos e que é marcado por um autêntico «jogo do empurra».


ALGARVE
Ouvir o povo

O PCP promoveu no final de Maio um conjunto de encontros, reuniões e acções públicas nos concelhos de Faro e Olhão sobre a Ria Formosa, nos quais estiveram presentes dirigentes regionais do Partido e os deputados comunistas, respectivamente no Parlamento Europeu e na Assembleia da República, João Pimenta Lopes e Paulo Sá. Estas iniciativas permitirão reforçar a actividade institucional do Partido sobre assuntos relacionados com a Ria Formosa com os quais os deputados comunistas há muito vêm trabalhando. Os problemas dos pescadores, mariscadores e barqueiros foram questões em destaque nos encontros. Em realce esteve igualmente o problema das demolições nas Ilhas Barreira, das quais o PCP discorda, como uma vez mais voltou a reafirmar num encontro realizado com alguns moradores das ilhas. Na ocasião, recordou-se a apresentação, pelo PCP, de um projecto de resolução que reconhecia o «valor social, económico e cultural dos núcleos urbanos das ilhas-barreira da Ria Formosa» e exigia que se pusesse fim às demolições, que PS, PSD e CDS rejeitaram.