"A votação de ontem diz ao PS que cada vez que tiver de fazer entendimentos com o PSD não só se arriscará a não ter os votos do PSD como garantidamente não terá os da esquerda.”

(João Pedro Henriques,
Diário de Notícias, 21.7.16)

 

"Há sempre uma primeira vez para tudo...”

(Sobre esta sessão legislativa,
Expresso, 23.7.16)

 

"Portugal precisa da 'União' Europeia, ou é a 'União' Europeia que precisa de Portugal?”

(Baptista-Bastos,
Jornal de Negócios, 22.7.16)

 

"Na altura [final dos anos 1990] a ideia era que ao entrarmos na moeda única deixávamos de ter de nos preocupar com a balança de transacções correntes.”

(Teodora Cardoso,
Revista Expresso, 23.7.16)

 

"Nunca houve em Portugal pluralismo na discussão europeia. Quando muito, junta-se uns mais europeístas com outros menos europeístas, mas nunca se dá o pódio a um discurso que diga pura e simplesmente que hoje a União Europeia funciona exactamente ao contrário das intenções dos seus fundadores.”

(José Pacheco Pereira,
Público, 23.7.16)

 

"Durão Barroso no Goldman Sachs é o expoente máximo do 'só se estraga uma casa'.”

(João Quadros,
Jornal de Negócios, 22.7.16)

 

"Durão Barroso vai juntar-se a José Luís Arnaut e é um importante nome de uma longa lista de gente poderosa que entrou ou saiu da Goldman de ou para lugares influentes.”

(Os Durões de Wall Street,
Visão, 21.7.16)

 

"Por ser detentor de uma memória extraordinária, estranhou-se o repentino, e atlético, ataque de amnésia que teve na Comissão de Inquérito.”

(Sobre Zeinal Bava,
Revista Correio da Manhã, 24.7.16)

 

"A operação ruinosa em Madrid foi liderada por Faria de Oliveira depois presidente da CGD e Carlos Costa, hoje governador do Banco de Portugal.”

(O negócio que mais afundou a Caixa,
Sábado, 21.7.16)

 

"O Ministério Público suspeita de que José Sócrates favoreceu, como primeiro-ministro, interesses do Grupo Espírito Santo, em particular na Portugal Telecom.”

(Investigação Operação Marquês,
Correio da Manhã, 23.7.16)