O governo golpista pode fazer o Brasil retroceder 30 anos
Contra o governo golpista de Temer
Brasileiros nas ruas<br>sem trégua olímpica

O povo do Brasil volta a manifestar-se contra o governo interino golpista de Michel Temer, em defesa da presidente Dilma Roussef, suspensa do cargo, e por soluções democráticas para o país.

Image 20960

Milhares de manifestantes saíram às ruas no domingo, 31, em dezenas de cidades do Brasil, em protesto contra o governo interino golpista de Michel Temer e em defesa da afastada presidente Dilma Roussef. Sob o lema «Fora Temer! O povo deve decidir! Defender os nossos direitos! Radicalizar a democracia», registaram-se acções populares em 24 estados.

Em São Paulo, mais de 60 mil pessoas responderam à convocatória da Frente Povo Sem Medo. Movimentos dos trabalhadores e organizações estudantis participaram nas manifestações, em Belo Horizonte e, no Nordeste, em Fortaleza, Recife e Salvador. No Rio de Janeiro, o povo concentrou-se junto à Vila Olímpica, a poucos dias do começo das Olimpíadas. Para amanhã, sexta-feira, abertura dos Jogos Olímpicos, no Estádio do Maracanã, a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo convocaram novas manifestações, no Rio e em outras cidades.

Estão previstas mais concentrações no dia 9, em diversos estados do Brasil, de acordo com a Prensa Latina. Os sindicatos marcaram para 16 uma mobilização nacional em defesa da manutenção dos direitos sociais, pela criação de empregos, pelo retomar do desenvolvimento económico e contra as ameaças aos direitos laborais pelo governo de Temer.

Desde que os golpistas assumiram o poder no Brasil, «todos os dias surgem notícias que mostram a sua intenção de destruir os avanços e os direitos sociais», afirmou o dirigente do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão. «Somos a favor do regresso da presidente Dilma para que cumpra o mandato legítimo que o povo lhe conferiu», clarificou. Para Guilherme Boulos, coordenador da Frente Povo Sem Medo, o governo interino impõe uma agenda neoliberal e elimina direitos históricos da classe operária brasileira. «Anuncia uma série de projectos que podem fazer retroceder o Brasil 30 anos», alertou.

Morales com Lula

O presidente Evo Morales, da Bolívia, manifestou apoio a Luís Inácio «Lula» da Silva, sobre quem impende uma acusação formal por suposta obstrução à justiça no caso Petrobras. «Irmão Lula, não estás só, o povo está contigo face ao Império. Outro golpe judicial será derrotado», escreveu o mandatário boliviano na sua conta da rede social Twitter.

Na sexta-feira, 29, um juiz federal de Brasília aceitou as acusações contra o ex-presidente brasileiro (2003-2010). Na véspera, Lula apresentou-se, através dos advogados, perante o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra, para denunciar que é vítima de uma «perseguição política e judicial» no Brasil.

Os advogados de Lula asseguram que o ex-presidente apresentará a defesa e no final a sua inocência será provada. Entretanto, o presidente do Supremo Tribunal Federal de Brasil, Ricardo Lewandowski, fixou para 29 o começo da sessão do Senado que vai julgar politicamente Dilma Rousseff.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: