«Confiamos nestes candidatos
para travar
esta batalha»
Jerónimo de Sousa na ilha Terceira
Apelo ao voto na CDU

Depois de já ter estado nos Açores durante a pré-campanha, o Secretário-geral do PCP regressou ao arquipélago para participar, sábado, num jantar-comício em Angra do Heroísmo.

Image 21463

Saudando os candidatos e activistas da Coligação PCP-PEV, particularmente os muitos homens e mulheres independentes, Jerónimo de Sousa destacou a média etária da lista da CDU pela ilha Terceira, que é de 37 anos, o que demonstra que, também ali, «a CDU tem futuro».

«Confiamos nestes candidatos para travar esta batalha», que é de «grande exigência» e muito «importante para que a CDU tenha mais voz e mais força», afirmou, sublinhando que a Coligação PCP-PEV «tem uma só cara e uma só palavra». «A CDU não faz como alguns, que votam uma coisa ali e depois votam outra coisa acolá», criticou, apontando o dedo ao PS que na Assembleia da República aprovou os manuais escolares gratuitos e na Região, com a sua maioria absoluta, rejeitou a proposta do PCP.

Sobre as questões nacionais, numa altura em que está em elaboração o Orçamento do Estado para 2017, o Secretário-geral do PCP deu a conhecer a proposta do Partido de um aumento extraordinário das reformas e pensões não inferior a 10 euros, quer nas pensões mais baixas, quer nas restantes, porque é preciso continuar a «recuperar direitos e rendimentos».

Aníbal Pires, cabeça de lista pelo círculo eleitoral de São Miguel e de compensação, referiu-se, por seu lado, à intensa actividade parlamentar da CDU e às múltiplas propostas que tantas vezes acabaram reprovadas pela maioria absoluta do PS, às vezes com o voto do PSD. Recordou, por isso, a proposta que o PCP apresentou, em Janeiro, para repor a anualidade dos concursos dos professores, e que o PS, isolado, rejeitou em Junho. Agora, Vasco Cordeiro, candidato pelo PS, veio prometer exactamente repor a anualidade dos concursos. «Por aqui se vê a sobranceira e o autoritarismo da maioria absoluta» do PS, acusou.

No entanto, a luta «teve consequências» e um forte impacto na vida das pessoas. Aníbal Pires recordou duas propostas do PCP que foram aprovadas: a majoração do tempo e duração dos apoios sociais na ilha Terceira e o regime de apoio à agricultura familiar, que vai permitir reduzir as contribuições obrigatórias dos agricultores.

Olhando para o futuro, Vítor Silva, primeiro candidato da CDU pela ilha Terceira, avançou com propostas concretas para melhorar o nível de vida das famílias e dos trabalhadores, como o aumento do complemento regional ao salário mínimo.


12 medidas urgentes para uma vida melhor

Melhorar a vida dos açorianos, aliviar as suas dificuldades, não é apenas justo como também o único rumo para reactivar a economia regional e traçar um futuro de crescimento e desenvolvimento para os Açores. Essa é a prioridade política da CDU.

Assim, para fazer face à grave crise social e económica que os Açores atravessam, a Coligação PCP-PEV vai propor no Parlamento Regional um conjunto de medidas urgentes que permitirão, no imediato, melhorar os rendimentos dos açorianos, relançar a geração de riqueza e a criação de emprego.

  • Aumento do Salário Mínimo e do acréscimo regional de cinco para 7,5 por cento;
  • Redução do preço da electricidade;
  • Eliminação das taxas moderadoras na saúde;
  • Combate ao trabalho precário e abuso de programas ocupacionais;
  • Redução da taxa mais alta do IVA;
  • Manuais escolares gratuitos;
  • Viabilização e modernização da Sinaga;
  • Aumento do Complemento Regional de Pensão, Abono de Família e Remuneração Complementar;
  • Reforço do corpo de Vigilantes da Natureza e da fiscalização ambiental;
  • Reforço e adequação da frota da Sata;
  • Melhorar o escoamento do pescado para aumentar rendimento dos pescadores;
  • Aplicação do estatuto da agricultura familiar, fomento da diversificação agrícola e regulação dos mercados do leite e da carne.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: